Carta Aberta a Ruth Manus

Ó minha puta: vai para o caralho. O Patriarca ainda não tinha decidido pegar contigo. Afinal de contas, ainda não eras uma quenga perniciosa; eras só uma brazuca cabeça de vento que escrevia umas merdas num jornal relativamente decente. E até tinhas piada ocasionalmente. Escrevias umas tonterias relativamente inofensivas. Representavas aquela espécie de feminismo light que tendemos a benevolentemente deixar passar, como uma birra de adolescente. E como até eras casada, e razoavelmente engraçada do ponto de vista estético, passavas por uma típica semi-conservadora ingénua que sofre de falta de regulação por parte de um marido demasiado permissivo (quiçá beta).

Mas agora passaste das marcas. Não há nada de light neste discurso de merda. Entraste na linha de pensamento do ninho das harpias e das marchas de galdérias a pedir que não me chames de querida.

E como pelo teu próprio discurso dispensas a benevolência do patriarcado, isto vai sem filtro.

Podes pegar nessa peida certamente demasiado grande por influência de genes ameríndios, e fazer a viagem transatlântica de volta para o basqueiro de onde vieste.

O Patriarca faz aqui uma pausa para notar que, para além do facto de ser brazuca, não é possível encontrar uma única foto que dê uma ideia de como é a bunda desta puta. Isto, ainda mais numa numa galdéria semi-famosa, só quer dizer uma coisa – tem o cagueiro como um comboio de mercadorias. Mentira, O Patriarca encontrou uma foto que permite fazer uma estimativa. Guardou-a para efeito dramático.

ruth manus gorda.jpg
Nem penses que te vamos publicitar livros, badocha!

As cortinas da sala d’O Patriarca têm menos pano que isto – e ocupam a parede inteira! Estereótipo confirmado – traseiro de petroleiro.

Adiante. Esse feminismo radical pode já ter pegado de estaca nesse pardieiro a que chamas pátria, mas certamente não é bem vindo em Portugal, nem vindo de nativas, quanto mais saído de uma cadela colonizada que tem o desplante de dizer que a língua que assassina cada vez que abre a boca para cuspir asneiras com sotaque amazónico é “Português do brasil”.

Para começar porque é uma conversa de merda. Não só como muito bem ressalvaram vários leitores nos comentários a expressão “meu anjo” (e já agora, “meu bem”, excepto na canção Beta do século do Salvador Sobral) é pouco utilizada em Portugal. Também o trato condescendente, ao contrário do que imaginam todas as feminazis do alto do seu solipsismo, não aflige exclusivamente mulheres. Qualquer homem relativamente jovem que interaja com senhoras de meia idade para cima rapidamente se habitua a ser tratado por “meu querido” e “meu filho”. Mas lá está, as mulheres queixam-se, os homens lidam.

Depois, é de ir às lágrimas ler uma desmiolada que não tem a mínima noção de que só lhe é permitido, como imigrante quase acabada de aterrar, ter uma coluna semanal num dos principais jornais nacionais e fazer as críticas que faz ao comportamento e costumes dos locais, porque é vista como uma miúda inofensiva com, lá está, cara de anjo. Não percebes que é o machismo carinhoso de que te estás a queixar que te salva de que se te tenha dado rapidamente o tratamento que merecias, que era na melhor das hipóteses um banho de alcatrão e penas.

Uma rameira como tu ter o desplante de pensar que se em vez de umas melenas loiras e umas tetas empertigadas tivesse voz grossa e barba rija teria qualquer hipótese de assinar esta fútil crónica, ainda por cima num dos jornais menos vermelhos cá do burgo, e em vez de mostrar alguma gratidão vestir o macacão marxista e tentar o MeToo em terras de macho latino, só mostra uma coisa. Que está na altura de acabar de vez com o machismo carinhoso e reinstituir o Patriarcado.

Enfim, reza para o teu marido encontrar este artigo. Se o beta que pôs um anel nisso alguma vez ler estas palavras, pode ajudar a salvar o mundo começando pela própria casa. Se controlasse a mulher como Deus manda talvez vos poupasse a estas vergonhas, e permitisse que lhe mantenhas o respeito. Em vez de lhe espetares um divórcio daqui a uns anos quando só o simples facto de pensares nele te fizer encarquilhar a buceta.

O pénis de Bruno Maçães

O Patriarca sabia que não ia tardar muito que se importasse a Histeria Weinstein para terras lusas. Afinal de contas, ainda não se conseguiu erradicar os homens da política e implementar um governo 100% vagina pronto a vergar-se ao viril membro islâmico. Há muito homem para deitar abaixo a caminho da utopia feminista.

governo feminista

Mas tal como o gajo que não fode há um ano, quando finalmente deita a mão a uma gaja se arrisca a, de tanta ânsia, esporrar-se-lhe às bordas da cona, também os abutres cá do burgo tiveram um precoce orgasmo colectivo com um assunto que afinal era pouco mais que uma roçadela na glande.

Parece que um gajo com ar de choninhas mandou umas fotos do pífaro leiteiro a uma jornalista. Parece que as mensagens eram ameaçadoras. Parece que era Secretário de Estado dos Assuntos Europeus, na altura. Das “direitas”, ainda por cima. Um alvo perfeito, a esquerda em histeria.

Afinal a gaja em questão nem valoriza a questão por aí além e a história toda não passa de uns comentários com uns amigos que lhe explodiram na cara. E as mensagens “intimadatórias” afinal eram “creepy”, palavra para a qual não existe equivalente exacto em português (e ainda bem).

Falsa partida para a histeria do #metoo em Portugal, portanto. Aguardam-se cenas dos próximos capítulos.