Putas

O Patriarca não sabe se a culpa é do feiticeiro de serviço, mas de entre os termos de pesquisa que trazem gente a este blog, por algum motivo um dos mais frequentes é… putas.

termos de pesquisa

Posto isto, O Patriarca achou por bem revelar a sua posição relativamente ao uso de putedo.

O Patriarca não tem qualquer problema moral ou ético quer com as putas quer com os homens que recorrem aos seus serviços.

As mais lógicas e válidas objecções, como o tráfico humano e a exploração de menores, seriam facilmente resolvidas com a legalização e regulamentação da profissão.

As rameiras profissionais não só são impossíveis de erradicar, como tal seria indesejável, pois constituem um importante mecanismo de escape na sociedade. Por um lado mantêm a estabilidade mental de muitos homens que de outra maneira não têm acesso a sexo, por outro mantém em cheque os devaneios da população feminina em geral – não podem tornar tão difícil a vida aos homens que mais valha ir às putas.

Tendo em conta que até no Tinder há quengas a pedir dinheiro por nada, travecos e transgénicos, putas declaradas e gajas a pedir pizza, entre outras aberrações, não é de estranhar que para alguns homens a perspectiva de uma troca directa e sem espinhas de dinheiro por sexo não pareça assim tão mau.

Dito isto, O Patriarca aconselha qualquer homem que se veja impelido a ir às putas que dedique algum tempo a aprender Game. A sensação da caça bem sucedida é algo que todo o homem deveria vivenciar. Além disso, um utilizador regular de putas pode apresentar uma atitude de abundância que outros não terão. Pensar que se a gaja que tens à frente não quiser, as notas no bolso arranjam uma que queira, pode não ser um pensamento bonito, mas é um passo na direcção de uma frame forte.

Num mundo de betas, quem tem Game é rei.

 

Neg para miúdas mais novas

Nota: Isto não foi testado no terreno. O Patriarca está há algum tempo numa relação com uma miúda substancialmente mais nova, mas até apreciaria se ela tivesse menos um par de anos. É um neg teórico desenvolvido com base em bojardas que foi mandando ao longo do tempo e as respostas às mesmas. Encoraja o leitor a experimentar e a dar feedback.

Muitos homens, começando na casa dos 30 anos e agravando-se exponencialmente ao longo dos 40’s e 50’s, têm receio de abordar e seduzir miúdas mulheres mais jovens.

Frequentemente dizem que gostam é de mulheres e não de meninas, como justificação para se ficarem pelas da sua idade. O Patriarca compreende que os gostos humanos são diversos e defende absolutamente a liberdade de escolha, mas sejamos honestos: a maior parte dos homens que dizem isto sofre do síndrome das uvas azedas.

O engate de uma jovem 10 ou mais anos mais nova é extremamente compensador, mas põe uma série de desafios, nomeadamente a percepção que a ninfa possa ter de uma insegurança do macho quanto à diferença de idades.

Posto isto, O Patriarca apresenta:

“Estás estupenda para a tua idade”

puzzled bitch

Atenção: isto não é para usar com mulheres da mesma idade ou ligeiramente mais novas. Aí já não é propriamente uma neg e começa a roçar o insulto. Emprega-se em miúdas substancialmente mais jovens. Regra geral – se a diferença é suficiente para poder ser um potencial problema, a neg aplica-se.

Efeito pretendido (como todas as negs): o que é que ele quer dizer com isso?

“É parvo? Mas se ele tem mais X anos que eu… Será que gosta de miúdas ainda mais novas? Será que acha que eu sou mais velha do que pareço? Será que gosta de mais velhas? Pareço mais madura? Está a elogiar o meu estilo? Está a a gozar comigo?”

?????????

roda hamster queda.gif

Melhor cenário possível: “deve estar habituado a estar com raparigas mais novas”

No mínimo: criação de intriga, dúvida, curiosidade. E envio da questão da diferença de idades para segundo plano. 

Martini Man: O pai do PUA Portugal [Entrevista]

No maior fórum de sedução nacional existe um nome que é indissociável do mesmo, Martini Man.  Juntamente com o PUA Francis é, sem dúvida, um dos homens que mais fez pela sedução em Portugal. Para muitos o divórcio aos 40 é um foco de imenso receio na vida, para o Martini deu azo a uma transformação que lhe permitiu abrir os olhos para um novo mundo de bonança sexual, mulheres jovens, namoradas bissexuais e muitas ménage à trois.

*************************************************************************************

Apresentação

Olá Martini, queria começar com uma pequena apresentação, podias dizer-nos quantos anos tens? o que fazes na vida?

Tenho quase 53 anos e trabalho numa Companhia de Seguros. Para além disso, desde os 18 que tenho como hobby wargames com miniaturas e jogava/arbitrava paintball de competição e recreativo até há 4 anos, quando um joelho me atraiçoou. PDI …

Como era a tua vida amorosa antes do PUA?

Inexistente! 🙂 Bem não era assim tanto. Tive uns namoros muito breves (o primeiro foi aos 24) até casar aos 32 e depois fiquei quieto e bem comportado até me divorciar com 42. Em média andava com uma mulher a cada 18 meses durante uns 2 meses no máximo (alguns sem sexo…). Um mês depois do divórcio descubro uns vídeos dum magico canadiano com unhas pintadas e um livro de um jornalista americano de capa preta e o resto é historia.

