Putas

O Patriarca não sabe se a culpa é do feiticeiro de serviço, mas de entre os termos de pesquisa que trazem gente a este blog, por algum motivo um dos mais frequentes é… putas.

termos de pesquisa

Posto isto, O Patriarca achou por bem revelar a sua posição relativamente ao uso de putedo.

O Patriarca não tem qualquer problema moral ou ético quer com as putas quer com os homens que recorrem aos seus serviços.

As mais lógicas e válidas objecções, como o tráfico humano e a exploração de menores, seriam facilmente resolvidas com a legalização e regulamentação da profissão.

As rameiras profissionais não só são impossíveis de erradicar, como tal seria indesejável, pois constituem um importante mecanismo de escape na sociedade. Por um lado mantêm a estabilidade mental de muitos homens que de outra maneira não têm acesso a sexo, por outro mantém em cheque os devaneios da população feminina em geral – não podem tornar tão difícil a vida aos homens que mais valha ir às putas.

Tendo em conta que até no Tinder há quengas a pedir dinheiro por nada, travecos e transgénicos, putas declaradas e gajas a pedir pizza, entre outras aberrações, não é de estranhar que para alguns homens a perspectiva de uma troca directa e sem espinhas de dinheiro por sexo não pareça assim tão mau.

Dito isto, O Patriarca aconselha qualquer homem que se veja impelido a ir às putas que dedique algum tempo a aprender Game. A sensação da caça bem sucedida é algo que todo o homem deveria vivenciar. Além disso, um utilizador regular de putas pode apresentar uma atitude de abundância que outros não terão. Pensar que se a gaja que tens à frente não quiser, as notas no bolso arranjam uma que queira, pode não ser um pensamento bonito, mas é um passo na direcção de uma frame forte.

Num mundo de betas, quem tem Game é rei.

 

Pérolas d'O Patriarca #3 – Respeito

O respeito é dos mais eficientes agentes secadores de cona conhecidos pelo homem.

Segue daqui uma conclusão lógica. Respeita as mulheres cuja passarinha pretendes que esteja seca na tua presença. A tua mãe, a tua irmã, as outras mulheres da tua família. Ok, talvez não as primas. As colegas de trabalho. As clientes.

As que queres comer… Não!

 

Não!

Nota prévia: O Patriarca repudia totalmente qualquer tipo de abuso sexual. Tudo o que se descreve aqui passa-se no contexto de uma relação consensual.

O almoço estava pronto, e ela veio chamar O Patriarca. Este, sentindo o pau feito da tesão de mijo, puxa-a para a cama, levanta-lhe o vestido, tira-lhe as cuecas.

“Está quieto, vamos almoçar!”

Bom, vai ter de ser à força então. Vira para cima, vira para baixo, ela fecha e estica as pernas com todas as forças que tem, gritos, risota… Ainda chega a meter a pontinha. Ela está encharcada mas resiste.

É incrivelmente difícil “violar” uma mulher se estiveres a tentar não a magoar.

O Patriarca atira a toalha ao chão. Levanta-se. “Ok, ganhaste. Vamos almoçar”

Ela agarra-lhe o braço. “NÃO!”

Quem não acredita que as mulheres têm fantasias secretas de submissão e/ou violação, não tem a cabeça no planeta Terra.

 

Francis: A Comunidade Portuguesa de Sedução [Entrevista]

 A comunidade de sedução portuguesa, desconhecida por muitos, mas transversal à sociedade portuguesa. Junta engenheiros, médicos, empregados de balcão, juristas, culturistas, entre outros, que com um objectivo comum de melhorar as suas competências sociais trocam ideias e combinam saídas para “sarjar”.  Na entrevista a Vlad Teach, o maior sedutor nacional indicou como elemento-chave na comunidade o PUA Francis Dias. A Távola Redonda traz-vos uma entrevista com um dos membros mais destacados, que entre festas de swing, boleias loucas em Miami e muitas outras aventuras,  eleva acima dos três dígitos o número de mulheres seduzidas.

