Acampamento Liberdade

É com grande regozijo que O Patriarca vai vendo surgir aqui e ali denúncias do marxismo descarado do Bloco de Esquerda em meios de comunicação de primeira linha.

A agremiação das Sapatonas promove anualmente um comício de endoutrinação marxista acampamento, cujo programa este ano é o seguinte:

Acampamento Sapatonas

Tinha guardada esta imagem para mais próxima da data, mas o artigo publicado por José Manuel Fernandes no Observador este fim de semana é um excelente mote pelo que aqui vai uma tradução do programa, não vá alguém pensar meter lá os filhos pensando que “é só um acampamento, que mal tem?”

Acampamento marxista

Heróis do Nosso Tempo

A produção cultural é reagente e produto da conjuntura, em equilíbrio simbiótico com o meio circundante. Uma disrupção neste equilíbrio é sempre artificial, induzida, manietada por agentes terceiros; tem um objectivo, tem um propósito e uma agenda, tão tenebrosa que é nosso dever patriótico gerar-lhe uma resistência.

Foi na fila de espera de um bar alternativo que primeiramente o vi. Cabeleira loira, farta, saltos altos, decote. Mas a forma angular do queixo e a voz de falsete denunciava instantaneamente de quem se tratava, o tipo que nos passou à frente e entrou no espaço sem pagar. Um homem sem piça. Quando o voltei a ver ao balcão do bar, à pergunta “Boa noite. Têm algo que se coma?” respondeu-me com celeridade e no cumprimento das suas funções laborais: “Queres comer? Podes comer aqui o Dioguinho” e deu espaço a um rapaz que me atendeu – “Não, não temos tostas” – com um sorriso demasiado simpático para que eu próprio me sentisse confortável.

5650747107_d25a5cfcc5
Não

Este não era um espaço LGBT. Tampouco a tasca onde jantara e conhecera a prima da funcionária, vítima de uma cirurgia para escambar o sexo. A jovem – demasiado jovem – disse depois da 8ª cerveja tragada em velocidade recorde: “Os meus Pais sabem que eu sou alcoólica”. Depois de servir três águas aos meus amigos, Diogo retirara-se do balcão para consumir cocaína.

As redes sociais – ópio do povo – trouxeram-me a nova produção nacional, integralmente remunerada com o erário público. O governo da geringonça – quem mais – patrocina a promoção pública de degredo, toxicodependência, improficuidade, promiscuidade, homossexualidade, feminismo. Entre os cinco protagonistas há dois travecas, duas fufas e uma puta. Talvez me tenha confundido e estas designações sejam simultâneas, a fufa seja também traveca, o traveca seja também fufa e o elenco do show seja todo puta. O que não há em cinco personagens aleatórios, estatisticamente representativos da camada populacional a retratar? Um único heterossexual.

Image result for "#casadocais"

Talvez o descritivo da série explique melhor. Diz “Ema vem para Lisboa e partilha casa com 4 amigos excêntricos. O seu dia-a-dia, e as noites, são marcadas por histórias divertidas, sem tabus, sobre ser jovem no novo milénio (o sexo, as drogas, a procura de emprego, a autodescoberta e o amadurecimento); Esta série é para quem acorda às 3 da tarde numa quarta-feira e designa o pacote de batatas fritas aberto, na mesa de cabeceira, como pequeno almoço. Para quem já comeu metade de Lisboa e quer expandir a sua “mercadoria” internacionalmente. Para quem está às 7h15 na cave do Lux, a gastar os sapatos, ao lado do João Botelho, enquanto se pergunta a que horas o supermercado abre, porque entra às 8h30 e precisa de comprar 2 latas de red bull. Para quem diz que hoje se vai deitar cedo para ir ao ginásio de manhã e está a ver a quarta temporada de Game of Thrones às 4 da manhã. Enfim, é uma série para quem é jovem, parvo e feliz na sua incoerência.