Conta-nos uma pequena história do teu percurso, como foi que evoluíste até te tornares quem és hoje?

Essa do “quem és hoje” põe quem não me conhece a pensar que sou um mega PUA-super-híper-Alfa que anda com 6 miúdas ao mesmo tempo. 🙂 Não sou, e nada é mais afastado da minha realidade actual. O que o PU fez por mim é passar-me de um tipo que aos 42 não tinha nenhuma, mas mesmo nenhuma experiência com mulheres (Filho único, poucos amigos, menos amigas, tímido, estão a ver o filme?) para alguém que actualmente não tem medo de ficar sozinho triste e abandonado, nem de terminar relações se elas ficarem tóxicas. Porque sou um gajo espectacular, bom conversador, com bom humor, sem medo de me “atirar para fora de pé”, de vida arrumada e cabeça limpa e por isso inevitavelmente vou ter mulheres que querem estar comigo. Várias. Eventualmente ao mesmo tempo…

Uma pequena historia? Epá tenho aquela do primeiro date que tive depois do divórcio em que estou a fingir que sei ler as linhas das mãos dela e ela pergunta-me se ia fazer a leitura de acordo com a escola XPTO ou com a Tal e Tal. (Bolas! Esta sabia MESMO ler mãos…) e eu tenho a inspiração de, lá está: Atirar-me para fora de pé, e respondo:

– Não faço ideia! Isto é uma coisa que eu faço às gajas que estou a tentar engatar.

– Ok. Podes continuar…

Foste um dos fundadores da comunidade de sedução portuguesa, podes contar-nos como tudo começou?

No início (2007) havia a mail list do LX-Sarging. Antes disso não faço ideia, mas vocês sabem a quem perguntar se quiserem ir mesmo, mesmo ao princípio. Mas reparem 2007 é muito perto do início da popularização do PU, com a primeira edição do The Game (o tal livro de capa preta) em 2005 e a serie The Pick Up Artist é de 2007.


Esta é uma pergunta um bocado complicada de responder porque a tendência natural é eu ver essa época como uma “era dourada”, seja porque tudo era novo para mim, seja porque TODA a gente sabia e fazia mais do que eu. Por isso eram tempos muito excitantes e absorventes para mim.

Pondo de lado o aspecto pessoal, e para dar perspectiva a quem está agora activo ou a começar, o grande tema da época, aquele que criava clivagens irredutíveis entre membros e causava testamentos a favor e contra, era a grande e premente questão do “Direto” ou “Indireto”. Se um tipo devia fazer uma abordagem em que não mostrasse claramente interesse ou se devia mostrar interesse desde o primeiro momento.

Por isso quando em 2013 começou a guerra do “Daygame” vs “Nightgame” tive um deja vu. Não interessa nada. É tudo game. O que interessa é fazê-lo bem e da forma que nos dá melhores resultados.

Sedução

Qual é o teu maior segredo de sedução?

(vocês obrigam-me mesmo a pensar!) Acho que é a empatia ou a capacidade de “ler” correctamente o que se passa com ela a cada momento.

Que tipo de mulheres seduzes? A sedução é fácil para homens nos 40s e 50s?

Todo o tipo. Desde estudantes universitárias de 20 anos até ex-membros dum Governo de 38 ou Milf de 52. Eu acho que é MAIS fácil para homens destas idades do que com 20 anos. Maturidade é um posto e um grande DHV se bem utilizada.

valor sexual dos homens aumenta com a idade

Muitos homens têm medo de sair de relações longas por receio de não voltarem a ser felizes com outras mulheres. Que mensagem é que deixarias a estes homens?

Que só se eles passarem os dias fechados em casa a comer doritos e jogar playstation é que isso acontece.

Foste moderador do fórum PUA Portugal e continuas a desempenhar um papel capital na ajuda dos novos membros. Notas que tem levado à resolução de muitos problemas com o sexo feminino?

O Fórum é o maior repositório de “Conhecimento” sobre sedução deste país. Só o que está no Best Of e nos Field Reports dava para escrever vários (BONS!) livros. Eu acho que ao longo destes anos todos muito problema (dos de fundo, não é o de situações pontuais) com mulher foi resolvido. Muito homem choninhas e “triste, pobre e abandonado” descobriu que não está condenado a uma vida solitária

Ao longo dos anos foste o autor de uma iniciativa chamada Projecto Cisne. Em que consistia? Que mais valias/alterações na vida trouxe aos seus participantes? Vamos ter novas edições no futuro?

Vou puxar pelo galões: O Projecto Cisne foi o primeiro serviço de coach de sedução deste país. A sua primeira edição foi em 2007 e teve 6 épocas até 2013. A ideia base era proporcionar uma formação contínua e diária durante um ano a um grupo de 4 a 6 formandos em Lisboa e Porto, abordando pontos específicos de melhoria adaptados a cada um. E isto ia desde fazer exercícios de Liberdade Social (Moonwalking à volta dum polícia, por exemplo…) até ir comprar roupa, aprender a dinamizarem o seu círculo social, ( o meu post : “Como organizar festas como um RP” que está no Fórum teve a sua origem num documento interno do Cisne)  a irem a festas organizadas por mim para por os moços a interagir com amigas minhas, a abordagens puras e duras à noite.  As primeiras edições eram gratuitas, mas depois como eu tinham muitas despesas (Gasolina e copos!) passou a ser PWYW (Pay What You Want). Nunca fiz isto para ganhar dinheiro.