************************************************************************************

Apresentação 

Olá Francis, queria começar com uma pequena apresentação, podias dizer-nos como te chamas? quantos anos tens? o que fazes na vida?

Os nossos camaradas na comunidade chamam-me por Francis. Apesar desse nome ser mais uma das minhas muitas alcunhas que fui tendo ao longo da vida. Tenho 35 anos e dedico-me com o meu pai à construção de casas desde os 19 anos.

Como era a tua vida amorosa antes do PUA?

Tinha namorada. Apesar de ao longo da minha vida nunca ter sido fiel às minhas namoradas.

A novidade atrai-me e saturo-me com facilidade da mesma mulher. A minha irmã conhecendo este meu vício por mulheres ofereceu-me o meu primeiro livro de técnicas de sedução: “O Manual de Engate”, do Tony Clink. Esse livro levou-me numa espiral de completa obsessão pelos vários métodos de sedução e eventualmente descobri a nossa comunidade.

Tens sido ao longo dos anos um dos “líderes” da comunidade de sedução portuguesa, podes contar-nos, resumidamente, a história da comunidade? Qual é a opinião que tens sobre ela no presente?

Quando entrei para a comunidade Portuguesa ela já tinha à volta de 12 anos de funcionamento.

Basicamente o pessoal trocava muitas ideias no fórum. Quando se encontravam durante o dia, travavam amizade uns com os outros e falavam sobre o que tinham aprendido e como eram antes de terem conhecido a comunidade.

À noite grande parte dos nossos camaradas voltava-se a encontrar no Bairro Alto. Trocavam ideias e bebiam uns copos. Quando o álcool começava a arder-lhes pelas veias a fora, os mais corajosos faziam-se às febras e iam aplicar o que tinham aprendido.
Um ou outro lá se safava de vez em quando. Muitos ficavam só pelo assistir.

Quando cheguei, os encontros à luz do dia só com o intuito de trocarem ideias, transformaram-se em autênticas batalhas campais com uma missão bem definida: “aplicarmos o que tínhamos aprendido”. Os nossos troféus eram números, facebook, abordagens, encontros e lá pingava qualquer coisa quando o rei fazia anos.

Com as convenções pua anuais lá conseguimos atrair alguns dos melhores gurus de sedução do mundo. Isto fez explodir meteoricamente o crescimento da comunidade e muitos começaram a praticar activamente o que aprendiam nos fóruns, ebooks e cursos de sedução.

Enquanto estive em Portugal lancei várias iniciativas práticas como o Dia Nacional das Abordagens todos os sábados, desafios iron man e encontrava-me duas a três vezes por semana com os nossos camaradas para treinar. Estas iniciativas foram como um ombro amigo para a maioria dos nossos camaradas que tinham ansiedade de aproximação e social. Graças a Deus que muitos deles vieram e travaram amizade uns com os outros. O que permitiu que se entrosassem mais rapidamente neste mundo tão sedutor.

Para além disso criei um grupo chamado os Super Guerreiros onde só entra pessoal que treina. O Objectivo número 1 era evitar estar sempre a bater na mesma tecla nos fóruns, porque a prática era importantíssima. A maior parte destes homens foram seleccionados baseados nesse factor para que possam ajudar outros camaradas que estejam presos às amarras da sociedade e tenham medo de abordar.

Neste momento a comunidade atravessa uma fase calma e serena. Já não há tantas pessoas a lançar iniciativas práticas nos grupos, só que as amizades de longa data já estão estabelecidas, o que permite que continue activa e essas pessoas se ajudem uns aos outros e aos novos que chegam.

Sedução

Tens alguma maneira de fazer abordagens especial? E em que locais?

Sou como um camaleão e gosto de me adaptar às pessoas e ocasião.

Qual é o teu maior segredo de sedução?

Insistir, persistir e nunca desistir porque algum dia o nosso sonho se concretizará.

