A igualdade é quando dá jeito, vol. 2

Siga-nos no Facebook!


Vai decorrer na próxima segunda-feira, 12 de Fevereiro, um evento sexista que não devia ter lugar em [Ano Actual]™. Não, não é uma reunião de violadores. É só mais um evento com Desconto Patareca: Resonate Lisbon.

Resonate
O famoso pussy pass

73% de desconto vagina, porque igualdade. Naturalmente, O Patriarca contactou os CIGanos.

Exmos. Senhores

Apesar da infrutividade da minha denúncia a esta comissão sobre o passado WebSummit, venho por este meio novamente contactar-vos para denunciar um abuso semelhante.

Conforme vem relatado nesta notícia:

https://www.dezeen.com/2018/02/06/women-offered-70-per-cent-discount-tickets-resonate-architecture-conference-event-lisbon-maat-museum-portugal/

e se pode constatar no site do evento:

https://www.resite.org/events/resonate-lisbon

Na próxima semana, mais concretamente no dia 12-02-2018, terá lugar em lisboa, no MAAT, um evento internacional destinado a arquitectos e designers, que ostensiva e intencionalmente leva a cabo uma discriminação de género a coberto de intenções de “igualdade”, oferecendo um desconto na entrada de 160€ (73% do valor) a mulheres.

Gostaria de saber qual a vossa posição relativamente a este assunto, e se as medidas a tomar serão semelhantes ao último contacto, nomeadamente o envio de um email inócuo e sem qualquer seguimento, permitindo a manutenção impune destas práticas.

Acompanhamos como sempre a situação em

atavolaredonda.com

Cumprimentos

Tal como da última vez, O Patriarca não tem qualquer expectativa de que estas queixas dêem frutos. Nem o pretende queixar-se, ou recrutar leitores para activismos masculinos. Isso são coisas de mulheres.

O objectivo destes posts é e será sempre o objectivo geral deste blog – melhorar a vida do leitor. Neste caso, abrindo-lhe os olhos, para que quando em algum momento da sua vidas se sintam tentados a dar uma abébia a uma mulher, em prejuízo próprio… Pensem duas vezes. É uma reacção com raízes no nosso natural instinto protector, amplificada pelo complexo de culpa que permantentemente se tenta inculcar nos homens. E no contexto actual, completamente desajustada. As mulheres que se façam à vida. Não é que lhes falte ajuda.

Globos de Ouro – O macho português ainda está vivo

Em mais uma noite de caça ao homem, a choraminguice deu resultado e as quengas levaram os prémios.

No entanto O Patriarca constatou com satisfação a testosterona presente nos comentários.

USA no bom caminho.
O próximo passo será a eleição de uma ‘presidenta’ negra.
Do lado de cá do atlântico consuma-se o Brexit e passo seguinte será um edição contemporânea do ‘bloqueio continental’.
Porque, quanta à Europa, qualquer prognóstico só pode ser negro ou sombrio!
E segue-se o quê? 
Aceitam-se apostas …
E a China a esfregar as mãos de contente!
Alexandre Novais
De facto, um título parcialmente adequado. Foi uma noite verdadeiramente negra e que deveria envergonhar qualquer ser humano decente, seja quem for.
A discriminação abusiva, preconceito e racismo puro, contra os homens (brancos, heterossexuais, cristãos, não de esquerda) já se tornou perfeitamente assumida, descarada mesmo, precisamente por quem sempre clamou – e justamente – contra mau trato similar.
Para completar, o mundo que deveria ser civilizado faz eco e amplifica, como é exemplo a Rita Cipriano e o (em nome do) Observador.
Nojento e vergonhoso.
Elas e eles que metam os prémios onde estes melhor caibam e onde aqueles e aquelas mais gostem.
André Silva
Pegas em novas, senhoras em velhas. Toda a vida fizeram carreira na horizontal, num dos meios mais promíscuos e permissivos de que há memória e agora apressam-se a apresentar-se como virgens virtuosas. Que vergonha. 
Jay Pi
Abriu, então, a caça ao macho branco. Nas antigas colónias africanas, quando os europeus foram corridos, não eram tão selectivos, chacinavam tudo o que fosse branco: de galinhas, a porcos, passando por cães, gatos, vacas ou seres humanos, tudo o que fosse branco era para levar catanada, independentemente do sexo. Os talibans do politicamente correcto são mais selectivos: o problema deles é mesmo só com machos brancos.
Diogo Mendes
Pegas de preto
Victor Guerra
Rameiras das mais reles…
Jay Pi
sao premios politicos e comerciais, valem zero 
e agora discriminam abertamente os homens brancos por associacao 
John Silk
Que surpresa… politizar estas coisas depois só tira valor às vitórias das mulheres. Fico na seria dúvida se isto foi mesmo merecido ou simplesmente uma resposta aos “boicotes” e protestos.
João Sousa
Fica na dúvida… já não é mau, ainda fica um pouco para desfrutar um pouco da coisa.
A realidade nua e crua é que os últimos óscares foram o que foram em resultado da campanha pro-racista que se fez antes e os globos ontem foi o que se viu.
Imagino que estes prémios sempre tiveram uma grande componente comercial e como tal alguma fragilidade no seu valor e significado mas actualmente valem mesmo zero.
Nem sequer bons e divertidos monólogos de abertura. Agora é só ressentimento e ódio.
Helder Antunes
Estes são literalmente a totalidade dos comentários à hora da publicação deste post. A masculinidade portuguesa está bem e recomenda-se.

