Capazes confirmam: Feminismo esgotou-se há quase 30 anos!

Como já foi referido anteriormente, O Patriarca é leitor assíduo das Capazes, pois tem um interesse mórbido em saber quais as últimas insanidades que aquela gaiola de loucas anda a tentar importar para o nosso querido jardim à beira mar plantado.

Qual não é o seu espanto quando encontra um artigo da autoria da Srª Dª Isabel “#estousozinhaporqueoshomenstemmedodemim” Moreira, confirmando o que a maioria das pessoas com uma mente razoavelmente equilibrada sabem: o feminismo esgotou-se há cerca de 30 anos, e desde então não é mais que um movimento de supremacia de género liderado por gajas mal paridas e mal fodidas a tentar tornar toda a gente tão infeliz quanto elas e sacar umas regalias extra pelo caminho.

O artigo fala por si, pelo que o melhor é mesmo ler. Quem não quiser dar tráfego ao ninho de harpias maldito, pode encontrá-lo transcrito na íntegra abaixo. Até porque se a criatura se aperceber do que escreveu ainda o apaga, portanto é melhor guardar as provas.

Resumindo: a megera, confrontada com a existência de mulheres que percebem a malignidade da ideologia em causa, faz uma lista de conquistas importantes que o feminismo fez em Portugal entre 1974 e 1990. Depois, talvez tendo um laivo de consciência, acrescenta dois itens que não têm nada a ver com o feminismo – a lei do pré-escolar em 97 e a lei da adopção e do casamento gay em 2010 – para ver se o deserto dos últimos 27 anos não se torna tão evidente.

Termina com uns conceitos vagos e/ou falsos como a desigualdade salarial, demonstrando assim o exposto acima: O FEMINISMO É CANCRO DESDE 1990. Podem fechar a porta.

*******************************************

CARTA ABERTA ÀS MULHERES QUE REJEITAM O FEMINISMO

No dia internacional das mulheres, ouvi várias mulheres na televisão, incluindo jornalistas, rejeitarem o dia em si e o feminismo. Dizia uma jornalista que tudo o que acaba em “ismo” lhe cheira a “extremismo”.

Não me surpreendem. Infelizmente, sabemos que falta identidade ao movimento feminista, sabemos que o sexismo não é exclusivo dos homens. Mas é evidente que se a falta de perceção da desigualdade de género nos afeta, ela afeta-nos com mais força quando é manifestada por mulheres.

Sempre que levo com uma mulher horrorizada com o feminismo tenho vontade de fazer uma lista dos direitos de que essa mesma mulher goza, desde os primeiros dos primeiros, conquistados por sufragistas e operárias, as “histéricas” que deram causa à instituição do “dia das mulheres”, já agora um dia político e não um dia dos namorados “versão dois”, carregado de flores.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1974 as mulheres pudessem finalmente aceder à magistratura.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1974 as mulheres pudessem finalmente aceder à diplomacia.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1974 se alterasse o Código Administrativo legalizando o acesso das mulheres a todos os cargos.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1976, fruto do trabalho da Comissão Feminina se concedesse a todas as trabalhadoras o direito a licença de 90 dias no período de maternidade (matéria que vem sendo sucessivamente aperfeiçoada).

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1976 fosse aprovada a Constituição democrática, consagrando a igualdade entre homens e mulheres, passando por vários domínios, como o domínio laboral ou o da maternidade.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1977 entrassem em vigor as alterações ao Código Civil, acabando-se, por exemplo, com a abjeta “autorização” do marido para exercermos as nossas profissões.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que fosse criada em 1979 a Comissão para a Igualdade e para o Emprego (CITE) junto do Ministério do Trabalho, que até hoje zela pelo cumprimento da obrigação constitucional e legal de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no emprego.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1980 as mulheres pudessem concorrer à PSP.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que na revisão constitucional de 1982 se consagrasse o conceito (e as consequências dele) de paternidade.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1984 fossem aprovadas as leis sobre a proteção da maternidade e da paternidade e a lei de bases da segurança social, matérias em que fomos evoluindo e assumindo compromissos internacionais, nomeadamente os decorrentes da OIT.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1990 as mulheres pudessem prestar serviço nos quadros de qualquer modalidade de armas e serviços do Exército.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1990 fosse criada a Comissão para a Igualdade de Género.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1990 começassem a surgir as resoluções concretas estabelecendo medidas concretas e ações prioritárias de promoção de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres.

Foi de facto um “extremismo” lutar-se para que em 1997 fosse aprovada a lei quadro da educação pré-escolar.

Tem sido de facto um “extremismo” ver as evoluções legislativas, administrativas e práticas em todas estas matérias.

O “extremismo” denunciado por mulheres horrorizadas com o feminismo tem-lhes permitido beneficiar destas conquistas e de outras, como a lei da paridade ou, imagine-se, com a legalização da interrupção voluntária da gravidez. Essa conquista extremista permite às negadoras do feminismo (e bem) deixarem de ter de arriscar a vida se não desejarem continuar uma gravidez.