Eu acho que a maior dificuldade no PU somos nos próprios. Nesse sentido o Projecto Cisne visava criar mudanças internas que fossem duradouras e para o resto da vida, mais do que a técnica XPTO de dar um beijo (que também era falada). Se um gajo à partida não percebe quando é que a “janela” está aberta para o beijo, por exemplo, nem tem confiança para ver isso, as coisas não vão resultar. O problema não está na execução da técnica, mas na crença em nós próprios que somos capazes.

Novas edições? Epá não… Tou velhinho, estou confortável no meu canto, tenho a minha vida organizada e agora há aí uma data de pessoal novo e talentoso (alguns já foram entrevistados pela Távola e palpita-me que outros devem ser em breve…) a ensinar e a fazer coisas geniais. No entanto, estou sempre aberto a dois dedos de conversa. Agora sou só Consultor. 🙂

Um dos conselhos que dás aos homens é para deixarem de ser Spitfires e passarem a ser F-14s. Podes explicar-nos porquê?

Porque passei demasiados anos a andar atrás de uma de cada vez durante meses, para depois ela me dizer “MM Vamos ser só amigos…”  :).  O F-14 foi o primeiro avião de caça a ser capaz de seguir 12 alvos no radar e atacar simultaneamente 6 deles. Creio que a ideia é óbvia: devemos ter a cada momento vários alvos em diferentes estádios de desenvolvimento, para maximizar as hipóteses de êxito. (Que por acaso é uma táctica bem feminina…)

Uma das técnicas mais defendidas na comunidade é o Kino (Kinesthetics). Há quem diga que é a diferença entre ter uma relação de amizade ou uma relação sexual com uma rapariga. Que pensas sobre o assunto? Tens algumas dicas de kino especiais?

Quando em 2006 sigo um banner do Mystery e vou dar ao antigo site dele tinha lá 3 vídeos de um minuto dele a falar. Um deles era sobre Kino. Ao fim desse minuto sabia duas coisas: 1–Que ele percebia MESMO do que falava; 2-A razão pela qual nunca tive uma namorada no liceu: Não lhes tocava…   Portanto “No Kino, no Girls!”

Dicas?  Façam-no o mais cedo possível, mas tendo em atenção os níveis de conforto dela.

comunidade seducao portuguesa

O jogo de círculo social (grupos de amigas, colegas de trabalho, actividades, etc) é um dos teus grandes pontos fortes:

  • Como podemos criar/aumentar os nossos círculos sociais?

Uma das ideias erradas da generalidade das pessoas é que os Círculos Sociais (CS) são coisas estáticas e de alguma forma “dadas por Deus”. Nada mais errado e a prová-lo temos que hoje já não nos damos com as mesmas pessoas que nos dávamos quando andávamos na escola primaria. Uns desapareceram, outros apareceram. Portanto toda a gente está permanentemente a criar e a perder relações, logo os CS são coisas dinâmicas. E se se são dinâmicas podem ser influenciadas por nós.

Para estar a desenvolver o tema da criação, expansão e manutenção de CS ia ocupar o espaço todo desta entrevista, mas vou apenas citar uma frase que me disseram: “Quanto mais comunicamos, mais existimos” é por aí.

  • Se fizermos avanços e acabarmos rejeitados por uma mulher, a nossa reputação fica destruída?

Sim, se eu a tentar despir no  meio da festa de anos dum amigo e ela me der com a mala na cara.

Agora a sério: Não! Tirando este caso extremo (e idiota!) é uma coisa que não acontece. Em primeiro lugar não sei o que é ser rejeitado. É ela dizer que hoje não dá para ir ao cinema connosco? Ou é ela não aceitar um beijo e atirar-nos com um “Vamos ser só amigos”? E mesmo que isto aconteça, qual é o problema? Gostaste da Cristina, mas a Cristina não gosta de ti… E? Nunca mais ninguém te vai falar? Achas?

  • Como agir com as mulheres do círculo com quem nos envolvemos sexualmente caso queiramos continuar a ter relações com outras?

Namorando sucessivamente com cada uma. Sucessivamente… (A menos que ela também goste de amigas e aí sky is the limit!)

Perguntas Rápidas

Com quantas mulheres já dormiste na vida?

57 (Ter registos é uma boa ajuda…)

Já fizeste sexo com mais de uma mulher ao mesmo tempo (ménage à trois) ? Quantas vezes?

Já.

(Quantas vezes) Não sei… A sério! Houve uma altura na minha vida que tinha uma namorada bissexual e tínhamos uma amiga regular na nossa cama quase todos os fins de semana. Era uma coisa normal para nós… Depois havia outras amigas não tão regulares. Por isso não consigo dizer quantas vezes. Foram as suficientes para eu chegar a achar que sexo normal era SEMPRE com 2 mulheres 🙂

menage a trois

Um guru de pua que tenha influenciado a tua vida?

Mystery! Foi o primeiro que vi e continua a ser a base de todo o PU, de uma forma ou de outra.

Um livro?

Podia falar do The Game que foi o primeiro que li, mas em termos de formação falo antes do “Linguagem Corporal” de Alan e Barbara Pearce. Foi ai que aprendi a fazer a tal “leitura” de que falo no inicio.