Um dos principais argumentos dos detractores do PUA é de que este apenas funciona com estrangeiras. Achas que de facto o game é difícil com portuguesas? As estrangeiras são mais fáceis?

Nunca tive dificuldades com as Portuguesas porque faço culturismo desde os 16 anos e isso ajuda bastante a chamar à atenção. Claro que com as portuguesas as coisas levavam mais tempo a acontecer até ao sexo. Isso nunca me desmotivou, só me fez aperfeiçoar ainda mais a arte.

Muitos homens queixam-se de não serem bem sucedidos com mulheres porque não são nem bonitos, nem ricos. Que mensagem é que deixarias a estes homens?

Só uma pessoa que não vive neste mundo negaria que isso não conta, ou algum guru de sedução tentando vender os seus cursos.

O que acontece é que quando começamos a praticar as técnicas de sedução que aprendemos, os resultados podem custar mais a vir. Só que acabam por vir porque as técnicas são baseadas em como funciona o cérebro e as dinâmicas sociais.

Tens um papel muito activo na motivação dos membros para irem para o terreno abordar. Que mensagem motivacional deixarias aos leitores da Távola Redonda?

Quando os ventos da amargura soprarem contra ti e duvidares se vais alcançar o que tu sonhaste, convido-te a visualizares a pessoa que mais te inspira e ouve a voz dele dizendo-te: “TU ÉS CAPAZ”

A prática de Daygame na Baixa Lisboeta, da qual foste um dos grandes percursores, é vista por algumas pessoas como algo fora do comum. Qual é a sua opinião sobre o assunto? Quais são as mais valias deste estilo de jogo?

Acima de tudo, o mais importante é o homem estar solto das amarras da sociedade e ter as competências para poder atacar quando se sente atraído por uma mulher seja em daygame, night game ou social circle.

As Rotinas e os padrões de NLP (Neuro-linguistic programming) são uma imagem de marca do teu jogo. No entanto, tanto na comunidade como fora dela, estas técnicas são olhadas com uma certa desconfiança. Elas trazem de facto mais resultados? Podias-nos explicar como é que a NLP pode ajudar na sedução?

Essa desconfiança é plausível tanto mais que me recordo de um almoço em que estava a falar com um director de campanhas de marketing de uma grande empresa do nosso país e ele revelou-me que as pessoas dessa área tinham tirado cursos de NLP. E que não havendo ética eles podiam levar as pessoas a comprar coisas que não precisam ou querem. As políticas de devolução são para evitar essas técnicas manipulativas.

Em sedução para que a NLP seja realmente poderosa, primeiro temos que gerar atracção, só depois é que avançamos com as técnicas para criar rapport e uma sensação de incrível conexão. Caso contrário, a mulher fica desconfiada e levanta resistência contra qualquer tentativa de sedução.

És conhecido como um homem corajoso e sem medos de sair da zona de conforto. Podes partilhar connosco alguma história com piada que tenhas vivido no âmbito da sedução?

Em Miami, depois de já ter tido sexo com uma mulher, fui abordado por uma afro-americana que me pediu informações. Chamou-me depois quando cheguei perto da porta do carro dela. Ela, abriu-a, puxou-me pelo cinto e começou a fazer uma chamada para Tokyo. Pedi-lhe boleia até casa e pelo caminho sempre que parávamos num sinal vermelho ela lançava-se ao mastro como se fosse uma botija de oxigénio.

Pensava que cenas destas só aconteciam em filmes.

pua portugal

Perguntas Rápidas

Com quantas mulheres já dormiste na vida?

Não me recordo ao certo porque a partir dos 26 anos deixei de contar. Só que foram mais de uma centena.

Qual foi o número máximo de mulheres que tiveste num só dia?