Entretanto, também podemos, todas e todos, adotar os filhos dos nossos companheiros ou companheiras, havendo ou não casamento (que é igualitário desde 2010), seja a relação heterossexual ou homossexual, podemos adotar uma criança com uma pessoa do mesmo sexo e podemos ser mães sem a tutela de um homem.

Não sei por onde andam estas mulheres, porque para além da falta de noção da história, não devem dar conta das disparidades e desigualdades salariais que persistem arrogantemente entre homens e mulheres; não devem dar conta de como as mulheres são sempre o elo mais fraco em épocas de crise económica e financeira; não devem dar conta de como os direitos laborais das mulheres continuam a ser pisados, de como nós somos sujeitas a entrevistas de emprego ilegais, de como nos perguntam acerca dos nossos planos de vida, de maternidade; não devem dar conta de como o assédio laboral é um cancro; não devem dar conta de como o assédio de rua é a prova (mesmo sendo crime) de como a sociedade ainda não interiorizou que o espaço público nos pertence; não devem dar conta de como somos violentamente escrutinadas e sujeitas a um padrão moral violento ao qual os homens são imunes; não devem dar conta de como os números relativos à violência no namoro e à violência doméstica são prova do modelo patriarcal enraizado contra o qual muitas de nós, feministas com memória e orgulho na palavra, lutamos.

Já se deram conta?

Ou andam pela vida a exercer os direitos que as feministas conquistaram (em nome do lema simples “igualdade de direitos”) sem dar mesmo, mas mesmo, por nada?

Agora parem e pensem: que seria de vocês sem o feminismo?

I Can’t Put My Penis In Your College Degree

Há muitos anos, mesmo no tempo em que comprava a narrativa feminista, que O Patriarca acha piada ao hit de Jon LaJoie, “Show Me Your Genitals”. Na altura com um certo peso na consciência, porque aquilo de facto está feito para ser ofensivo e nada correcto (politicamente ou não). Anos mais tarde apercebe-se sem pudor da realidade – é engraçado porque é verdade!

Nomeadamente, este trecho:

I can’t have sex with your personality

And I can’t put my penis in your college degree

And I can’t shove my fist in your childhood dreams

So why r’ you sharing all this information with me?

tinha postulado anteriormente que a formação académica e sucesso profissional das mulheres tem pouca influência no seu sucesso sentimental, podendo até mesmo ser deletério para o mesmo. Vamos então hoje expandir esse tema.

Hipergamia

“A palavra ‘hipergamia’ aplica-se, em geral, a uma tendência observada em várias culturas nas quais as mulheres procuram por pretendentes do sexo masculino que possuam status social mais elevado que os seus, o que normalmente se manifesta em uma atração por indivíduos comparativamente mais velhos, ricos ou mais educados do que elas mesmas.” – Wikipedia

A estratégia sexual feminina é baseada na hipergamia, que as impele instintivamente a procurar acasalar (de preferência no contexto de uma relação de longo prazo a culminar em casamento e procriação) com um homem que entendam ter maior valor que elas.

Um estudo muito interessante debruça-se a fundo sobre este tema, e dele se retiram dois gráficos extremamente curiosos.

percent-ever-marriednet-hypergamy

A figura 5 mostra-nos que para além da conclusão da educação básica (12 anos), quanto mais educação tem a mulher, menor a probabilidade de alguma vez casar. O Patriarca arrisca também que as mulheres com menos de 12 anos de escolaridade casam menos, não tanto pela falta de escolaridade em si, mas por os factores que as retiram precocemente da escola muitas vezes prejudicarem também a “casabilidade” (mães adolescentes, famílias disfuncionais, etc).

A figura 12 pode parecer um pouco desconcertante à partida – quanto mais estudos têm as mulheres, menos hipergâmicas se tornam. Mas não é difícil perceber porquê: quanto mais perto do topo está uma mulher, menor o número de parceiros disponíveis para cumprir o seu preceito hipergâmico. Acaba por ser inevitável algum grau de compromisso.

Portanto, o sucesso académico prejudica não só as hipóteses de uma mulher se casar (o sonho de quase todas, por mais que as feministas esperneiem e afirmem o contrário), como de cumprir a sua directiva primária de fazê-lo com um homem melhor que elas.