Se tivesses de escolher algum conhecimento que adquiriste como o mais importante, Qual seria?

Yes I can!

Obrigado pelo disponibilidade para esta entrevista, Martini Man. Antes de nos despedirmos, como é que leitores da Távola Redonda podem acompanhar-te?

Quase todos os dias vou ao fórum Pua Portugal. Ou então há muita gente nas Comunidades com o meu telefone…;)

 

Text Game #1

 

Esta série serve para partilhar convosco, tanto eu como qualquer membro da Távola Redonda quando sinta que tem algo para dar,  pequenos e grandes truques da ciência por trás do text e net game.

Ela manda-te mensagem no instagram, no whatsapp ou no messenger. E tu pensas “vou fazer-me de dificil, não abro a janela para ler a mensagem e leio só na barra de notificações do smartphone”. NÃÃÃOOO! LÊ  NA JANELA PARA ELA SABER QUE LESTE E DEPOIS NÃO RESPONDAS!

Não há nada que me deixe mais fodido quando estou a falar com uma mulher que ver que ela leu e não respondeu. A minha cabeça começa às voltas, a pensar onde é que errei, se há outro tipo mais interessante que eu no jogo ou se pura e simplesmente não podia responder porque tinha o namorado ao lado – sim, já me envolvi com mulheres comprometidas e sinto um misto de emoções ao pensar nisso, mas essa conversa é outro texto.

Lê, ignora e responde mais tarde.

Tem atenção ao tempo que estás sem lhe falar que deve ser directamente proporcional à velocidade com que escrevem um para o outro. Se estão OS DOIS a responder imediatamente a seguir a receberem mensagem do outro, o que faz com que nao façam mais nada durante meia hora, uma pausa de cinco, dez minutos, para lerem um texto elucidativo na Távola é suficiente para lhe fintarem os neurónios e deixar-lhe as emoções ao rubro. Lês, cinco minutos no youtube, depois respondes. Se estás a trabalhar e estão a responder em quarenta e cinco minutos, demora três horas, foda-se, demora seis! Deixa-a fritar a pipoquinha a pensar que a ignoraste enquanto orientas o teu trabalho.

O mais giro disto é a forma como voltas para a conversa, que não é de uma forma seca e “too cool for school”, mas sim com todo o carinho com que já falavam antes, alias até aproveitas para dar mais um passo na escala. É um push pull brilhante e muito discreto porque quando voltas, fá-lo quase como um pedido de desculpa. Um truque que arrisco dizer que elas provavelmente usam de propósito, porque enquanto nós pensamos “não vou ler já porque preciso pensar na resposta e ela vai perceber que foi por isso que demorei”, elas ou estão ansiosas por saber o que disseste, ou pensam “deixa-o sofrer um bocado, os homens não gostam de mulheres fáceis”.

Portanto, de vez em quando, leiam, quebrem rapport ignorando e respondendo ao fim de uma pausa alongada. Lembrem-se que as pessoas que são mais rápidas a responder são as que estão a demonstrar que têm menos para fazer ou que estão a abdicar das suas tarefas para conversar com a outra pessoa. Não podes, a toda a hora estar agarrado ao telemóvel porque tens uma vida fora dele.

Francis: A Comunidade Portuguesa de Sedução [Entrevista]

 A comunidade de sedução portuguesa, desconhecida por muitos, mas transversal à sociedade portuguesa. Junta engenheiros, médicos, empregados de balcão, juristas, culturistas, entre outros, que com um objectivo comum de melhorar as suas competências sociais trocam ideias e combinam saídas para “sarjar”.  Na entrevista a Vlad Teach, o maior sedutor nacional indicou como elemento-chave na comunidade o PUA Francis Dias. A Távola Redonda traz-vos uma entrevista com um dos membros mais destacados, que entre festas de swing, boleias loucas em Miami e muitas outras aventuras,  eleva acima dos três dígitos o número de mulheres seduzidas.

************************************************************************************

Apresentação 

Olá Francis, queria começar com uma pequena apresentação, podias dizer-nos como te chamas? quantos anos tens? o que fazes na vida?

Os nossos camaradas na comunidade chamam-me por Francis. Apesar desse nome ser mais uma das minhas muitas alcunhas que fui tendo ao longo da vida. Tenho 35 anos e dedico-me com o meu pai à construção de casas desde os 19 anos.

Como era a tua vida amorosa antes do PUA?

Tinha namorada. Apesar de ao longo da minha vida nunca ter sido fiel às minhas namoradas.

A novidade atrai-me e saturo-me com facilidade da mesma mulher. A minha irmã conhecendo este meu vício por mulheres ofereceu-me o meu primeiro livro de técnicas de sedução: “O Manual de Engate”, do Tony Clink. Esse livro levou-me numa espiral de completa obsessão pelos vários métodos de sedução e eventualmente descobri a nossa comunidade.

Tens sido ao longo dos anos um dos “líderes” da comunidade de sedução portuguesa, podes contar-nos, resumidamente, a história da comunidade? Qual é a opinião que tens sobre ela no presente?

Quando entrei para a comunidade Portuguesa ela já tinha à volta de 12 anos de funcionamento.

