As mulheres desejam Patriarcas

Fonte: Feminists Think Sexist Men Are Sexier than “Woke” Men

Women like bad boys. At least, that’s the story. And there’s lots of writing and anecdotal experience to back that up. Men frequently complain about being “friendzoned,” the idea being that men who are respectful toward their female interests get placed into the role of friend, rather than potential boyfriend. The “pickup artist” community has embraced this concept, teaching men how to behave in assertive, dominant ways that, allegedly, are more successful with women. Many of these concepts and dynamics themselves have been called sexist and misogynistic, reflecting underlying beliefs that women “owe” men sex. The “incel” community, a group of online males who complain bitterly, violently, and angrily about being “involuntary celibates” attack women for choosing “Alpha males” rather than softer, kinder men. . . like themselves.

Women who admit to liking bad boys—being attracted to men who are assertive or dominant—are sometimes criticized as having “internalized” misogynistic attitudes, or simply as naïve and foolish, failing to recognize or admit that sexism is damaging. During the 2016 presidential campaign, female fans of then-candidate Trump proudly invited their candidate to grab them, following release of tapes of Trump discussing grabbing women without consent. These women were proclaimed traitors to other women, or decried as simply deluded. Others have suggested that women may choose bad boy types in order to acquire protection from other, more aggressive and hostile men, a theory referred to as the “protection racket.” Some simply suggest that sexism is insidious, and that these dynamics infiltrate our choices without us noticing.

These are complex, highly politicized dynamics that foster conflicts and finger pointing between the genders. Unfortunately, research suggests that women do in fact find sexist men attractive. Gul and Kupfer recently published research where they conducted multiple experiments, testing women’s attraction to different types of men, and teasing out women’s motivations.

Past research has suggested that evolutionary biology explains these dynamics, pointing to findings that women reportedly prefer men with more masculine features and more indicators of “fitness.” However, many of those sensational findings are in question, with failed replications leading to doubt that these effects can be reliably predicted or measured.

Gul and Kupfer take a related tack, but head in a slightly different direction. They suggest that female interest in sexist men, specifically men who display “benevolent sexism” may be seen by women as being more interested in investing resources in a woman.

Benevolent sexism is a concept describing a form of sexism which is overtly less hostile and misogynistic, and are beliefs that I was taught, as a man from the US South. Benevolent sexism includes beliefs that:

  • Women should be “put on a pedestal”
  • Women should be cherished and protected by men
  • Men should be willing to sacrifice to provide for women
  • Women are more virtuous than men
  • Women are more refined and pure, compared to men.

Os leitores mais assíduos terão notado que isto são características algo Beta. Calma. O ouro vem a seguir.

Despite aspects of benevolent sexism appearing chivalrous and romantic, previous research has found that women who endorse these beliefs often demonstrate approval of restrictions on women’s freedoms, independence and autonomy, and may impact women’s support for gender egalitarianism.

O Patriarca suspeita que as mulheres que lutam contra a burka são as que não conseguiram arranjar um homem que as faça desejar a burka.

Gul and Kupfer used several different related experiments in order to test why women find men with these types of beliefs to be more sexy and appealing. They found that women who saw these types of men as more attractive also saw the men as being more willing to protect and care for them, and to commit to a relationship. Interestingly though, these women weren’t love-struck fools, but had their eyes open about these men. Despite being attracted to them, and seeing them as good mates and partners, the women saw these males as being undermining and patronizing men who were more likely to place restrictions on the women.

Tradução: as mulheres só querem ser fortes e independentes até arranjarem um Patriarca.

Gul and Kupfer conducted several separate experiments, showing that their results did replicate in different samples and using different methods (an important strategy in today’s replication crisis), and that the effect was apparent both potential mates, AND in work colleagues. Even in men who were not being scoped out as potential intimate partners, women were more likely to see sexist men as more attractive. Women who were both more and less feminist displayed similar levels of attraction to sexist men, so this effect isn’t the result of women not being “woke” enough.