 


Siga-nos no Facebook!

Comentário da Semana – Direito de voto

Em Tudo putas, o leitor Zé Manel Tonto comenta:

“Quanto mais longe for a insanidade, pior será a inevitável reacção.”

Concordo a 100%.

Digo que, caso os europeus, leia-se gente com QI elevado, de civilização de matriz judaico-cristã, o que não quer dizer exclusivamente brancos, vencerem as guerras civis que vão estalar, mais tarde ou mais cedo, por essa Europa fora, contra os invasores mouros, as mulheres devem perder o direito de voto.

Porque votam massivamente em partidos que são favoráveis à invasão por bárbaros terceiro mundistas;
Porque, são na sua maioria, lunáticas que votam com as emoções e não com a razão (votos fáceis para quem apela ao ajudar os coitadinhos);
Porque são a maioria dos grupos de “refugees welcome”, e nem quando a criminalidade dispara e deixam de poder andar sozinhas na rua, reconhecem a merda que fizeram.

Principalmente porque eu, a ter que arriscar a pele para derrotar um bando de animais que vivem bloqueados no século VII, quero algo de volta, e esse algo é que Câncios e Isabeis Moreira deixem de poluir as vias aéreas, e as ideias vis delas percam toda a força. Quero que o mulherio deixe de se armar ao pingarelho, com estas histórias parvas de tocar no joelho é acto sexual, que não se pode ter livros rosa e azul, e etc.

Uma reacção mais branda que esta é a que já estou a recomendar aos meus amigos solteiros: caguem para as portuguesas e arrangem uma polaca (ou de outro país de leste, mas Polónia é melhor). Eu até nem estou mal servido com a minha portuguesa, ela faz mais limpezas, eu cozinho mais vezes (o que até é um bom tradeoff, porque eu cozinho melhor).
Mas muito mulherio português acha que as tarefas domésticas têm que ser 50-50 e, alguma acham que elas fazem o planeamento da limpeza e planear é 50% do trabalho, por isso o homem tem que fazer mais de 50% do trabalho físico. Alguém está para aturar isso? Lagarto, lagarto!

A reacção vem aí, queridas. Pensem bem de que lado querem estar.

sufragio feminino
Regresso ao passado?

Feminismo: birra de adolescente

O ninho das harpias continua a não desiludir.

A inveja de pila é normal na infância. Assim como quase todos os meninos têm em alguma altura da vida inveja do tratamento preferencial que é dado às meninas, também as meninas sentem inveja da aparente falta de limitações que os meninos têm.

Geralmente com o amadurecimento isso passa. A testosterona dispensa paneleirices e abraça o desafio, e o estrogénio esbate a competitividade e traz um maior apreço pelo tratamento de princesa.