Basicamente o pessoal trocava muitas ideias no fórum. Quando se encontravam durante o dia, travavam amizade uns com os outros e falavam sobre o que tinham aprendido e como eram antes de terem conhecido a comunidade.

À noite grande parte dos nossos camaradas voltava-se a encontrar no Bairro Alto. Trocavam ideias e bebiam uns copos. Quando o álcool começava a arder-lhes pelas veias a fora, os mais corajosos faziam-se às febras e iam aplicar o que tinham aprendido.
Um ou outro lá se safava de vez em quando. Muitos ficavam só pelo assistir.

Quando cheguei, os encontros à luz do dia só com o intuito de trocarem ideias, transformaram-se em autênticas batalhas campais com uma missão bem definida: “aplicarmos o que tínhamos aprendido”. Os nossos troféus eram números, facebook, abordagens, encontros e lá pingava qualquer coisa quando o rei fazia anos.

Com as convenções pua anuais lá conseguimos atrair alguns dos melhores gurus de sedução do mundo. Isto fez explodir meteoricamente o crescimento da comunidade e muitos começaram a praticar activamente o que aprendiam nos fóruns, ebooks e cursos de sedução.

Enquanto estive em Portugal lancei várias iniciativas práticas como o Dia Nacional das Abordagens todos os sábados, desafios iron man e encontrava-me duas a três vezes por semana com os nossos camaradas para treinar. Estas iniciativas foram como um ombro amigo para a maioria dos nossos camaradas que tinham ansiedade de aproximação e social. Graças a Deus que muitos deles vieram e travaram amizade uns com os outros. O que permitiu que se entrosassem mais rapidamente neste mundo tão sedutor.

Para além disso criei um grupo chamado os Super Guerreiros onde só entra pessoal que treina. O Objectivo número 1 era evitar estar sempre a bater na mesma tecla nos fóruns, porque a prática era importantíssima. A maior parte destes homens foram seleccionados baseados nesse factor para que possam ajudar outros camaradas que estejam presos às amarras da sociedade e tenham medo de abordar.

Neste momento a comunidade atravessa uma fase calma e serena. Já não há tantas pessoas a lançar iniciativas práticas nos grupos, só que as amizades de longa data já estão estabelecidas, o que permite que continue activa e essas pessoas se ajudem uns aos outros e aos novos que chegam.

Sedução

Tens alguma maneira de fazer abordagens especial? E em que locais?

Sou como um camaleão e gosto de me adaptar às pessoas e ocasião.

Qual é o teu maior segredo de sedução?

Insistir, persistir e nunca desistir porque algum dia o nosso sonho se concretizará.

Um dos principais argumentos dos detractores do PUA é de que este apenas funciona com estrangeiras. Achas que de facto o game é difícil com portuguesas? As estrangeiras são mais fáceis?

Nunca tive dificuldades com as Portuguesas porque faço culturismo desde os 16 anos e isso ajuda bastante a chamar à atenção. Claro que com as portuguesas as coisas levavam mais tempo a acontecer até ao sexo. Isso nunca me desmotivou, só me fez aperfeiçoar ainda mais a arte.

Muitos homens queixam-se de não serem bem sucedidos com mulheres porque não são nem bonitos, nem ricos. Que mensagem é que deixarias a estes homens?

Só uma pessoa que não vive neste mundo negaria que isso não conta, ou algum guru de sedução tentando vender os seus cursos.

O que acontece é que quando começamos a praticar as técnicas de sedução que aprendemos, os resultados podem custar mais a vir. Só que acabam por vir porque as técnicas são baseadas em como funciona o cérebro e as dinâmicas sociais.

Tens um papel muito activo na motivação dos membros para irem para o terreno abordar. Que mensagem motivacional deixarias aos leitores da Távola Redonda?

Quando os ventos da amargura soprarem contra ti e duvidares se vais alcançar o que tu sonhaste, convido-te a visualizares a pessoa que mais te inspira e ouve a voz dele dizendo-te: “TU ÉS CAPAZ”

A prática de Daygame na Baixa Lisboeta, da qual foste um dos grandes percursores, é vista por algumas pessoas como algo fora do comum. Qual é a sua opinião sobre o assunto? Quais são as mais valias deste estilo de jogo?

Acima de tudo, o mais importante é o homem estar solto das amarras da sociedade e ter as competências para poder atacar quando se sente atraído por uma mulher seja em daygame, night game ou social circle.

As Rotinas e os padrões de NLP (Neuro-linguistic programming) são uma imagem de marca do teu jogo. No entanto, tanto na comunidade como fora dela, estas técnicas são olhadas com uma certa desconfiança. Elas trazem de facto mais resultados? Podias-nos explicar como é que a NLP pode ajudar na sedução?

Essa desconfiança é plausível tanto mais que me recordo de um almoço em que estava a falar com um director de campanhas de marketing de uma grande empresa do nosso país e ele revelou-me que as pessoas dessa área tinham tirado cursos de NLP. E que não havendo ética eles podiam levar as pessoas a comprar coisas que não precisam ou querem. As políticas de devolução são para evitar essas técnicas manipulativas.

Em sedução para que a NLP seja realmente poderosa, primeiro temos que gerar atracção, só depois é que avançamos com as técnicas para criar rapport e uma sensação de incrível conexão. Caso contrário, a mulher fica desconfiada e levanta resistência contra qualquer tentativa de sedução.