One of the experiments tested whether women’s ratings of sexist men varied depending on cues about there being more hostile men around from whom the woman might need protection. But here again, women’s attraction towards sexist men wasn’t influenced by her potential need for safety from more hostile men.

O sexismo está para as mulheres como umas mamas boas estão para os homens. São apetitosas em qualquer contexto.

Gul and Kupfer’s research offers a new way to approach these complex dynamics of attraction, integrating the role of evolutionary influences, with culturally-influenced social role expectations. It also challenges some of the misleading beliefs that blame both women and men for the persistence of sexism in our society. It’s important to note that sexism and misogyny are not identical concepts. Kate Manne suggests that misogyny is more about control of women than about hatred, and argues that sexism is more of an ideology that supports the reasons why we treat women differently.

“Dating male feminists turned out to be one of the least empowering decisions I’ve ever made.” —Kate Iselin

Women who find sexist men attractive are not being traitors to other women, nor are they naïve women who don’t understand their choices. Instead, they are women who are making rational decisions, accepting tradeoffs. They are women who recognize that it may be more beneficial to have a partner who is committed to them and willing to sacrifice for them and their family, than it is to have a “woke” feminist man who wants them to be independent.

show_bolsonaro-600x387

I look forward to future research which might explore men’s own perceptions of their attitudes towards women. Do men who hold benevolent sexist beliefs recognize that they may increase their attractiveness, while also potentially being seen as patronizing? But for now, perhaps this research can help us to stop attacking sexist men as being misogynistic tools of the patriarchy, and recognize that these social dynamics exist due to the choices of both men and women, for reasons other than power, hatred, or control.

O mundo é dos Patriarcas, os outros só vivem nele.

Comentário da semana – a patologia do século XXI

A propósito de mais uma berlaitada na peida da igualdade, o leitor Vincent comenta:

Isto é mesmo enjoativo.
Vejam bem o cenário dantesco da moderna sociedade ocidental do séc XXI, e digam-me que isto vai acabar bem:

— desde a Idade da Pedra que os homens (masc) literalmente inventam tecnologia
— uma pessoa nasce em 1995 sem pénis (coitadinha, é deficiente)
— em 2018, sai da faculdade onde entrou com médias tiradas em 12 anos de ensino feminino
— hoje a coitadinha passa à frente dos homens em mais um certame tecnológico porque essa coitadinha e todas as coitadinhas antes dela (que têm muito a ver com ela) não tiveram o “privilégio” de tirar a humanidade das cavernas, matar bichos selvagens e a por em casas aquecidas com gatos fofinhos e telemóveis com IA embutida nos processadores ligada à net em todo o lado

Coitadinha daquela pessoa que em 1995 foi diagnosticada com a patologia do século, “sexo feminino”.

Pois não vai acabar bem, não. Aliás, O Patriarca subscreve a teoria de que grande parte da crise económica actual se deve à retirada de um número substancial de Betas do mercado (laboral, sexual, imobiliário, etc), precisamente por verem (consciente ou instintivamente) que as regras do jogo estão viciadas contra eles e concluírem que mais vale não jogar*.

O Patriarca gostava que a solução passasse por aprendermos a funcionar todos juntos de forma razoavelmente equilibrada, mas aposta mais num cenário de colapso civilizacional. Num cenário mais positivo, com uma reconstrução a partir de grupos resilientes; num cenário pior, com os mouros finalmente a tomarem conta desta merda toda.


* é uma conclusão lógica, embora O Patriarca não concorde com ela.

Web Summit, lá vamos nós outra vez

Perante o silêncio ensurdecedor dos CIGanos, o Web Summit avança novamente em 2018 com o Desconto Patareca.

Para o evento em Portugal vão estar disponíveis 10 mil bilhetes que só podem ser comprados por mulheres, havendo ainda a possibilidade de ganhar um desconto de 765 euros no preço da entrada da feira de tecnologia se recomendar duas amigas.


