Os músculos são universalmente atraentes

O Patriarca ia fazer hoje o follow-up a este post: razões em geral para puxar ferro. Ficará para outro dia – o tempo é escasso, e este artigo é suficientemente relevante para justificar a sua própria entrada. Já tinha sido referido superficialmente aqui. Desenvolvamos.

Cues of upper body strength account for most of the variance in men’s bodily attractiveness

Aaron SellAaron W. LukazsweskiMichael Townsley

Abstract

Evolution equips sexually reproducing species with mate choice mechanisms that function to evaluate the reproductive consequences of mating with different individuals. Indeed, evolutionary psychologists have shown that women’s mate choice mechanisms track many cues of men’s genetic quality and ability to invest resources in the woman and her offspring. One variable that predicted both a man’s genetic quality and his ability to invest is the man’s formidability (i.e. fighting ability or resource holding power/potential). Modern women, therefore, should have mate choice mechanisms that respond to ancestral cues of a man’s fighting ability. One crucial component of a man’s ability to fight is his upper body strength. Here, we test how important physical strength is to men’s bodily attractiveness. Three sets of photographs of men’s bodies were shown to raters who estimated either their physical strength or their attractiveness. Estimates of physical strength determined over 70% of men’s bodily attractiveness. Additional analyses showed that tallness and leanness were also favoured, and, along with estimates of physical strength, accounted for 80% of men’s bodily attractiveness. Contrary to popular theories of men’s physical attractiveness, there was no evidence of a nonlinear effect; the strongest men were the most attractive in all samples.

É raro encontrar-se um efeito tão marcado. Milhões de homens eloquentes choraram.

O Patriarca partilha da opinião de que o aspecto físico não é o factor mais importante na atractividade de um homem. No entanto só um tolo afirmaria que não tem um peso considerável. O homem que queira ser completo, deve esforçar-se por maximizar as três áreas importantes: Game, Dinheiro/Status, Físico.

O que é engraçado é ver os nerds a estrebucharem com este achado. Quando na realidade são boas notícias. Não podes controlar a tua altura, mas isso vale menos de 10%! O típico homem que se queixa da lotaria genética o ter feito baixo e feio, e bota nisso a culpa do seu insucesso com as mulheres pode, munido desse conhecimento, meter-se no ginásio e manipular fortemente a seu favor a sua atractividade corporal.

Não menos interessante é o insight que esta informação nos dá sobre a cortina de fumo que as mulheres montam em torno da sua sexualidade.

“We weren’t surprised that women found physically strong men attractive… what did surprise us was just how powerful the effect was,” lead author Aaron Sell told The Guardian.

“Our data couldn’t find even a single woman that preferred weaker or feminine male bodies.”

Se era preciso mais evidência sobre o que O Patriarca vai repetindo vezes sem conta neste espaço de verdade – que as mulheres mentem com quantos dentes têm relativamente ao que as atrai num homem – aqui está ela. 100% das mulheres que dizem que os músculos não as atraem estão a mentir. E já todos ouvimos essa conversa.

Citando-se a si próprio:

As mulheres são uma fonte de informação valiosa sobre a sua própria sexualidade, mas qualquer pergunta directa leva a respostas que não passam de um misto de racionalizações, cortinas de fumo e clichês socialmente aprovados que não servem absolutamente para nada. As pérolas de verdade obtêm-se através de perguntas tangenciais – por exemplo, como é a sensação de excitação sexual?

Este artigo é um exemplo perfeito. Pergunta às mulheres se preferem corpos musculados ou o chamado “dad bod” e a resposta é a que a maioria dos homens quer ouvir:

sondagem dad bod

Faz a pergunta tangencial – pede-lhes para classificar os corpos – e obténs algo mais próximo da verdade.

Está nas tuas mãos. Vais continuar a lamuriar-te ou vais pegar no ferro?

 

 

7 razões para puxar ferro em casa

Um dos pilares da Red Pill é o ferro.

Vai a qualquer site ou fórum de Red Pill e é uma das primeiras coisas que te perguntam: puxas ferro? Se não, vai puxar e depois falamos.

Os leitores regulares d’A Távola Redonda poderão pensar, com base na forma e conteúdo dos artigos d’O Patriarca, que o mesmo é um estóico cumpridor de todos os princípios da Red Pill, incluindo a posse de um corpo hercúleo moldado por anos de supinos de cento e tal quilos.

Mas O Patriarca é apenas um tipo normal que há alguns anos descobriu os benefícios da Red Pill, e se tem esforçado por implementar a mesma na sua vida, com maior sucesso nuns aspectos e menor noutros. E confessa que durante demasiado tempo descurou esta área. Eventualmente acabou por decidir dedicar-se também a isso, e dada a experiência passada com várias inscrições em ginásios abortadas após meses de absentismo e dinheiro desperdiçado em mensalidades não aproveitadas, optou por montar um modesto estaminé para encher em casa. Uma excelente decisão, pelas razões que agora partilha com os caros leitores.