És conhecido como um homem corajoso e sem medos de sair da zona de conforto. Podes partilhar connosco alguma história com piada que tenhas vivido no âmbito da sedução?

Em Miami, depois de já ter tido sexo com uma mulher, fui abordado por uma afro-americana que me pediu informações. Chamou-me depois quando cheguei perto da porta do carro dela. Ela, abriu-a, puxou-me pelo cinto e começou a fazer uma chamada para Tokyo. Pedi-lhe boleia até casa e pelo caminho sempre que parávamos num sinal vermelho ela lançava-se ao mastro como se fosse uma botija de oxigénio.

Pensava que cenas destas só aconteciam em filmes.

pua portugal

Perguntas Rápidas

Com quantas mulheres já dormiste na vida?

Não me recordo ao certo porque a partir dos 26 anos deixei de contar. Só que foram mais de uma centena.

Qual foi o número máximo de mulheres que tiveste num só dia?

Tinha um amigo no ginásio que me levou a várias festas de swing e logo na primeira noite em que conheci esse mundo, graças ao meu corpo, dei por mim cercado por 6 mulheres. Pareciam abelhas à volta de mel. Obviamente que tiveram a oportunidade de provar o mel e levar com o ferrão.

comunidade de seducao

Um guru de pua que tenha influenciado a tua vida?

Sempre gostei muito do Ross Jeffries porque é alguém que apesar de ser feio e velho demonstra como é possível usar a NLP para seduzir lindas mulheres.

Um livro?

“Influência”, A Psicologia da Persuasão, de Robert.B.Cialdini.

É o melhor livro do mundo para compreender como é que somos influenciados e podemos persuadir os outros.

Mulheres: jogo de números ou jogo de valor?

O melhor mesmo é desenvolver um estilo de vida e interesses que nos possibilite tornarmo-nos no tipo de homem pelo qual as mulheres se sintam atraídas.

Rotinas ou jogo natural?

Quanto mais puderes planear o que vais dizer e fazer mais aumentas as tuas possibilidades.

Prática ou Teoria?

Um engenheiro primeiro tem que aprender a teoria e só depois começa a construir casas. A teoria é o projecto que nos orienta, sem ela levamos mais anos até alcançarmos o que desejamos. O problema em sedução é que as pessoas utilizam isso como justificação até terem certeza absoluta que quando começarem vai tudo correr bem. Vai sempre existir rejeição. Ninguém emocionalmente saudável gosta dela. É isso que nos faz progredir e querer descobrir novas formas de dar a volta à situação.

A maioria já sabe disto só que continua a procrastinar e com boas razões (porque dói e custa ser rejeitado), como tal inscrevam-se em cursos de sedução fidedignos como os do Vlad que é um homem que para além de estar a tirar uma licenciatura em psicologia também já tem muita experiência com mulheres.

Se não têm dinheiro, podem ir ao Bairro Alto ter com os nossos outros camaradas que com certeza vos ajudarão.

Daygame ou Nightgame?

Não sou nenhum vampiro, como tal o meu desejo não escolhe horas, assim sendo o melhor é desenvolvermos as competências para poder avançar quando o desejo sexual nos impele.

Se tivesses de escolher algum conhecimento que adquiriste como o mais importante, Qual seria?

Como o Bruce Lee costumava dizer: “ Sê como a água e adapta-te às pessoas e circunstâncias”

************************************************************************************

Obrigado pela disponibilidade para esta entrevista, Francis Dias. Antes de nos despedirmos, como é que leitores da Távola Redonda podem acompanhar-te, ou mesmo entrar em contacto contigo?

Eles já ficam mais que bem servidos com as perguntas pertinentes e artigos que a Távola Redonda escreve. São perguntas que mexem em feridas sobre como possivelmente funcionam as coisas e que nos deixam a pensar sobre a matrix em que estamos inseridos.

Primeiro Encontro – 15 dicas para arrasar

Este guia é dirigido a homens. A versão feminina é: 1. Arranja-te; 2. Aparece (a horas); 3. Sorri.

1. Nada de muito elaborado. Um café ou um copo ao fim da tarde. Nada de jantares, cinemas, ou outras cenas do género.

2. Apresenta-te no teu melhor obviamente.

mau primeiro encontro
Não.

3. Não te ponhas a confirmar o date. A partir do momento que está combinado, está combinado até prova em contrário.

3a. Se estás preocupado que ela se possa cortar à última, manda-lhe uma mensagem algumas horas antes a dizer que vais estar um bocado apertado de tempo e poderás atrasar-te um pouco. Se ela não se cortar nesta altura, já não se vai cortar (a não ser que seja uma psicopata).

4. Leva-a a um sítio que já conheças, assim estás mais à vontade.

5. Escolhe um sítio onde te possas sentar numa mesa e ficar a 90º relativamente a ela. Assim estás mais próximo, podes tocar-lhe facilmente, e também assumir uma postura mais relaxada.

5a. Melhor ainda, vai a um sítio onde possam ficar lado a lado.

o bar ideal
Não, O Patriarca não vai dizer onde é este. Descubram.

6. Deixa-a sentar-se primeiro e depois escolhes onde te sentas, assim evitas que ela assuma uma postura defensiva e se ponha o mais longe possível de ti.