Sobram umas desadaptadas com cara de sapo que não são capazes (heh) de encontrar o seu caminho e, desprovidas de um par de gónadas penduliformes que lhes dêem a garra necessária para moldar o mundo à sua medida, recorrem à panaceia feminina: reclamar. Assim nasce a geração seguinte de feministas.

CHEGA MESMO, TÁ??

amansa miuda
Calma, querida…

Valha-nos o pasquim da Ferro Rodrigues para dar voz a diatribes ridículas como a birra desta pita tonta que admitidamente não sabe nada da vida. Só mostra o que são no fundo todas as feministas: umas garotas que precisam é de levar umas nalgadas.

 

*******************************************************

CARTA ABERTA A TODOS OS MACHISTAS

Caros machistas:

Esta carta é para todos vocês que de alguma forma acham que os homens são o sexo “forte”, que o lugar das mulheres é na cozinha, que as mulheres devem receber menos que os homens, que por defender os meus direitos sou lésbica ou que simplesmente “mulher ao volante, perigo constante” define todas nós. Estes são sé alguns exemplos, mas existem muitos mais. No entanto não me posso prender só aqui, tenho que chegar à mensagem que quero transmitir!

Tenho plena noção que esta carta vai ser lida por muitas Mulheres que de alguma forma já se sentiram discriminadas em pleno século XXI. Também sei que o público-alvo (as pessoas que referi em cima) não vão ler, e os que lerem, vão comentar algo do género “não se façam de vítimas”. Mas para mim CHEGA desta situação!

CHEGA MESMO.

Posso ter 17 anos, posso ainda não ter vivido muito, mas sei que não é este o caminho que quero seguir, não é nesta realidade que quero viver. Quero um mundo diferente, um mundo onde tenha as mesmas oportunidades que um homem, um mundo que não me diga que o rosa é para as meninas e o azul para os rapazes. Não quero um mundo que determina que as meninas usam saias e vestidos e só brincam com bonecas. E se eu não gostar de rosa, e se eu quiser brincar com carros ou jogar à bola na rua com os rapazes?

Quantas raparigas foram aprisionadas por estes estereótipos? E quantas ainda se vão sentir pressionadas até que se ultrapasse o problema? Quantas raparigas ouviram “deixa de ser maria-rapaz, larga esse desporto e sê como todas as outras”. “Deixa o teu cabelo crescer, não o cortes curto, senão pareces um rapaz!”. Quantas de nós foram infelizes e deixaram de fazer as coisas que mais gostavam por comentários como estes, que tornaram a sua infância e muitas vezes a sua adolescência mais tristes por medo de serem gozadas.

Posso ser jovem mas já tenho muita noção das coisas, muito mais noção que muitos adultos! Não é preciso ganhar nenhum “Prémio Nobel da Inteligência” para entender o mundo em que vivo e fico cada vez mais triste com as notícias que leio nos jornais, como a da violência doméstica deixar de ser crime num país dito civilizado! Porque é que as mulheres têm que servir como “moeda de troca” em guerras geradas por homens, sendo raptadas, violadas, mortas, sem que tenham qualquer culpa pelo que aconteceu? Quantas mulheres continuarão a ser obrigadas a casar com homens de quem não gostam? Quantas mais mulheres serão vendidas por meros trocos? Quantas tiveram de abandonar os seus empregos, muitas vezes melhor remuneradas do que os vossos, porque vocês se sentiam inferiores e as obrigaram a desistir dos seus sonhos?

Podemos superar tudo isto? Custa muito deixarem-nos ser livres e escolher o que realmente queremos, sem sermos julgadas e sem qualquer tipo de preconceito?

Acho que é um exercício bastante simples da vossa parte, é só tratarem-nos da mesma maneira que são tratados e como gostam de ser tratados!

Ah e BASTA, até este problema estar resolvido, não há ninguém que me cale! Porque enquanto cada uma de nós se levantar e lutar pelos seus direitos, indiretamente está a levantar-se e a lutar pelos direitos de todas nós!