Tinha um amigo no ginásio que me levou a várias festas de swing e logo na primeira noite em que conheci esse mundo, graças ao meu corpo, dei por mim cercado por 6 mulheres. Pareciam abelhas à volta de mel. Obviamente que tiveram a oportunidade de provar o mel e levar com o ferrão.

comunidade de seducao

Um guru de pua que tenha influenciado a tua vida?

Sempre gostei muito do Ross Jeffries porque é alguém que apesar de ser feio e velho demonstra como é possível usar a NLP para seduzir lindas mulheres.

Um livro?

“Influência”, A Psicologia da Persuasão, de Robert.B.Cialdini.

É o melhor livro do mundo para compreender como é que somos influenciados e podemos persuadir os outros.

Mulheres: jogo de números ou jogo de valor?

O melhor mesmo é desenvolver um estilo de vida e interesses que nos possibilite tornarmo-nos no tipo de homem pelo qual as mulheres se sintam atraídas.

Rotinas ou jogo natural?

Quanto mais puderes planear o que vais dizer e fazer mais aumentas as tuas possibilidades.

Prática ou Teoria?

Um engenheiro primeiro tem que aprender a teoria e só depois começa a construir casas. A teoria é o projecto que nos orienta, sem ela levamos mais anos até alcançarmos o que desejamos. O problema em sedução é que as pessoas utilizam isso como justificação até terem certeza absoluta que quando começarem vai tudo correr bem. Vai sempre existir rejeição. Ninguém emocionalmente saudável gosta dela. É isso que nos faz progredir e querer descobrir novas formas de dar a volta à situação.

A maioria já sabe disto só que continua a procrastinar e com boas razões (porque dói e custa ser rejeitado), como tal inscrevam-se em cursos de sedução fidedignos como os do Vlad que é um homem que para além de estar a tirar uma licenciatura em psicologia também já tem muita experiência com mulheres.

Se não têm dinheiro, podem ir ao Bairro Alto ter com os nossos outros camaradas que com certeza vos ajudarão.

Daygame ou Nightgame?

Não sou nenhum vampiro, como tal o meu desejo não escolhe horas, assim sendo o melhor é desenvolvermos as competências para poder avançar quando o desejo sexual nos impele.

Se tivesses de escolher algum conhecimento que adquiriste como o mais importante, Qual seria?

Como o Bruce Lee costumava dizer: “ Sê como a água e adapta-te às pessoas e circunstâncias”

************************************************************************************

Obrigado pela disponibilidade para esta entrevista, Francis Dias. Antes de nos despedirmos, como é que leitores da Távola Redonda podem acompanhar-te, ou mesmo entrar em contacto contigo?

Eles já ficam mais que bem servidos com as perguntas pertinentes e artigos que a Távola Redonda escreve. São perguntas que mexem em feridas sobre como possivelmente funcionam as coisas e que nos deixam a pensar sobre a matrix em que estamos inseridos.

Anúncio aos Betas à espera

Um dos temas mais batidos da Red Pill é a chamada “Parede” e os seus efeitos na vida amorosa das mulheres.

O ninho das harpias teve recentemente a cortesia de partilhar os desvarios de uma mulher agudamente ciente da expiração, à beira dos 40 (pelas fotos podiam ser quase 50), do seu prazo de validade. Vem em código, naturalmente, como tudo o que as mulheres dizem sobre estes temas, mas a mensagem é clara para quem sabe ler as entrelinhas: a autora andou a vida toda no carrossel das piças, a dedicar o “coração” (leia-se, todos os orifícios do corpo) a Alfas com um SMV bem acima do seu, que não conseguiu nunca segurar e que a usaram e deitaram fora. Mas agora sim, já aprendeu a amar e está pronta para encontrar a pessoa certa (ou seja, já se conformou com a inevitabilidade de ter de tolerar um Beta se não quer acabar sozinha).