7. Toca-lhe. Nas mãos, nos antebraços, nos braços, brevemente. Comenta as unhas, anéis, algum pormenor da roupa, whatever, e aproveita isso para lhe tocar (e medir a receptividade dela ao dito toque). Escala, mas pouco.

8. Deixa-a falar. Pontua com algumas observações relevantes, alguns comentários e informações sobre ti, preenche um ou outro tempo morto mas idealmente ela falará aproximadamente 2/3 do tempo.

8a. Ao mesmo tempo não tenhas medo dos silêncios confrangedores, aproveita para criar tensão com o olhar

9. Por falar em olhar, olha-a nos olhos, ou para o infinito ocasionalmente. Não olhes para baixo – excepto para lhe mirares as mamas. Se ela se manifestar não peças desculpa, nem digas nada. Sorri e continua a conversa.

10. Qualifica-a.

11. Não discutas com ela. Não tens de (nem deves) concordar com tudo o que ela diz, mas também não tens de provar que tens razão.

12. Planeia um date de 60-90 min. Durante um momento alto, vai-te embora (já lhe terás dito antes que tens um compromisso a seguir).

12a. Podes beijar, mas O Patriarca prefere deixar a tensão no ar para o segundo date.

Primeiro Encontro
Esta é a linguagem corporal que queres dela. É também o momento para te pirares.

13. Tem efectivamente um compromisso a seguir. Assim obrigas-te a ficar pelos 60-90 minutos, és autêntico, e comunicas que tens vida e não andas há 2 semanas a pensar nisto.

14. Se gostaste dela, manda-lhe uma mensagem no dia a seguir a dizer que gostaste do date e há-de se repetir.

15. Alguns dias depois combina o segundo date.


O propósito deste guia é garantir que ela fica ansiosamente à espera de um segundo date, no qual vais tranquilamente escalar para o sexo sem grande resistência.

Se por preferência pessoal ou constrangimentos de tempo / logísticos / outros, queres avançar para sexo no primeiro date, o procedimento é naturalmente diferente.

A grande vantagem deste modelo é diminuir substancialmente a LMR. Se for uma tipa que está super acesa desde o início, mais vale escalar agressivamente e avançar logo para o sexo o quanto antes.

É um date barato, podes pagar-lhe ou não a conta conforme preferires, é irrelevante.

Valor sexual de mercado: Por que razão os looks e o dinheiro não são o mais importante?

Ao contrário do que acontece em outros espaços supostamente masculinos como o Men’s Health  ou o Reddit, onde feministas e paladinos da justiça social juntam esforços para obstruir a verdadeira narrativa da redpill, o fórum chupa-mos, onde Henry Chinasky tem passado uns tempos a navegar, poderá ser um dos últimos cantos da internet portuguesa digno do título “a fachoesfera portuguesa”.

O chupa-mos é um espaço onde nacionalistas, misóginos e racistas expressam as suas opiniões livremente, longe da censura que vigora nos media convencional e redes sociais.

O chupa-mos é um fórum bastante esclarecido relativamente à natureza hipergamica das mulheres – mulheres querem sempre homens de maior valor ( sendo as noções de valor mais comummente evocadas: dinheiro e atractividade física), e sabe que nice guys finish last – ser um beta que procura fazer todos os favores para agradar mulheres não traz nenhuma recompensa sexual. No entanto, parece ainda haver uma certa lacuna sobre a estratégia sexual a seguir pelos homens.

O que se nota por estes ares é que tomar a redpill tem um sabor amargo para a maioria dos homens. Ultrapassar esta fase é extremamente difícil, e aceitar o imperativo feminino sem se guardar rancores contra as mulheres é raro. O caminho é ainda mais doloroso quando a maioria dos homens é game denialist e abandona o seu destino no mercado sexual a factores fatalistas como a hereditariedade genética/financeira, ou a factores de muito longo prazo, como: o melhoramento físico através do ginásio, carreira/ negócios…

Henry Chinasky não nega o impacto do SMV( valor sexual de mercado) no processo geral da sedução. Alias, é um grande apologista de que o treino físico/musculação deveria ser obrigatório para todos os homens, assim como, que na missão de vida de cada homem, a perspectiva financeira deverá ter uma relevância muito superior à sexual/amorosa.

Contudo, no que toca a relações com o sexo oposto, uma aposto única nestas áreas pode muitas vezes não resolver e (mesmo) exacerbar os problemas. O não reconhecimento de que a maioria dos problemas advém da falta de comportamentos alfa; da desinformação que existe sobre as relações intersexuais; da inexistência de estratégias para vencer no mercado sexual (Game/PUA); e não de uma suposta falta de looks e dinheiro, cria um choque mental para muitos homens, que se deparam com os mesmos problemas repetidamente e não conseguem dar uma resposta adequada.

Mais tarde, analisaremos uma dessas questões colocada no fórum chupa-mos. Primeiro, comecemos por uma necessária recapitulação sobre o SMV.

*************************************************************************************

O que é o Valor sexual de mercado?

SMV
Evolução média do SMV para homens e mulheres ao longo do tempo

O SMV determina o nosso ponto na escala da hierarquia sexual. O SMV tem essencialmente duas componentes: a pessoal (determinada pela pessoa que somos) e a circunstancial (determinada pelo ambiente em que estamos).

