O pénis de Bruno Maçães

O Patriarca sabia que não ia tardar muito que se importasse a Histeria Weinstein para terras lusas. Afinal de contas, ainda não se conseguiu erradicar os homens da política e implementar um governo 100% vagina pronto a vergar-se ao viril membro islâmico. Há muito homem para deitar abaixo a caminho da utopia feminista.

governo feminista

Mas tal como o gajo que não fode há um ano, quando finalmente deita a mão a uma gaja se arrisca a, de tanta ânsia, esporrar-se-lhe às bordas da cona, também os abutres cá do burgo tiveram um precoce orgasmo colectivo com um assunto que afinal era pouco mais que uma roçadela na glande.

Parece que um gajo com ar de choninhas mandou umas fotos do pífaro leiteiro a uma jornalista. Parece que as mensagens eram ameaçadoras. Parece que era Secretário de Estado dos Assuntos Europeus, na altura. Das “direitas”, ainda por cima. Um alvo perfeito, a esquerda em histeria.

Afinal a gaja em questão nem valoriza a questão por aí além e a história toda não passa de uns comentários com uns amigos que lhe explodiram na cara. E as mensagens “intimadatórias” afinal eram “creepy”, palavra para a qual não existe equivalente exacto em português (e ainda bem).

Falsa partida para a histeria do #metoo em Portugal, portanto. Aguardam-se cenas dos próximos capítulos.