Provocação Constante #7 – Champô seco

Provocação Constante é uma série em que O Patriarca partilha algumas das pequenas provocações que vai fazendo à sua noiva. Estudiosos de Game e Red Pill sabem que o teasing (provocação) é essencial tanto para o jogo do engate como para a manutenção da tensão sexual dentro de uma relação. Os betas pensam erradamente que arreliar as miúdas lhes pode trazer problemas, quando é precisamente o contrário. Esta série pretende dar exemplos práticos disso mesmo. Always Be Teasing!

Ela chama-lhe “champô seco”. O Patriarca chama-lhe “pó de porca”.


Siga-nos no Facebook!

Game Reconhecido: Paulo Fernandes da M80

Um dia destes O Patriarca ouvia na M80 a diarreia mental de uma tipa qualquer sobre como o Facebook era atroz por ir buscar memórias de há não sei quantos anos, como saíam coisas embaraçosas, etc e tal. Parecia ser uma rotina qualquer de stand-up, versão hamster.

Seja como for, quando terminou, a locutora juntou-se à festa a concordar que o Facebook só sacava coisas embaraçosas.

Terminado o cacarejar, o locutor diz:

Então mas se não fossem esse lembretes como é que eu sabia que eu e tu já namorávamos há 2 anos?

Manobra Beta a guardar a parceira? Nada disso. A resposta dela, entre as gargalhadas gerais:

Felizmente dou-me bem com a tua mulher senão isto ainda dava sarilho!

A gaja já bateu na parede, mas neste caso mais do que a qualidade da recipiente interessa a demonstração de capacidade por parte dele, de improvisar ao vivo um flirt inocente e com alta “negabilidade plausível”.

É assim que se faz Dread Game.

lara-afonso
Não é por acaso que tem uma mulher boa.

 

Provocação Constante #6 – “É Complicado”

Provocação Constante é uma série em que O Patriarca partilha algumas das pequenas provocações que vai fazendo à sua namorada. Estudiosos de Game e Red Pill sabem que o teasing (provocação) é essencial tanto para o jogo do engate como para a manutenção da tensão sexual dentro de uma relação. Os betas pensam erradamente que arreliar as miúdas lhes pode trazer problemas, quando é precisamente o contrário. Esta série pretende dar exemplos práticos disso mesmo. Always Be Teasing!

Surgiu cedo na relação entre O Patriarca e a namorada (agora noiva) um pequeno jogo. Quando saem juntos, ocasionalmente depois de uma ausência (ida à casa de banho por exemplo), ao voltar iniciam um flirt como se não se conhecessem de lado nenhum.

Este joguinho aparentemente inocente é interessante, porque por um lado permite à pequena comprovar que o seu homem ainda mantém as qualidades de sedutor que a atraíram inicialmente, e por outro permite a’O Patriarca praticar as mesmas sem ter de o fazer descaradamente com outras gajas.

Às vezes a conversa é totalmente fantasiosa, às vezes é baseada em factos reais. Esta mantinha-se mais ou menos dentro da realidade:

Ela: Então e tens namorada?

OP: É complicado…

Ela [pára o jogo e deita fumo pelas orelhas]: COMO É COMPLICADO???

OP [sorriso sacana]: Bom, tecnicamente já não és minha namorada…

Ela [ar meio irritada meio tesuda, agarrando-se a’O Partriarca]: És tão estúpido!! Se dizes “é complicado” a outras gajas mato-te!


P.S. Se estão a ouvir frequentemente este tipo de “és tão estúpido”, estão a fazer as coisas bem.


Siga-nos no Facebook!

7 razões para puxar ferro em casa

Um dos pilares da Red Pill é o ferro.

Vai a qualquer site ou fórum de Red Pill e é uma das primeiras coisas que te perguntam: puxas ferro? Se não, vai puxar e depois falamos.