Serve este post não para humilhar a dita que, coitada, se limitou a seguir os seus instintos e uma narrativa que encoraja este tipo de comportamento – apenas como aviso à navegação para as jovens que pretendam seguir estas opções de vida, e para os Betas que ponderem ficar com estes restos humanos (e sem acesso a todos os orifícios, porque ela “já não faz essas coisas”).

mais um tijolo na parede
Mais um tijolo na parede

AOS (DES)AMORES

Não é fácil chegar à porta dos quarenta anos e ter de admitir – para mim, principalmente – que afinal não sei amar. Mas a realidade é mesmo esta. Eu não sei amar. Não o soube este tempo todo. Caramba. Afinal, eu – eu que sempre me achei a sensibilidade em pessoa – nunca percebi nada sobre o que é amar. Andei este tempo todo a fazer as coisas ao contrário. Eu, que me virava do avesso para que tudo estivesse direito; eu, cuja pele nunca se arrepiava só por fora; eu, que passei noites a fio à espera que chegasse o dia, na verdade, nunca soube amar. E digo isto porque, hoje, possuo o discernimento necessário que me permite perceber que aquilo que eu fazia era idolatrar, não era amar.

Nunca tive aulas sobre o amor, mas posso garantir que, se as houvesse, eu seria, com certeza, aquela aluna que se sentaria na primeira fila e que tinha sempre os cadernos imaculados e um estojo com canetas de todas as cores. Sempre fui atenta ao amor. Como se sentia, como crescia, como se vivia. Tinha sempre a lição estudada – mesmo não existindo aulas sobre o amor. Se era para sentir, eu sentia. Ai, se sentia. Se era para chorar, eu berrava. Se era para rir, eu gargalhava e, se era para gostar, eu amava. Sempre consumi o amor em dobro daquilo que era suposto. Nunca me chegava o normal. Nunca me chegava só gostar. Tinha de amar. Nunca me chegava um amor quente. Tinha de queimar. Nunca me chegava um amor para a vida. Tinha de ser para a vida e tinha de continuar para a morte. Era amor, caramba. E no amor não há medidas. Não há regras. Não há condições. Tão-pouco deve haver restrições. E, se era amor, era assim que se devia amar. Sempre.

Nunca fui de paixões fáceis, nunca me apaixonei facilmente, mas posso garantir que, sempre que me apaixonei, amei. Amei, sofregamente. Amei, a achar que estava a dar o meu melhor – e estava. Amei a acreditar que cada amor era o último. Amei para a vida. E também para a morte. Amei, cegamente. Dormi à pressa para que os dias chegassem mais rápido só para poder ouvir, novamente, «bom dia». E, tantas outras vezes, que me esqueci de dormir. Ficava deitada na cama a viajar nos projetos que íamos fazer a dois e na forma como os íamos tornar exequíveis. Amei, a achar que isso era saber amar. E assim foi com todos os meus amores. Todos, sem exceção. Não posso dizer que gostei mais ou menos, que foram amores mais ou menos ou que os amei mais ou menos. Não. Foram amores inteiros. Sentidos. Vividos. E sofridos. Amei a achar que isso era amar. Amei, a ter a certeza que sabia o que era amar. Mas, hoje, olhando para trás, chego à porta dos quarenta e concluo que, afinal, não soube amar. Sempre soube o que era o amor, sempre soube sentir o amor, mas depois não soube viver o amor. Não soube o que lhe fazer. Não soube consumi-lo. Não soube apreciá-lo.

Porquê? Porque estive sempre demasiado ocupada em tornar as coisas perfeitas. Estive sempre demasiado presente para os outros e demasiado ausente para mim. Esvaziei-me de mim para poder encher a outra parte do que eu achava que era saber amar. A minha vontade de amar era tanta que me esquecia – com muita facilidade – de me amar a mim também. Não achei que isso fosse importante. Nunca achei que fosse o mais importante. Sempre achei que o mais importante era demonstrar o quanto sabia amar. O quanto queria amar. O que podia fazer por saber amar. Andava tão ocupada em ser perfeita a amar que não me apercebia de que não podia amar a outra pessoa mais do que a mim própria. E foi, precisamente, aí que residiu o meu maior erro. Foi, precisamente, aí que deixei de saber amar. Quando deixei de me amar. Quando me esqueci de me amar. Quando achei que amar era só amar uma parte – a outra parte. Quando acreditei que o que importava era só a vontade da outra parte. O sorriso da outra parte. A outra parte.

