Comentário (imbecil) da semana: os terríveis red pill

No último artigo do Myrddin Emrys, a leitora Ork Ragnaroc, aparentemente acusando o golpe, comenta:

Isto é que são os terríveis red pill ?

Parecem a minha tia-avó que nunca saiu da aldeia de trás-os-montes e nunca viu um comboio.

Vocês não sabem que há séries que não são para a vossa idade ?

E que mais é que os choca ?

Digam lá.

Como boa comuna, confunde a rejeição de imbecilidades ditas “progressistas” com ignorância.

Com o cargo de “fudida na empresa Trabalho para um sacana que me rouba.“, depois de ter estudado em “Uma universidade que me deu um diploma que não vale a ponta de um chavelho” onde “Chumbei uma data de vezes e prefiro não falar nisso“, é normal que pertença ao grupo de gente que prefere ver o mundo a arder do que enfrentar as razões dos seus próprios fracassos.

Mas tentando ser pedagógico e explicar aos putos chavalos desta vida o que é que é a Red Pill, O Patriarca começa por explicar o que não é.

A Red Pill não é um grito de revolta. A Red Pill não é uma tentativa de ser terrível, de ser do contra, de chatear os paizinhos, de achincalhar o sistema, de ser “moderno”, “progressista”, ou lá o raio das palavrotas de ordem de merda que os marxistas adoram.

A Red Pill é uma tentativa de explicar a realidade da forma mais aproximada e útil possível para que o indivíduo que a usa como frame possa navegar o mundo de forma eficiente e atingir o seu potencial.

Os nossos bisavós, que estavam mais preocupados com a realidade do que em inventar mais géneros para acrescentar ao comboio LGBTQPUTAQUEOSPARIU, provavelmente responderiam aos princípios Red Pill com “Sim, e a água é molhada. E então?”.