Não se pode meter a picha num diploma universitário

As mulheres vão cada vez mais descobrir às suas custas a sabedoria que O Patriarca partilha neste blog. Infelizmente para muitas delas, vai restar-lhes enfiar o canudo na patareca.

Robin Dunbar, professor of evolutionary psychology at Oxford University, says women looking for equally-educated male partners, “will be forced to compete, I guess, and those that lose will have to downgrade their expectations and are likely to marry later as a result.”

Clube das Encalhadas


LINKS GUARDADOS

https://web.archive.org/web/20190317032420/https://www.theguardian.com/lifeandstyle/2015/nov/10/dating-gap-hook-up-culture-female-graduates?fbclid=IwAR1nbaEkhW9SNSS284bkYR-aayFiIXGAc_0p8lLWh2uqZzQTxO4-hfK-b8s

O Patriarca não boicota a Gillette

… porque não usa disso.

O Patriarca cuida a sua magnífica barba num barbeiro à antiga. Nos intervalos dá umas aparadelas com qualquer lâmina descartável barata.

Não vai perder mais latim com a recente polémica, porque o activismo é uma perda de tempo. Os comunas que percam o seu, que não vale nada.

Este sururu serviu, no entanto, para reavivar uma velha ideia: aprender a fazer a barba com uma navalha tradicional. Mais tarde relatará a experiência.


LINKS GUARDADOS

https://web.archive.org/web/20190122115311/https://observador.pt/2019/01/15/este-e-o-melhor-homem-que-consegue-ser-novo-anuncio-da-gillette-arrasado-nas-redes-sociais/

Aquilo que toda a gente pensa sobre a violência doméstica mas ninguém tem coragem para assumir

“Nem todas as mulheres gostam de apanhar, apenas as normais” – Nelson Rodrigues

A fotografia acima exibida pertence ao casal noticiado pelo Observador, exibido no vídeo da TVI24 (parcialmente censurado) e também no Correio da Manhã (sem censura). Na caixa de comentários, considerada a localização onde a gravação amadora foi realizada, um leitor assume tratar-se  do “típico subsidiodependente”. Na verdade, o rapaz que tentou asfixiar a mãe de dois dos seus três filhos grávida de 9 meses do 4º por estar embriagado à hora de almoço, é ex-aluno do Colégio Valsassina, corredor de karts, proprietário de um Ferrari desde os 18 anos e filho de um multimilionário com segurança particular quem se diz ter enriquecido a vender cocaína. Mas não é esse o ponto.

Acabada de parir pela 3ª vez em virtude da agressão, a psicóloga clínica do Hospital de Santa Maria já apresentara várias queixas no passado por violência doméstica e maus tratos contra o companheiro com quem vive e que, desde novo, era afamado por afiambrar na cara das múltiplas parceiras que nunca lhe faltaram. Sou o primeiro a declarar que me horroriza a violência e o tratamento a que esta senhora (sim, eu vejo rugas) tem sido sujeita. Acho desumano que alguém seja tratado deste modo, sobretudo ao longo de um período delicado como o da gravidez nas suas fases finais*. É obviamente necessário combater a violência doméstica e apurar e estigmatizar os culpados pela mesma. E de quem é a culpa das várias agressões de que a Drª foi alvo e a podem mesmo vitimar, caso não recupere dos danos que lhe foram infligidos? Obviamente, é dela.