Ana Beatriz Basílio, 17 anos.

Feminista Câncio

“Qualquer dia é proibido um homem dizer olá a uma mulher.”

O título do artigo conjugado com o nome da autora fez O Patriarca paralisar de espanto por uns momentos. Querem ver que a Fernanda Câncio ganhou juízo???

Não, como é óbvio.

A melhor maneira de enterrar as feministas é dar-lhes corda e deixá-las falar. Principalmente se forem gajas burras como esta. Rapidamente deixam os argumentos aparentemente razoáveis com que adoçam os ouvidos dos incautos, e expõem a verdadeira natureza do nefasto movimento supremacista que pontificam. Melhor do que qualquer opositor poderia fazer.

Porque sim, é isso mesmo que é preciso: que os homens reprimam os seus comportamentos naturalizados e pensem sobre o que é ou não adequado dizer ou fazer a uma mulher. Que se assustem com as possíveis consequências; que tenham medo de causar medo. Que percebam que não, não podem fazer e dizer tudo o que lhes ocorre, e que essa noção, além de sublinhada na lei, deve ser explicitada na escola – e desde cedo, porque é muito cedo que começam os danos.

Fernanda Câncio

Objectivo: subjugação dos homens.

Método: endoutrinar as crianças.

O feminismo é isto. Só não vê quem não quer.

Comissão para a Igualdade de Género

A esquerda não se derrota com lógica nem argumentos.

A esquerda é composta por gente sem valor, cuja única hipótese de ascender socialmente é através da exibição de virtude (geralmente falsa), abraçando causas ridículas em suposta defesa dos coitadinhos.

Assim, a melhor maneira de os desmoralizar é através da chacota e do ridículo. Fazer pouco dessas causas que não têm ponta por onde se lhes pegue. E claro, troçar incessantemente com a fisiognomia de pusilânimes que invariavelmente apresentam.

Por exemplo, há um organismo estatal que não serve para nada senão fazer barulho, chupar fundos do estado e incomodar as pessoas honestas que trabalham. Muito à semelhança de uma certa etnia que tem dado que falar ultimamente.

Felizmente há um logotipo perfeito para eles.

ciganos
Espalhai este meme

Ó Paula Cosme Pinto, vai pró caralho

O Patriarca há uns tempos prometeu a si próprio que ia reduzir os seus escritos contra o feminismo, e concentrar-se mais em ensinar os homens (e as mulheres) a contornar as consequências nefastas do mesmo nas suas vidas.

No entanto de vez em quando é necessário mandar uma feminista à merda. Nem que seja para arejar a cabeça.

O excelente blog Blasfémias chamou a atenção para mais uma diatribe de uma badocha asquerosa que já foi aqui antes mencionada. A harpia em questão começa a ser um ódio de estimação, mas é importante repudiar a vil bílis que ela vomita, tanto mais porque o faz numa plataforma de grande projecção.

O Patriarca não vai aqui dissecar a diarreia mental da criatura. Pretende apenas denunciar a sua intenção. A Puta Cospe-m’o Pinto não quer defender a dignidade de mulher nenhuma. Aquelas meninas estão felizes da vida, a ganhar o seu aproveitando os atributos que deus lhes deu enquanto molham a cueca a pensar que talvez mais tarde um dos Alfas que estão naquele pódio se digne a partir-lhes a bilha. É isso que este dejecto humano inveja, porque nunca nenhum homem de qualidade a desejou e ela sabe que isso nunca vai acontecer.

paula cosme pinto
A cara que lançou mil navios (em fuga).

 

Chauvinista do Mês #3: António Gentil Martins [Extra!]

Nota prévia: relembrando que O Patriarca considera o feminismo o maior flagelo que assola a sociedade actual, é importante realçar que não há nada de pejorativo neste prémio. O Chauvinista do Mês é um galardão de honra que O Patriarca (e outros membros da Távola que assim o entendam) atribui a quem vê a realidade em geral e as dinâmicas intersexuais tal como elas são, e tem os tomates de ferro necessários para, por palavras ou acções, apregoá-lo em público.

