Globos de Ouro – O macho português ainda está vivo

Em mais uma noite de caça ao homem, a choraminguice deu resultado e as quengas levaram os prémios.

No entanto O Patriarca constatou com satisfação a testosterona presente nos comentários.

USA no bom caminho.
O próximo passo será a eleição de uma ‘presidenta’ negra.
Do lado de cá do atlântico consuma-se o Brexit e passo seguinte será um edição contemporânea do ‘bloqueio continental’.
Porque, quanta à Europa, qualquer prognóstico só pode ser negro ou sombrio!
E segue-se o quê? 
Aceitam-se apostas …
E a China a esfregar as mãos de contente!
Alexandre Novais
De facto, um título parcialmente adequado. Foi uma noite verdadeiramente negra e que deveria envergonhar qualquer ser humano decente, seja quem for.
A discriminação abusiva, preconceito e racismo puro, contra os homens (brancos, heterossexuais, cristãos, não de esquerda) já se tornou perfeitamente assumida, descarada mesmo, precisamente por quem sempre clamou – e justamente – contra mau trato similar.
Para completar, o mundo que deveria ser civilizado faz eco e amplifica, como é exemplo a Rita Cipriano e o (em nome do) Observador.
Nojento e vergonhoso.
Elas e eles que metam os prémios onde estes melhor caibam e onde aqueles e aquelas mais gostem.
André Silva
Pegas em novas, senhoras em velhas. Toda a vida fizeram carreira na horizontal, num dos meios mais promíscuos e permissivos de que há memória e agora apressam-se a apresentar-se como virgens virtuosas. Que vergonha. 
Jay Pi
Abriu, então, a caça ao macho branco. Nas antigas colónias africanas, quando os europeus foram corridos, não eram tão selectivos, chacinavam tudo o que fosse branco: de galinhas, a porcos, passando por cães, gatos, vacas ou seres humanos, tudo o que fosse branco era para levar catanada, independentemente do sexo. Os talibans do politicamente correcto são mais selectivos: o problema deles é mesmo só com machos brancos.
Diogo Mendes
Pegas de preto
Victor Guerra
Rameiras das mais reles…
Jay Pi
sao premios politicos e comerciais, valem zero 
e agora discriminam abertamente os homens brancos por associacao 
John Silk
Que surpresa… politizar estas coisas depois só tira valor às vitórias das mulheres. Fico na seria dúvida se isto foi mesmo merecido ou simplesmente uma resposta aos “boicotes” e protestos.
João Sousa
Fica na dúvida… já não é mau, ainda fica um pouco para desfrutar um pouco da coisa.
A realidade nua e crua é que os últimos óscares foram o que foram em resultado da campanha pro-racista que se fez antes e os globos ontem foi o que se viu.
Imagino que estes prémios sempre tiveram uma grande componente comercial e como tal alguma fragilidade no seu valor e significado mas actualmente valem mesmo zero.
Nem sequer bons e divertidos monólogos de abertura. Agora é só ressentimento e ódio.
Helder Antunes
Estes são literalmente a totalidade dos comentários à hora da publicação deste post. A masculinidade portuguesa está bem e recomenda-se.

 


Siga-nos no Facebook!

Feminista Câncio

“Qualquer dia é proibido um homem dizer olá a uma mulher.”

O título do artigo conjugado com o nome da autora fez O Patriarca paralisar de espanto por uns momentos. Querem ver que a Fernanda Câncio ganhou juízo???

Não, como é óbvio.

A melhor maneira de enterrar as feministas é dar-lhes corda e deixá-las falar. Principalmente se forem gajas burras como esta. Rapidamente deixam os argumentos aparentemente razoáveis com que adoçam os ouvidos dos incautos, e expõem a verdadeira natureza do nefasto movimento supremacista que pontificam. Melhor do que qualquer opositor poderia fazer.

Porque sim, é isso mesmo que é preciso: que os homens reprimam os seus comportamentos naturalizados e pensem sobre o que é ou não adequado dizer ou fazer a uma mulher. Que se assustem com as possíveis consequências; que tenham medo de causar medo. Que percebam que não, não podem fazer e dizer tudo o que lhes ocorre, e que essa noção, além de sublinhada na lei, deve ser explicitada na escola – e desde cedo, porque é muito cedo que começam os danos.

Fernanda Câncio

Objectivo: subjugação dos homens.

Método: endoutrinar as crianças.

O feminismo é isto. Só não vê quem não quer.