O Sócrates é um conas

Na sua primeira encarnação governativa quando quis ser o Justin Trudeau Europeu, o presidiário nº 44 do estabelecimento prisional de Évora criminalizou a violência doméstica na revisão do código penal que realizou sob a forma da lei 59 de 2007. Inédito, no artigo 152º, o governante determina ” Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais a) Ao cônjuge ou ex-cônjuge; b) A pessoa de outro ou do mesmo sexo com quem o agente mantenha ou tenha mantido uma relação análoga à dos cônjuges, ainda que sem coabitação;” está metido num molho de brócolos. Desde então, dos dias em que eu podia ter sexo e não genero, a lei foi atualizada para contemplar a “relação de namoro”, uma “pena acessória de proibição de contacto com a vítima (que) deve incluir o afastamento da residência ou do local de trabalho desta e o seu cumprimento deve ser fiscalizado por meios técnicos de controlo à distância” e a difusão “através da Internet ou de outros meios de difusão pública generalizada, dados pessoais, designadamente imagem ou som, relativos à intimidade da vida privada de uma das vítimas sem o seu consentimento”; Transformaram-se ainda os procedimentos para garantir especial “celeridade processual”, outorgar “medidas de protecção à vítima”, aplicar “medidas de coacção urgentes” que incluem não permitir o suspeito de “permanecer na residência onde o crime tenha sido cometido ou onde habite a vítima” e registo em “Base de dados da violência doméstica

O Código de Processo Penal recomenda inclusive ao Ministério Público que promova  a nível de Distrito Judicial, DIAP, círculo judicial ou comarca, o desenvolvimento de parcerias, formas de articulação e canais de comunicação (…) com a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, (…) e as instituições de solidariedade social cuja atividade incida sobre agressores ou vítimas ou sobre qualquer vertente relevante para a compreensão e intervenção nas situações de violência doméstica, tendo em vista o apoio à definição e à execução das injunções e regras de conduta. Nas fichas entregues às forças de segurança, encontramos questões mui imparciais como “Acredita que o ofensor a seja capaz de matar ou mandar matar (está convictA – homens não podem ser vítimas – de que ele seja mesmo capaz?) ou “A Vítima está grávida ou teve um bebé nos últimos 18 meses“.

Dois anos depois,fez-se aprovar a lei 112/2009 que cria a «Rede nacional de apoio às vítimas de violência doméstica» e aplica “medidas de coacção urgentes”, no prazo de 48 horas, expulsando nomeadamente os “agressores” das suas próprias residências e impedindo-os de “contactar com a vítima, com determinadas pessoas ou frequentar certos lugares ou certos meios”, “mesmo nos casos em que a vítima tenha abandonado a residência”. À vítima, a lei presta “Apoio Financeiro”, força a “Cooperação das entidades empregadoras”, para efeitos de transferência, “suspensão do contracto de trabalho” ou justificação de faltas; Ao “apoio ao arrendamento”, “atribuição de fogo social”, “Rendimento Social de Inserção”, “Abono de família”, “Tratamento clínico”, “Isenção de taxas moderadoras”, “assegurada prioridade no acesso às ofertas de emprego, à integração em programas de formação profissional ou em qualquer outra medida ativa de emprego”, ” prioridade no atendimento nos centros de emprego e centros de emprego e formação profissional do Instituto do Emprego e Formação Profissional, I. P. (IEFP, I. P.,)” e gratuitidade de tudo isto. Além de uma infinidade de estruturas apoio todas pagas pelo Zé povinho, o documento também cria os CIGanos**

ciganos
O Patriarca é um génio

Paralela aos trabalhos legislativos, a magistratura – liderada por uma especialista nestas merdas – coordenou-se para auto-atribuir, a alguns magistrados, a especialização na temática. Movida pela convenção de Istambul, congregação de juristas dedicada às temáticas da “Violência Doméstica, maus-tratos e contra a autodeterminação sexual” num país onde há algumas semanas as autoridades desmembraram um jornalista, a PGR “impõe que na investigação de tais ilícitos, o ministério público adopte na sua estrutura organizativa por forma a responder adequada e cabalmente às aludidas exigências”. Assim, contrariando o estipulado pelas normas judiciais em qualquer país civilizado no mundo, ao invés de sorteados, “os inquéritos referentes aos fenómenos criminais de violência doméstica, maus-tratos e/ou contra a autodeterminação sexual devem ser atribuídos a secções especializadas ou a magistrados específicos”.