Num caso gritante de infelicidade temporal, o Dr. Gentil Martins lançou uma bomba digna de galardão 2 dias depois da publicação do último. Infelizmente o original só está disponível para assinantes mas as citações não são difíceis de encontrar.

As afirmações da polémica:

Como é que vê a hipótese de um homem solteiro ter filhos recorrendo a uma barriga de aluguer, como alegadamente foi o caso de Cristiano Ronaldo?
Considero um crime grave. É degradante, uma tristeza. O Ronaldo é um excelente atleta, tem imenso mérito, mas é um estupor moral, não pode ser exemplo para ninguém. Toda a criança tem direito a ter mãe. Mais: penso que uma das grandes culpadas disto é a mãe dele. Aquela senhora não lhe deu educação nenhuma.

O anterior galardão, apesar de defender precisamente o contário, não exclui este. Não foi referida a oprinião d’O Patriarca relativamente a este assunto, mas aqui vai ela:

A reprodução medicamente assistida, por outros motivos que não a infertilidade de um dos membros de um casal heterossexual, é uma aberração. À afirmação do Dr. Gentil Martins, reformularia apenas: toda a criança tem direito a ter pai e mãe. A negação deste direito, apenas para satisfazer transgénicos doidos, sapatonas ressabiadas, e gente que pode mas não quer recorrer à velha fórmula de depósito directo de leite de piça num útero receptivo (ou não arranja quem o faça), é moralmente condenável. Agora, se as mulheres o podem fazer, porque raio não hão de os homens poder?

Duas pessoas do mesmo sexo não podem amar-se?
Ouçam, é uma coisa simples: o mundo tinha acabado. Para que o mundo exista tem de haver homens e mulheres. Trato-os como a qualquer doente e estou-me nas tintas se são isto ou aquilo… Não vou tratar mal uma pessoa porque é homossexual, mas não aceito promovê-la. Se me perguntam se é correto? Acho que não. É uma anomalia, é um desvio da personalidade. Como os sadomasoquistas ou as pessoas que se mutilam.

O que há de errado nesta afirmação? Absolutamente nada! O doutor aceita, mas não promove. Isso hoje em dia não basta, como muito bem expôs o nosso mago de serviço. É preciso rezar ao altar de Sodoma (preferencialmente de gatas).

O Patriarca, como já disse anteriormente, não tem nada contra homossexuais não heterofóbicos. Simplesmente acha que não se deve promover e glorificar estilos de vida desviantes. Live and let live.

Naturalmente, uma das Harpias-Mor apressou-se a pedir a cabeça do octagenário.

Face à polémica e como bom Shitlord, Gentil Martins emitiu uma não-desculpa ao melhor estilo de Trump:

Face à minha entrevista ao Jornal Expresso e dada a celeuma, que nunca desejaria que tivesse acontecido, gostaria desde já esclarecer que me limitei a responder a perguntas directas dos entrevistadores do Expresso.

Quanto a Ronaldo não ser exemplo, referia-me exclusivamente à escolha por “Barrigas de Aluguer”, permitidas por lei, mas das quais discordo totalmente, quer como Pediatra quer como Ser Humano. Isso nada tem a ver com os excepcionais méritos desportivos de Ronaldo, nem com a sua generosidade para com Instituições Sociais e crianças com dificuldades.

Por outro lado nunca foi minha intenção ofender a Mãe de Ronaldo, pessoa que não conheço pessoalmente.

Quanto à homossexualidade, lamento quem sofra com essa questão, que continuo a considerar anómala, sem no entanto deixar de respeitar os Seres Humanos que são.

Note-se a ausência da palavra “desculpa”. O excelso senhor sabe que expôr o ventre às facadas é a pior coisa que se pode fazer numa situação destas. Betas tomem nota e extrapolem para o vosso Game.


O distinto doutor teve uma carreira longa e este será certamente um galardão de somenos importância no meio de todos os que terá coleccionado. É todavia com enorme prazer que A Távola Redonda lhe estende o seu apoio e lhe presta homenagem no meio da tormenta do politicamente correcto.