Os leitores regulares d’A Távola Redonda poderão pensar, com base na forma e conteúdo dos artigos d’O Patriarca, que o mesmo é um estóico cumpridor de todos os princípios da Red Pill, incluindo a posse de um corpo hercúleo moldado por anos de supinos de cento e tal quilos.

Mas O Patriarca é apenas um tipo normal que há alguns anos descobriu os benefícios da Red Pill, e se tem esforçado por implementar a mesma na sua vida, com maior sucesso nuns aspectos e menor noutros. E confessa que durante demasiado tempo descurou esta área. Eventualmente acabou por decidir dedicar-se também a isso, e dada a experiência passada com várias inscrições em ginásios abortadas após meses de absentismo e dinheiro desperdiçado em mensalidades não aproveitadas, optou por montar um modesto estaminé para encher em casa. Uma excelente decisão, pelas razões que agora partilha com os caros leitores.

1. Poupança de tempo

Um dos maiores obstáculos à prática regular de actividade física é a falta de tempo (ou de um seu sucedâneo, energia). A vida não está fácil para ninguém, as longas horas de trabalho são uma realidade para muita gente, e muitas vezes o tempo livre que temos é fora de horário de ginásio, ou num curto espaço de tempo.

coelho alice

Um pequeno ginásio montado em casa permite com o mínimo gasto temporal uma sessão de ferro, quer de manhã antes de ir trabalhar, quer à hora de almoço para quem tem a possibilidade de o fazer em casa, quer ao chegar tarde e a más horas.

2. Poupança de dinheiro

Mesmo um ginásio do mais low-cost possível custa €20/mês, portanto estamos a falar de €240/ano no mínimo, e provavelmente mais próximo de €500, principalmente se dispensarmos estar rodeados de gunas.

banco musculacao

Um banco básico de musculação (€70), 4 barras pequenas roscadas (€40), cerca de 100kgs de ferro (€1,5/kg sem borracha, €2,5 com borracha – aconselhado para não estragar o chão – €250), 4 roscas e 4 bloqueadores (€16), para um total de menos de €400, é o suficiente para introduzir a Igreja de Brodin na tua vida e estar entretido durante bastante tempo. Em poucos meses cobre-se o custo das mensalidades de ginásio, e fica-se com material para a vida.

barra roscada

Se acabares a ter de gastar mais dinheiro em ferro, parabéns: subiste de nível!

3. Estímulo à regularidade

Vamos ser honestos: frequentemente o que impede o desenvolvimento de uma rotina desportiva, principalmente algo duro e doloroso como levantar ferro, é a força de vontade (ou mais correctamente, a falta dela). A sensação de estar a ser julgado pelo cumprimento ou não de objectivos a que nos propusemos pode ser um estímulo externo importante. E um monte de ferro a ocupar espaço numa divisão da casa é um juiz lixado, que se falhares to recorda constantemente. Cada dia que não lhe pegas ele diz-te “estás a relaxar, poltrão”.

persevere

Tens sempre desculpa para não ir ao ginásio. O ferro não está interessado em ouvir desculpas. Ele está ali. Ou o consegues levantar ou não.

Podes não até não aguentar e decidir arrumá-lo longe da vista. Mas mesmo nesse caso, quando decidires deixar de ser fraco já o tens ali à mão para recomeçar.

4. Fuga da “cultura de ginásio”

gym bros

Este ponto podia facilmente ser um contra, uma vez que ver malta bombada a treinar pode ser um estímulo por si só, para além das oportunidades de construir uma trupe. Mas algumas pessoas mais tímidas, principalmente se não estiverem habituadas a experimentar novas actividades e a sensação de ser claramente o gajo que não sabe muito bem o que está a fazer, podem sentir-se intimidadas com isto. Treinar em casa é uma boa maneira de contornar este factor nem que seja apenas numa fase inicial.

5. Mais tempo com a família

Um corolário do ponto 1, mas que merece ser referido, principalmente para quem já tem uma vida conjugal. Quando sais para ir ao ginásio, inegavelmente estás a tirar tempo à tua relação e/ou família para ti. Não que isso esteja errado, mas os dias só têm 24h. Alguma outra coisa tem de perder.