Canudos não são sexy

Agora a parte masculina da equação. Não é que o sucesso académico seja um factor negativo para a atractividade de uma mulher. Provavelmente tem absolutamente ZERO influência na mesma. Uma mulher boa é uma mulher boa, independentemente de só conseguir grunhir duas palavras ou saber discutir teoria de cordas. Por mais que a sociedade tente convencer os homens de que a inteligência é sexy, que ter uma mulher com formação superior é bom por isto ou por aquilo, a realidade vai ser sempre só uma: os homens (ainda que por pressão social não o admitam), antes de todas as outras considerações, querem uma cara bonita em cima de um corpo de ampulheta.

gallery-1437500283-esq1113000a
O Patriarca nunca viu um artigo a tentar explicar ao mundo porque é que esta mulher é uma bomba

Não quer isto dizer que as mulheres se esgotam no físico. Afinal de contas, O Patriarca gosta de mulheres, não de bonecas de plástico. E os outros homens também. A grande maioria dos homens tem um crivo físico, com uma malha mais ou menos apertada conforme os gostos pessoais e as possibilidades de cada um. Passado esse primeiro filtro, entram em jogo as outras qualidades. Aqui, de facto a educação poderia aportar alguma vantagem extra às mulheres, mas esbarra noutro problema. Essa educação tirou-lhes tempo para se dedicarem a outras actividades com muito mais retorno em termos de valor para um homem, como por exemplo:

  • cozinhar
  • cuidar de uma casa (que não é o mesmo que limpar – um homem de valor tem uma empregada para isso)
  • tocar (bem) um instrumento
  • tratar do corpo, nomeadamente ginásio
  • começar efectivamente a parir e a formar uma família em vez de esperar pelo fim da janela fértil

Muitos dos homens de hoje podem estar condicionados para dizerem que querem uma mulher “igual a eles”, ou seja que tenha uma actividade que permita dividir igualmente as despesas familiares (e esperar o mesmo da lida da casa). Podem até procurar activamente essas mulheres, contra os seus instintos. Esses são também os homens que as mulheres ignoram e as fazem perguntar “onde andam os homens de jeito?”, pelo menos até os 30’s chegarem e elas estarem dispostas a baixar a sua fasquia hipergâmica para assentar e parir 1.2 crianças.

Já os tais “homens de jeito” estão mais preocupados em buscar o que realmente querem, o que em termos de parceria feminina, para além dos já referidos atributos físicos, se traduz em: sexo entusiástico, companhia agradável, capacidade e vontade de cuidar uma família, e não chatear demasiado. O canudo não aporta nenhuma destas virtudes, e o mercado de trabalho não raramente drena-as.

Mulheres: fora da escola, dentro da cozinha?

O Patriarca sabe que vai ter de repetir isto sempre que tocar semelhantes assuntos, portanto vamos a isto. As mulheres (e todas as pessoas em geral) devem ser livres de escolher fazer com as suas vidas o que bem entenderem. Se isso incluir 20 anos de estudos e uma carreira esgotante mas recompensadora, nada a opôr. Se pelo contrário quiserem acabar o liceu, casar, ter filhos e dedicar-se à família, idem. Outras opções algures no meio destes extremos, ou totalmente noutra órbita, perfeitamente de acordo.

O que é cansativo é ouvir permanentemente (geralmente da boca de mulheres depois dos 30) que “os homens se sentem intimidados por mulheres inteligentes”. Não, querida. Em primeiro lugar, nem um curso superior é sinónimo de inteligência, nem a ausência de um impede uma mulher inteligente de se cultivar e poder ter uma conversa interessante. Em segundo lugar, o que afasta os homens das mulheres carreiristas não é a inteligência, mas sim as características que a vida profissional acaba por lhes inculcar – stress permanente, conflitualidade, egocentrismo, corpo menos cuidado, e talvez o pior, uma incapacidade de avaliação do seu valor no mercado sexual e a que tipo de homens podem almejar.

Finalmente, uma ressalva para aquela que é talvez a maior vantagem pessoal para a mulher típica ao ingressar no ensino superior: a potencial inserção em círculos com homens de maior valor do que o seu background normalmente lhes daria acesso. Seria aconselhável que todas as jovens que concluam que a sua carreira académica não as apaixona e que dificilmente encontrarão aí a sua realização pessoal, aproveitem para agarrar aí o homem dos seus sonhos e conseguir a vida amorosa que deseja. Sim, é um lamentável desperdício de recursos reduzir as universidades a substitutos de bailes de debutantes, mas devemos jogar com as cartas que nos são dadas.

Realismo e Felicidade

No fundo, o que O Patriarca pretende é que deixem de enganar as mulheres (e de tentar convencer os homens a mudar os seus impulsos biológicos de atracção, inatos e imutáveis).

Que se deixe de diabolizar a dona de casa, de meter na cabeça das meninas que são umas parasitas se optarem por esse rumo de vida, e que os homens que as escolhem são uns falhados, ou pior, machistas!

Que se informe as jovens que ingressam no ensino superior e no mercado de trabalho, que se abandonarem a sua feminilidade, de pouco lhes servirão os restantes atributos na busca de um parceiro.

Que se deixe de culpar os homens pelas suas preferências sexuais e românticas.

Que não se tente ocultar a realidade em nome de ideologias fantasistas, e que as pessoas possam tomar as suas opções de vida com os pés assentes na terra, para não descobrirem demasiado tarde que o mundo que lhes venderam não existe e que o Sr. Certo não vai necessariamente estar à espera.