Entretanto o crime evoluiu para Violência de Género, um termo onde a única palavra que existe no mundo real é a conjunção. Tem um observatório e um centro de Estudos na FCSH. Mas ignora duas informações tremendamente importantes sobre esta tipologia criminosa: mais de um terço se resume a maus tratos psíquicos*** (seja isso o que quer que seja) e  que a violência relacional é estatisticamente muito mais prevalente (alcançando os 26 %) na comunidade homossexual. Ou seja, quando a sua modalidade relacional foi liberada, na verdade, permitimos que um quarto da comunidade fosse violentada por membros da própria comunidade, nomeadamente através do Outing que pode ter como objectivo garantir o despedimento ou a remoção da custódia parental. Se tudo isto não bastasse, face a mais de 30 abrigos em todo o país para acolher mulheres, existe apenas um para acolher homens.

Image result for algarve casa-abrigo homens
As condições podiam ser melhores

Um crime que não existe

Agrada-me viver num país seguro onde as estatísticas criminais são francamente reduzidas (porque ainda não começamos a importar criminosos). O Estudo Avaliativo sobre o Grau de Satisfação de Utentes da Rede Nacional de Apoio a Vítimas de Violência Doméstica é uma irrelevância estatística, com 1.4 queixas a cada mil pessoas em seis meses no distrito mais problemático (Lisboa). Piora se pensarmos que as queixas podem ter a mesma protagonista tal como a jovem do texto (que se queixa várias vezes) , ou que algumas destas queixas podem ter na sua origem (segundo relatam os sociólogos do ISCTE) “o sentir medo pela sua vida e segurança pessoal” – a percepção,  feeling, aquilo que alimenta as capas de revistas cor-de-rosa e tem muito pouca substância.

Image result for barbara guimaraes bebada
Continuamos consigo Excelentíssimo Senhor Professor

Mas desde que estas leis foram aprovadas, o país tornou-se mais perigoso. Para mim. Ou para um ciclista nos quarentas com quem travei amizade recente e que me contara como num dos seus treinos, na margem sul, se cruzara com uma ex-namorada a quem dera um soft next cordial por estar farto dela. A miúda estava acompanhada pela procuradora distrital de Setúbal de quem é amiga. Nenhuma das mulheres lhe falou e um par de quilómetros adiante foi detido pela GNR, sob o pretexto da violência doméstica. Resultado: multa, cadastro, e a proibição de continuar a realizar os seus treinos naquele circuito.

Uma lei que menoriza as mulheres

Os crimes de agressão, ameaça ou injúria são crimes privados. Significa que se eu bater nalguém, intimido alguém ou insulto, posso ser posto em tribunal se a vítima apresentar uma queixa, nomear um advogado e me colocar um processo. Enquadrados sob a bitola da Violência Doméstica, estes crimes cometidos contra uma entidade tipidificada (é mulher) passam a ser julgados pelo ministério público, sem que as agredidas (ameaçadas, injuriadas) se constituam noutro papel que não o de assistente. São observadoras passivas num processo que é montado não no sentido de fazer prevalecer a justiça, mas para agredir o agressor.

Não lhes é dada qualquer escolha sobre um processo que gira em seu torno. Não lhe dão inicio nem lhes é permitido terminar. A sua vontade, numa matéria desenhada por feministas radicais, é radicalmente ignorada. Aos olhos da justiça, mesmo num contexto factual, as mulheres, vítimas, o seu depoimento e intenção, são um pequeno pormenor face à prioridade de inculpar os homens com tanta agressividade quanto possível. Não têm voto na matéria.

Já sei que estas agressões, apreciadas à luz do crime privado, jamais seriam julgadas. A justiça jamais interviria no caso de um furto sem denuncia, ou de um dano patrimonial sem reporte. E então? Mais: Dizem os “especialistas” que as mulheres como a agredida não se emancipam por causa do wage gap. Mas o wage gap é a última das mentiras usadas para justificar o injustificável. Alvos de violência doméstica e de violação matrimonial mulheres sem educação nem autonomia financeira sujeitavam-se aos maus tratos onde a alternativa era a miséria. O mundo mudou e evoluiu. Há mais mulheres no Ensino Superior do que homens, há mais mulheres jovens no mercado laboral e a ganhar mais (Ben Shapiro e Milo têm-no demonstrado, googlem). Aqui, temos uma mulher formada numa das melhores escolas do país, a trabalhar no melhor hospital do país, com mais formação académica e meios de fortuna pessoal do que o conjugue. Porque é que leva na cara****? Porque quer.