Os criadores de #CasaDoCais – assim mesmo, com hashtag – não são só um bando de paneleirões. São mentirosos. As múltiplas descrições da série repetem à exaustão o chavão “sem tabus” mas não exibe um único homem, não protagoniza um único Heterossexual, não exibe um único sénior ou, pior, alguém cuja idade extravase os vinte e cinco. Demonstra repúdio por vidas organizadas, famílias estruturadas e, nas palavras de um dos actores “pequeno-almoços gigantescos (…) a Matilde e o Tomé como personagens principais”. Despreza o pudor, desconsidera o resguardo e discrimina a isenção de estupefacientes. A televisão pública transformou-se no colega de liceu que nos chama “caretas” quando nos recusamos a fumar uma chinesa de heroína.

RTP.png

Mentira ainda é a desta Fressureira quando declara “Não é a sexualidade que te define”. Se não quisesses ser definida pela tua sexualidade, não te “assumas” como sapatona. Não aparecias no jornal dos rotos. Não tinhas seguidores. Não tinhas público. Não tinhas série remunerada com os meus impostos.

Gay

Esta semana, o Arquitecto José António Saraiva foi novamente atacado pelos CIGanos e terá, uma vez mais, de ir a tribunal por essa razão. O assunto foi o mesmo e o mesmo que tratamos aqui. Mas tal como há uns meses, a perspectiva do jornalista não é de ataque mas de defesa: ele vê os homens a quem cortaram a piça como mártires duma cruzada diabólica e dispôs-se, pessoalmente, a defender os seus direitos – a história pessoal de David Reimer inspira a tal defesa. Tal como nos momentos das suas atuações anteriores, o colectivo CIGano não integra homens sem piça, ofendidos pelas palavras de Saraiva; É sim composto por mulheres heterossexuais que ambicionam ver os homens indesejáveis na secção de corte dum fumeiro em Lamego. Atacam Saraiva, como antes atacaram César das Neves, porque ele se dirige aos transgénicos com a verdade, não por ódio ou preconceito, mas por Amor. Por essa razão, estou solidário com o Arquitecto em cujas palavras me revejo na totalidade.

Vale a pena denotar que estes “jovens” já não o são: têm, no enredo, vintes e, com idades para terem licenciaturas e mestrados terminados, prestes a enveredar no mercado de trabalho ou numa carreira académica. As tropelias em que se envolvem são próprias dos adolescentes, uma versão toxicorrabolha de Morangos com Açúcar. Mas fora da adolescência, sem liceu ou uma ocupação fixa, deambulam pelo degradado Cais do Sodré – ancestralmente um local de prostituição e má rês – devotados à auto-degradação, ao vicio. Os personagens não se distinguirão dos farsantes, todos os cinco degradados, viciados. Com perfis aberrantes e nomes artísticos, apresentam-se perante a web como “youtubers”, “instagramers”, “artistas”, “freelancers”. Cortam a piça porque já não lhes chega serem homossexuais para se vitimizarem ou glamorizarem o seu capital sexual como o faziam os panilas nos anos 80 antes de a SIDA dizimar uma geração de homens “sexualmente liberados”. Enquanto que José Saraiva e eu próprio vemos neles as vítimas duma guerra perdida, perante a sociedade decadente e sobressexualizada, os protagonistas de #CasaDoCais são os heróis do nosso tempo.

image
Heróis do Nosso Tempo

Abri a página de Facebook esperando ver centenas de milhar de likes, publicidade e fanáticos pela expressão cultural que a Rádio Televisão Portuguesa nos oferece. Pelo contrário, a totalidade dos seguidores não chega a um milhar e a maioria dos comentários são francamente depreciativos. Perante a geração Z prevista como a mais conservadora de sempre, tenho expectativas de que o nosso querido blog alcance um público mais abrangente do que o da série televisiva.