1. Poupança de tempo

Um dos maiores obstáculos à prática regular de actividade física é a falta de tempo (ou de um seu sucedâneo, energia). A vida não está fácil para ninguém, as longas horas de trabalho são uma realidade para muita gente, e muitas vezes o tempo livre que temos é fora de horário de ginásio, ou num curto espaço de tempo.

coelho alice

Um pequeno ginásio montado em casa permite com o mínimo gasto temporal uma sessão de ferro, quer de manhã antes de ir trabalhar, quer à hora de almoço para quem tem a possibilidade de o fazer em casa, quer ao chegar tarde e a más horas.

2. Poupança de dinheiro

Mesmo um ginásio do mais low-cost possível custa €20/mês, portanto estamos a falar de €240/ano no mínimo, e provavelmente mais próximo de €500, principalmente se dispensarmos estar rodeados de gunas.

banco musculacao

Um banco básico de musculação (€70), 4 barras pequenas roscadas (€40), cerca de 100kgs de ferro (€1,5/kg sem borracha, €2,5 com borracha – aconselhado para não estragar o chão – €250), 4 roscas e 4 bloqueadores (€16), para um total de menos de €400, é o suficiente para introduzir a Igreja de Brodin na tua vida e estar entretido durante bastante tempo. Em poucos meses cobre-se o custo das mensalidades de ginásio, e fica-se com material para a vida.

barra roscada

Se acabares a ter de gastar mais dinheiro em ferro, parabéns: subiste de nível!

3. Estímulo à regularidade

Vamos ser honestos: frequentemente o que impede o desenvolvimento de uma rotina desportiva, principalmente algo duro e doloroso como levantar ferro, é a força de vontade (ou mais correctamente, a falta dela). A sensação de estar a ser julgado pelo cumprimento ou não de objectivos a que nos propusemos pode ser um estímulo externo importante. E um monte de ferro a ocupar espaço numa divisão da casa é um juiz lixado, que se falhares to recorda constantemente. Cada dia que não lhe pegas ele diz-te “estás a relaxar, poltrão”.

persevere

Tens sempre desculpa para não ir ao ginásio. O ferro não está interessado em ouvir desculpas. Ele está ali. Ou o consegues levantar ou não.

Podes não até não aguentar e decidir arrumá-lo longe da vista. Mas mesmo nesse caso, quando decidires deixar de ser fraco já o tens ali à mão para recomeçar.

4. Fuga da “cultura de ginásio”

gym bros

Este ponto podia facilmente ser um contra, uma vez que ver malta bombada a treinar pode ser um estímulo por si só, para além das oportunidades de construir uma trupe. Mas algumas pessoas mais tímidas, principalmente se não estiverem habituadas a experimentar novas actividades e a sensação de ser claramente o gajo que não sabe muito bem o que está a fazer, podem sentir-se intimidadas com isto. Treinar em casa é uma boa maneira de contornar este factor nem que seja apenas numa fase inicial.

5. Mais tempo com a família

Um corolário do ponto 1, mas que merece ser referido, principalmente para quem já tem uma vida conjugal. Quando sais para ir ao ginásio, inegavelmente estás a tirar tempo à tua relação e/ou família para ti. Não que isso esteja errado, mas os dias só têm 24h. Alguma outra coisa tem de perder.

Para além da poupança de tempo referida, o treino em casa permite que durante aquela hora ou duas, em vez de desapareceres, os teus sentem a tua presença. Podes estar a fazer a tua cena, mas estás com eles. Isso liberta algum do teu “me time” para outras coisas.

exercicio familia
E talvez os encorajes a juntar-se a ti

6. Exemplo para os filhos

As crianças, mais do que palavras, seguem acções. Aquilo que tu fazes é o modelo de masculinidade que os teus filhos vão ter. Já é bom dar um exemplo de físico cuidado e forte, mas melhor ainda é imprimir-lhes claramente a imagem de como isso se obtém e mantém.

As crianças adoram dizer “o meu pai é mais forte que o teu”. Que tal tornar isso uma realidade?

pai fraco
Não sejas este pai

7. Mulher a pingar

Uma polaridade sexual bem marcada é um ingrediente poderoso para manter uma vida explosiva debaixo dos lençóis numa relação de longo prazo. E dado que levantar pesos está no top das actividades mais masculinas, que tal dar à tua fêmea a oportunidade de te ver a fazê-lo?

hora coca cola light

Foder no banco ainda suado depois de uma sessão intensa de ferro é uma experiência que O Patriarca recomenda.

Há também um lado menos óbvio mas importante neste ponto. Numa época em que todos os media e formas de entretenimento tentam por todos os meios fazer esbater as diferenças entre homens e mulheres, muitas mulheres estão a perder a noção do diferencial físico que têm para um homem. Por mais que ela veja os teus músculos, e que saiba conceptualmente que andas a malhar no ginásio, não há nada como sentir que aquele barrote que tu levantas repetidamente com relativa facilidade, ela nem sequer consegue tirá-lo do chão.


 

Antes talvez fosse algo arriscado para quem não tenha a noção de como exercitar correctamente as zonas pretendidas. Mas hoje em dia no Youtube há milhares de vídeos que explicam como fazer tudo correctamente e minimizar o risco de lesões.

Para terminar, há que referir que ir ao ginásio também tem as suas próprias vantagens. Mas isso é um assunto para outro dia.