P. S. Mail enviado para os CIGanos:

Boa tarde

Na sequência do contacto feito previamente (ep108873r), do qual não houve uma resolução satisfatória, vimos mais uma vez por este meio denunciar o Web Summit, que se prepara novamente para oferecer um desconto de 90% exclusivo para mulheres, numa clara violação dos princípios de igualdade de género, com a agravante de se tratar de um evento internacional de grande visibilidade.

Fonte:
https://web.archive.org/web/20180721103247/https://tek.sapo.pt/extras/site-do-dia/artigos/women-in-tech-web-summit-volta-a-reservar-bilhetes-so-para-mulheres

Gostaríamos de saber quais as medidas que a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género pretende tomar relativamente a este assunto.

A reincidência nesta prática e o silêncio da Comissão contrastam com a celeridade com que actuou em situações passadas muito menos importantes e flagrantes.

Não é que n’A Távola Redonda tenhamos dúvidas de que a CIG tem uma agenda que nada tem a ver com a igualdade, mas pretendemos que o público em geral tenha noção disso.

No altamente improvável cenário de estarmos equivocados, seria positivo que abordassem esta questão de forma mais incisiva do que no ano passado.

Cumprimentos,
O Patriarca

atavolaredonda.com

A igualdade é quando dá jeito, vol. 2

Siga-nos no Facebook!


Vai decorrer na próxima segunda-feira, 12 de Fevereiro, um evento sexista que não devia ter lugar em [Ano Actual]™. Não, não é uma reunião de violadores. É só mais um evento com Desconto Patareca: Resonate Lisbon.

Resonate
O famoso pussy pass

73% de desconto vagina, porque igualdade. Naturalmente, O Patriarca contactou os CIGanos.

Exmos. Senhores

Apesar da infrutividade da minha denúncia a esta comissão sobre o passado WebSummit, venho por este meio novamente contactar-vos para denunciar um abuso semelhante.

Conforme vem relatado nesta notícia:

https://www.dezeen.com/2018/02/06/women-offered-70-per-cent-discount-tickets-resonate-architecture-conference-event-lisbon-maat-museum-portugal/

e se pode constatar no site do evento:

https://www.resite.org/events/resonate-lisbon

Na próxima semana, mais concretamente no dia 12-02-2018, terá lugar em lisboa, no MAAT, um evento internacional destinado a arquitectos e designers, que ostensiva e intencionalmente leva a cabo uma discriminação de género a coberto de intenções de “igualdade”, oferecendo um desconto na entrada de 160€ (73% do valor) a mulheres.

Gostaria de saber qual a vossa posição relativamente a este assunto, e se as medidas a tomar serão semelhantes ao último contacto, nomeadamente o envio de um email inócuo e sem qualquer seguimento, permitindo a manutenção impune destas práticas.

Acompanhamos como sempre a situação em

atavolaredonda.com

Cumprimentos

Tal como da última vez, O Patriarca não tem qualquer expectativa de que estas queixas dêem frutos. Nem o pretende queixar-se, ou recrutar leitores para activismos masculinos. Isso são coisas de mulheres.

O objectivo destes posts é e será sempre o objectivo geral deste blog – melhorar a vida do leitor. Neste caso, abrindo-lhe os olhos, para que quando em algum momento da sua vidas se sintam tentados a dar uma abébia a uma mulher, em prejuízo próprio… Pensem duas vezes. É uma reacção com raízes no nosso natural instinto protector, amplificada pelo complexo de culpa que permantentemente se tenta inculcar nos homens. E no contexto actual, completamente desajustada. As mulheres que se façam à vida. Não é que lhes falte ajuda.

Web Summit, ou “A igualdade é quando dá jeito”

Numa altura em que as sapatonas que nos governam andam histéricas com discriminações que só existem nas suas dementes cabeças marxistas, está a passar debaixo dos nossos narizes uma objectiva e descarada discriminação de género.

O badalado Web Summit, procurando resolver o “problema” de não haver vaginas suficientes numa conferência sobre tecnologia, decidiu em 2016 assumir um “compromisso com a mudança” e oferecer 10.000 entradas a mulheres.