Nota post-scriptum: Dos cinco protagonistas há pelo menos uma puta rapariga que não é gay. Valerá a pena acompanhar a série para caracterizar os múltiplos parceiros com quem se envolverá ao longo das temporadas, os actores escolhidos e os sues perfis. Aí saberemos qual o tipo de homens o colectivo feminista aprova e qual o tipo de homens que os filhas da puta suprimem.

O Estado, numa sociedade democrática, não deve escolher o que é melhor para cada cidadão através da imposição de restrições à liberdade individual.

Como adepto de uma vertente económica e política libertária, que teve como figura proeminente o economista Milton Friedman, defendo a liberdade de escolha individual como sendo um dos valores mais altos de uma sociedade.

Por consequente, o estado não deve ditar regras de conduta, cabe a cada indivíduo a responsabilidade de: tomar a decisão de participar ou não em determinados comportamentos. E de nunca proibir o comportamento de outros simplesmente porque não é da mesma opinião. Claro está, desde que estes comportamentos não ponham em risco a liberdade de terceiros.

Uma sociedade cuja priorização seja maximizar a liberdade de cada individuo e diminuir a sua opressão, deve promover esta ordem:

Ilegalidade <legal, mas com regulação severa <regulação moderada/impostos dissuasores <desregulação quase total/ concorrência perfeita

(sendo a ilegalidade a pior alternativa possível, e uma legalidade sem restrições o melhor outcome alcançável):

Alguns exemplos:

Em Portugal são ilegais: a produção e comercialização de drogas recreativas; a exploração para a obtenção de lucro por parte de terceiros da prostituição; touradas de morte.

A posse de armas pessoais é legal, mas com uma regulação severa.

As leis relativas ao tabaco ou ao álcool são um exemplo de regulação moderada/impostos dissuasores.

Analisemos alguns dos casos para ver até que ponto se justificam as posições actuais de intromissão na liberdade/vida privada dos cidadãos por parte do Estado, e os muitos efeitos nocivos que advém (propositadamente ou não) da imposição de proibições.

Cannabis (seguida de todo o tipo de drogas)

Aprovada em Novembro de 2001, a descriminalização do consumo de drogas, contrariamente às expectativas dos opositores, foi um sucesso, o consumo de drogas não disparou, nem o número de traficantes criminosos.

Apesar de já ter sido um avanço, porquê não continuar e legalizar totalmente a cannabis (produção, comercialização, publicidade e consumo)?

Proposta: Regulação moderada/impostos dissuasores

Estabelecer uma regulação similar ao tabaco para a cannabis. Proceder a partir dai para uma legalização gradual de todas as drogas.

Prós:

– Eliminar o mercado negro das drogas, cortando uma das principais vias de financiamento de redes criminosas. Diminuição dos rácios de criminalidade.

-Poupanças de recursos do estado utilizados no combate aos crimes relacionados com o tráfico de droga.

-Desenvolvimento económico e criação de postos de trabalho, através de novas centrais de produção e comercialização, assim como impostos que poderão ser utilizados para financiar o sistema público de saúde. (Só com a marijuana o Colorado, num ano, arrecadou 135Mn$ em impostos) 

– O controlo relativamente à utilização de drogas deve ser feito por uma boa educação familiar e não pelo ineficiente “papá” estado. Quem acredita que um miúdo com 14 anos não consegue com toda a facilidade ter acesso a álcool, cigarros e drogas, mesmo com legislação que o proíba?

Contras:

– Aumento do número de toxicodependentes, crimes relacionados com drogas, o teu pai, os teus filhos, todos os teus amigos vão começar a dar na veia…

Falso, como foi provado com a descriminalização. E mesmo nos casos em que haja consumo, devemos respeitar a escolha, porque a liberdade individual de cada um deve ser sempre respeitada, inclusive em situações em que existam efeitos negativos para a saúde, como o tabaco e as drogas.

miltonfriedmanonmarijuana