É do entender público que a mão do estado existe para fazer cumprir a vontade dos cidadãos. E a das cidadãs?

Nem todos os homens batem em mulheres, só os anormais

Nunca conheci um homem agressivo, com propensão para agredir mulheres mas carente de mulheres a quem agredir. Conheço todavia centenas de homens, preenchidos por desejos sexuais e demasiado solitários para encontrar quem os satisfaça. Como qualquer pessoa civilizada, respeito o desejo sexual alheio e repúdio o desejo de violência. As mulheres que se recusam a dormir com rapazes pacatos mas aceitam ser violentadas por homens agressivos, não são responsáveis pela sua situação? Não são elas cúmplices da fenomenologia estrutural da violência doméstica?

Image result for "women are responsible for domestic violence"

Se o Luís tivesse sido rejeitado e deixado pela primeira mulher a quem levantou a mão, teria cambiado o seu comportamento. Assim não foi. Essa primeira mulher – e as muitas (muitas) que se seguiram – também são responsáveis pela situação reportada. E a inevitável atracção por este tipo de homens tem de ser responsabilizada, como as mulheres que regressam inevitavelmente para os seus agressores, têm de ser responsabilizadas pelas suas escolhas – Não só pela escolha de permanecer sob maus tratos, mas como de optar por um tratante em vez de um tipo educado e amável. Lamentando profundamente a ocorrência, não deixo de denotar o ímpeto karmico na entrada desta rapariga no Hospital de Vila Franca, de placenta deslocada, depois de passar uma vida a ignorar qualquer um dos meus amigos virgens que nunca a trataria assim. Não tenho pena nenhuma.

Uma megera psiquiatra estrebuchou numa discussão comigo, que estas vítimas desenvolvem Síndrome de Estocolmo e se tornam clinicamente inimputáveis; O termo, cunhado por Jan Erik Olsson, foi estabelecido no assalto ao banco de  Norrmalmstorg Square onde quatro raptados fizeram a defesa cerrada dos raptores. Dos quatro, 3 (Birgitta Lundblad, Elisabeth Oldgren, Kristin Ehnmark) eram mulheres e todos os quatro exemplos de casos famosos que a wikipedia escolhe para exemplificar o fenomeno (Colleen Stan, Patty Hearst, Natascha Kampusch e Mary McElroy) também. A última cometeu suicídio acreditando que “Os meus quatro raptores são provavelmente as únicas pessoas que não me consideram uma tola”.

Podem-me falar que os InCels albergam ambas as situações: São carentes e violentos. Mas a sua violência parte da carência e não da abundância em que o Luís sempre viveu. É difícil, no entanto, determinar se a abundância do Luís lhe permitiu ser violento ou se o seu perfil violento lhe trouxe muitas mulheres. São discussões complexas e cheias de risco. O que sei é que podendo o rapaz pagar fianças, quedando-se em liberdade, acontecerá como nos raps que ouvíamos na adolescência, quando nos conhecemos.

É uma nasty bitch

Mas comigo não faz batota

Diz que me vai abandonar

Mas eu sei que ela volta

 

 

 

* Se a gravidez estivesse no inicio e a mulher abortasse espontaneamente por causa da agressão, podemos considerá-lo de facto um criminoso e não um clínico homeopata ao serviço do SNS?

** Existem ainda os artigos 77º a 80 º que são, no mínimo, assustadores

*** Há mais queixas por “Violação da obrigação de alimentos” do que por “Assédio”

**** Tecnicamente levou na barriga, mas vocês perceberam