Borla Vagina

Ironicamente, encontraram um problema com o qual os homens estão extremamente familiarizados: as mulheres mudam de ideias a toda a hora, por qualquer razão ou sem razão aparente, e baldam-se à última sem um pingo de vergonha. Menos de metade das receptoras de bilhetes se dignaram a aparecer.

A solução encontrada não foi menos irónica. Num gesto que poderia ter sido retirado de qualquer manual ou fórum PUA, obrigaram as contempladas a investir, pedindo um preço simbólico de 85€ (90% de desconto). De notar que essa era declaradamente a intenção, conforme se encontrava escarrapachado no site na altura. Resta saber qual será a eficácia da medida, mas isso é irrelevante neste momento. O que é relevante é que no meio de todas as discussões que tem havido sobre questões de igualdade, não se vê uma palavra sobre isto em lado nenhum!

Quando se deu conta deste Passe Vagina, em Maio, antes de rebentar a bronca dos livros infantis, O Patriarca contactou os CIGanos, não esperando qualquer resposta.

Boa noite.
Tomei conhecimento de que o Web Summit Lisboa tem disponíveis entradas exclusivas para mulheres pelo valor de 85€, quando o preço normal é de 850€.

Esta situação é uma clara violação dos princípios de igualdade de género, com a agravante de se tratar de um evento internacional de grande visibilidade. Gostaria de saber quais as medidas que a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género pretende tomar relativamente a este assunto.

Cumprimentos

Foi assim com grande espanto que recebeu o seguinte e-mail em resposta:

Exmo. Senhor,

Vimos por este meio responder à exposição que nos apresentou, a coberto de email datado 09/05/2017, informando o seguinte:

A Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), nos termos do Decreto Regulamentar n.º 1/2012, de 6 de janeiro, tem como missão garantir a execução das políticas  públicas no âmbito da cidadania e da promoção e defesa da igualdade de género, designadamente nos domínios transversais da educação para a cidadania, tráfico de seres humanos, mutilação genital feminina, violência doméstica e de género, discriminação em função do sexo, género ou da orientação sexual e do apoio às vítimas.

Nessa medida,  cabe-lhe receber queixas relativas a situações de discriminação ou de violência com base no género e apresentá-las, sendo caso disso, através da emissão de pareceres e recomendações, junto das autoridades competentes ou das entidades envolvidas [alínea p) do n.º 2 do art. 2º  do Decreto Regulamentar n.º 1/2012, de 6 de janeiro].

Neste contexto e no seguimento da sua queixa relativa à diferença de preços para mulheres e homens para ingresso no Web Summit 2017, a CIG solicitou à organização do citado evento que se pronunciasse sobre o teor da queixa, conforme email que se junta em anexo, após o que a CIG apresentará o seu parecer.

Com os melhores cumprimentos,

Junta: Email enviado a tickets@websummit.com

Melhor do que o esperado, mas escusado será dizer que enquanto os livros da Porto Editora foram celeremente retirados do mercado, o WebSummit vai começar dentro de 1 mês, mantendo proeminentemente no seu website o descarado Desconto Patareca. O Patriarca enviou há alguns dias um último mail aos CIGanos:

Exmos Senhores

Constato com consternação que, 4 meses volvidos sobre este contacto, estamos a 1 mês do Web Summit e não há qualquer resposta sobre este tema.

Tendo em conta a celeridade com que V. Exas. trataram de conseguir que os livros infantis da Porto Editora, tendo por base uma suposta discriminação extremamente subjectiva, só é possível concluir que a falta de actividade perante uma discriminação clara e objectiva se deve ao facto de ela ser exercida sobre o sexo oposto.

atavolaredonda.com tratará de relatar o sucedido.