Mas atenção. Que não se caia na tentação de atribuir culpa à outra parte. Isso seria um erro muito maior do que o de ter a certeza de que se soube amar. «Ele não me soube dar valor.» «Fiz tudo por ele.» «Ele nunca me amou.» É tão fácil cair neste engano. É tão mais confortável acreditar que a culpa foi da outra parte. É tão mais fácil assim. Esvaziamo-nos de culpa para podermos continuar a cometer exatamente os mesmos erros. E, convencidos de que estamos certos, lá continuamos a traçar o nosso caminho. E nunca chegamos a perceber porque é que as coisas continuam a dar errado. Porquê? Se nós amamos tanto porque é que não encontramos ninguém que seja merecedor do nosso amor?

A todos os meus (des)amores – aqueles que eu jurei que soube amar- a todos eles, atualmente, estou grata. Claro que nem sempre foi assim. Aliás, só é assim há pouco tempo. Também eu já incorri no erro de os culpar. Também eu já achei que foram eles que não souberem dar valor ao meu – tanto – amor. Mas, hoje, ironicamente, estou-lhes grata. A todos eles, sem excepção. Todos eles foram uma excelente fonte de aprendizagem. Com eles, vivi, insisti, errei e voltei a errar. Todos eles existiram para que eu pudesse aprender. E para que pudesse errar. Errei com eles, mas foi por causa deles que também aprendi. Fui colmatando falhas, limando arestas, aprendendo por ter errado. E, por isso, estou-lhes grata.

Há uns dias, uma grande amiga minha dizia-me que a vida é como a faculdade. Chumbamos tantas vezes quantas as necessárias até aprendermos a matéria. Até a sabermos na ponta da língua. E também aí, tantas vezes, achámos que estávamos a fazer tudo bem. O professor é que era injusto. Até que, um dia, surpreendentemente, voltamos a ir a exame e passamos. E aquela matéria, de tantas vezes a estudarmos, de tantas vezes errarmos, um dia percebemos que já a sabemos de cor. E, a partir desse momento, sabemos que não a voltamos a esquecer. Que não voltamos a errar. Assim é o saber amar. Primeiro, temos de errar. E vamos errar tantas quantas as vezes necessárias até aprendermos. Para nunca mais esquecermos. Assim é também o saber amar. Quando encontrarmos a pessoa certa; quando estivermos prontos para saber realmente amar, vamos perceber, finalmente, porque é que antes nunca tinha dado certo com mais ninguém. Mas isso só vai acontecer quando aprendermos que saber amar começa por nós. E eu já errei tantas vezes que arrisco dizer que, se existissem aulas sobre o amor, eu já estaria pronta para ir a exame.

Provocação Constante #2

Provocação Constante é uma série em que O Patriarca partilha algumas das pequenas provocações que vai fazendo à sua namorada. Estudiosos de Game e Red Pill sabem que o teasing (provocação) é essencial tanto para o jogo do engate como para a manutenção da tensão sexual dentro de uma relação. Os betas pensam erradamente que arreliar as miúdas lhes pode trazer problemas, quando é precisamente o contrário. Esta série pretende dar exemplos práticos disso mesmo. Always Be Teasing!

Contexto: O Patriarca tem um date com a namorada. Está a aperaltar-se todo, e decide pôr uma das suas camisas de manga curta favoritas, que tem um excelente fit especialmente nos braços.

Ela: Não gosto nada dessa camisa, veste outra…

SHIT TEST ALERT!!!

OP (exibindo os biceps): Tu não queres é que as outras olhem para isto!

Nessa noite houve forrobodó ao ar livre.