Para além da poupança de tempo referida, o treino em casa permite que durante aquela hora ou duas, em vez de desapareceres, os teus sentem a tua presença. Podes estar a fazer a tua cena, mas estás com eles. Isso liberta algum do teu “me time” para outras coisas.

exercicio familia
E talvez os encorajes a juntar-se a ti

6. Exemplo para os filhos

As crianças, mais do que palavras, seguem acções. Aquilo que tu fazes é o modelo de masculinidade que os teus filhos vão ter. Já é bom dar um exemplo de físico cuidado e forte, mas melhor ainda é imprimir-lhes claramente a imagem de como isso se obtém e mantém.

As crianças adoram dizer “o meu pai é mais forte que o teu”. Que tal tornar isso uma realidade?

pai fraco
Não sejas este pai

7. Mulher a pingar

Uma polaridade sexual bem marcada é um ingrediente poderoso para manter uma vida explosiva debaixo dos lençóis numa relação de longo prazo. E dado que levantar pesos está no top das actividades mais masculinas, que tal dar à tua fêmea a oportunidade de te ver a fazê-lo?

hora coca cola light

Foder no banco ainda suado depois de uma sessão intensa de ferro é uma experiência que O Patriarca recomenda.

Há também um lado menos óbvio mas importante neste ponto. Numa época em que todos os media e formas de entretenimento tentam por todos os meios fazer esbater as diferenças entre homens e mulheres, muitas mulheres estão a perder a noção do diferencial físico que têm para um homem. Por mais que ela veja os teus músculos, e que saiba conceptualmente que andas a malhar no ginásio, não há nada como sentir que aquele barrote que tu levantas repetidamente com relativa facilidade, ela nem sequer consegue tirá-lo do chão.


 

Antes talvez fosse algo arriscado para quem não tenha a noção de como exercitar correctamente as zonas pretendidas. Mas hoje em dia no Youtube há milhares de vídeos que explicam como fazer tudo correctamente e minimizar o risco de lesões.

Para terminar, há que referir que ir ao ginásio também tem as suas próprias vantagens. Mas isso é um assunto para outro dia.

Provocação Constante #5 – a pílula

Provocação Constante é uma série em que O Patriarca partilha algumas das pequenas provocações que vai fazendo à sua namorada. Estudiosos de Game e Red Pill sabem que o teasing (provocação) é essencial tanto para o jogo do engate como para a manutenção da tensão sexual dentro de uma relação. Os betas pensam erradamente que arreliar as miúdas lhes pode trazer problemas, quando é precisamente o contrário. Esta série pretende dar exemplos práticos disso mesmo. Always Be Teasing!

A provocação não tem necessariamente de surgir em forma de antagonismo. Acima de tudo é uma questão de defraudar expectativas. O beta faz à letra o que lhe é pedido. O alfa junta um toque pessoal.

Ela [por WhatsApp, está no trabalho. A chefe está a um metro]:

  • por favor, vai à casa de banho e vê a caixa das minhas pílulas
  • Não me lembro se tomei ontem
  • Manda-me uma foto

OP: [foto da piça a apontar para a lâmina das pílulas]

pill pic
Recriação artística

Ela:

  • Hahahahahahahahahaha
  • Não consigo parar de rir [o riso neste contexto é acompanhado de passarinha húmida, não esquecer]
  • Estão a perguntar-me o que se passa

Passou o resto do dia a lembrar que mais tarde tinha de levar com ele. E assim que chegou a casa cobrou, com juros.


P.S. talvez o Bruno Maçães pudesse aprender algo com este blog?

Cassie Jaye e o documentário “The Red Pill”

É uma falha quase imperdoável de um blog sobre Red Pill ainda não ter mencionado este documentário, bem como as declarações da autora.

Falha corrigida.

Aguarda-se a sua exibição em Portugal…