Cumprimentos

Pouco importa o seguimento, provavelmente nenhum, que este assunto terá. O Patriarca ressalva que não tem qualquer esperança de mudar o que quer que seja na sociedade. Entre o WebSummit, o festival para gajas na Suécia, e a fressureira francesa que quer proibir os homens de pedir o número de telefone a mulheres, a bola de neve é demasiado grande para ser parada. O feminismo seguirá o seu curso inexorável até ao resultado final, que será o colapso perante a realidade e a reinstituição do famoso “Patriarcado” – se será um modelo tipo Ocidental ou um inferno de mouros e Sharia, é a grande dúvida.

O objectivo deste tipo de artigos é aumentar a resiliência dos homens que tenham a sorte de os ler e acordar para a vida. Há mais de 40 anos que somos criados com uma forte carga de “culpa masculina” que, quando assimilada, permeia todas as interacções com as mulheres. Os homens não devem sentir culpa nenhuma de ser homens e fazer o que faz um homem: agarrar o mundo pelos tomates e as mulheres pela xoxota. E muito menos pedir desculpa.

pussygrab

O homem heterossexual é hoje um alvo a abater, mas isto não deve ser usado como desculpa para a inacção ou para o fracasso. Deve servir para saber o que enfrenta e como melhor se defender, para poder perseguir os seus objectivos sem qualquer remorso ou consideração por conceitos comunas como “igualdade” e “misoginia”, que não são mais que desculpas para lhe atirar obstáculos para o caminho e degraus para os adversários lhe passarem por cima. Se for acusado de machismo ou qualquer fobia imaginária, a resposta mais eficaz é ignorar ou Concordar & Amplificar.

Incidentalmente, esta atitude traz também sucesso com as mulheres – principalmente as que têm a mania que são feministas, e que vão ficar escandalizadas com o atrevimento desse homem, desde o momento em que o conhecem até lhe abrirem as pernas.


Anexo:  O e-mail enviado pelos CIGanos ao WebSummit

De: cig

Enviado: sexta-feira, 26 de Maio de 2017 15:25

Para: tickets@websummit.com

Assunto: FW: [Contacto] Igualdade de Género, Cidadania e Não-discriminação

Dear Sir/Madam,

The Commission for Citizenship and Gender Equality (CIG) is a Portuguese public entity,  integrated in the Presidency of the Council of Ministers and reports directly to the Secretary of State of Citizenship and Equality, which aims to ensure the implementation of public policies in the field of citizenship and the promotion of equality between women and men, in particular by promoting actions aimed at the civic awareness regarding the identification of situations of discrimination and of forms to eliminate them, and on the prevention and fight against domestic and gender-based violence, including the fight against Female Genital Mutilation, and trafficking in human beings.

CIG also receives complaints about situations of discrimination or gender-based violence and submits them, accompanied by its formal opinions or recommendation, to the competent authorities or concerned entities.

On the 09/05/2017, a complaint was received in the Commission, concerning the price of tickets to the Web Summit 2017 (on November 6-9) for women, since those are worth € 85, when the regular price is € 850.

In this sense, the Commission asks for the Web Summit Organization to verify the facts of this complain and present the raisons why there is such a difference of price.

Thank you

Commission for Citizenship and Gender Equality

Desafio à Porto Editora

muita coisa foi escrita sobre os terríveis, horríveis, nada bons, muito maus livros sexistas da Porto Editora, de tal maneira que O Patriarca tem de estar aqui a encher chouriços para poder colocar todos os links que deseja.

Sentindo que tem pouco a acrescentar ao que já foi dito quer sobre os contornos Orwellianos do caso, quer sobre as intragáveis harpias que andam a promover a polémica, resta-lhe lançar um repto à editora que infelizmente capitulou.

Reeditem os livros exactamente como estão, substituindo apenas as referências “para meninas” e “para rapazes” por “versão rosa” e versão azul”. Ou se quiserem ser mais desafiadores, “versão Vénus” e “versão Marte” – mais um tema de aprendizagem!

Esta gente não se combate com desculpas e capitulações. Combate-se com chacota e ridículo.

Esta teve de pedir o namorado em casamento
Esta teve de pedir o namorado em casamento