A parte pessoal do nosso SMV resume-se a:

Poder/Recursos: inclui dinheiro, autoridade/poder real, extensão e domínio do círculo social, estatuto que a nossa profissão confere (proxeneta vs. cirurgião plástico), património, competição feminina pela nossa companhia, etc.

Aparência/Atracção Física: inclui nível de beleza natural, forma física, estilo/pinta com que nos vestimos/arranjamos, etc.

-Skills/Conhecimento: mastery de actividades: saber tocar um instrumento (ex:guitarra, piano), saber dançar (ex:salsa, kizomba); saber falar línguas (ex: francês, russo) ser praticante de um desporto (ex: surf, rugby), dominar uma arte de combate (ex: boxe, muay thai), inteligência, cultura geral, etc.

Personalidade/Atitude: inclui carácter, atitude no momento,  sentido de humor,  sociabilidade, estabilidade emocional, linguagem corporal, nível de game/sedução, etc.

A parte circunstancial, ou do ambiente em que nos encontramos:

Rácio homens/mulheres no local: por exemplo, numa festa em que há 100 homens e 10 mulheres qualquer uma delas vai receber toneladas de atenção masculina, além de que são um produto raro naquela festa. Mesmo que elas sejam feias ou banais o SMV delas todas sobe por serem um produto raro e o dos homens desce por estarem em abundância. Qualquer das mulheres vai ter um poder de escolha muito maior, por isso vai ser muitíssimo mais selectiva do que se a situação fosse inversa (10 homens para 100 mulheres).

Nível médio de qualidade das mulheres no local: se estamos numa festa só com modelos da victoria secret (vamos esquecer o rácio), o nosso SMV sobe e permite-nos aceder a mulheres de maior qualidade, pelo simples facto que o nível médio de qualidade das mulheres é muito alto (a pior de todas continuava a ser uma excelente conquista).

Nível médio de qualidade dos homens no local: se estamos numa festa com todos os melhores actores de hollywood e nós somos um homem médio de Lisboa, o nosso SMV desce brutalmente por comparação com eles. Da mesma maneira que se formos um advogado de sucesso, com pinta e em forma, numa festa, em que todos são uns geeks do World of Warcraft, o nosso SMV sobe por comparação com eles. Naquele momento as mulheres olham para nós e colocam-nos com uma melhor ou pior escolha por comparação com os outros homens disponíveis.

Tipo do ambiente do local: O CEO de uma empresa que no mundo empresarial é respeitado por todos e tem gajas à balda interessadas, mas na festa da kizomba de sexta à noite é preterido e ignorado em favor de qualquer azeiteiro musculado. Os estilos são simplesmente diferentes.

 

comer gajas
Podes ser um médico ou engenheiro de sucesso, mas esta gaja  fica é excitada com alfas acabadinhos de sair da prisão

 

************************************************************************************

O user Bimbaum abriu o seguinte tópico intitulado Gajas de 20 e poucos.

“Estou com 26 anos, tenho estudos (sou Engenheiro Mestre), fiz o curso que quis, trabalho na minha área numa das melhores empresas do país, recebo acima da média para alguém com a minha idade/experiência, sou giro, forte, inteligente, reverenciado pela sociedade, etc etc… Mas apesar de bem sucedido não me considero uma pessoa totalmente realizada por causa das gajas, parece que só têm merda na cabeça. Será que são todas assim? Não sei, digam-me vocês nézés?
Sou filho único, o último da linhagem, não posso ser o último ramo da minha árvore genealógica, esse seria definitivamente o maior falhanço da minha vida.
Nos últimos meses tenho procurado uma mulher bonita, sensata, responsável, honesta e inteligente por quem consiga nutrir sentimentos de cumplicidade e intimidade para iniciar um projecto de vida comum, estável e independente com condições para ter filhos, enfim, viver o sonho…

O Bimbaum é um dos muitos homens com um valor sexual de mercado que supostamente não deveria suscitar problemas  (engenheiro numa boa empresa, bem parecido, inteligente e socialmente bem inserido), mas mesmo assim não se sente realizado por causa da sua vida amorosa. Analisemos o porquê de muitos homens com vidas minimamente organizadas não terem os resultados que querem com mulheres:

1. Não tomam acção suficiente / não abordam raparigas

De longe o principal factor para a falta de sucesso com mulheres. Seja porque o círculo social é demasiado pequeno, seja porque nunca tiveram jeito para meter conversa com pessoas desconhecidas, a maioria dos homens deixa-se ficar na área de conforto. As mulheres não caem do céu, elas nem sequer sabem que vocês estão livres para uma possível relação,  a não ser que abram o jogo/abordem. Cabe sempre ao homem tomar a iniciativa.

Hoje em dia, dada a miríade de opções disponíveis para conhecer mulheres, basta meter um pouco de força de vontade para que tal seja um sucesso. Seja através de Daygame (meter conversa na rua, transportes, cafés, supermercados) , de online game ( tinder, badoo), de círculo social ( a escola/faculdade e o trabalho são apenas os círculos obrigatórios da vida de cada um, se queres conhecer mais gente, podes praticar actividades ex: dança, partidos políticos, aulas de teatro, toastmasters, desportos em grupo…) e por último, mas não menos importante, nightgame ( bares, discotecas).

2. Não têm um método para seduzir

Numa sociedade feminista que difunde o “just be yourself” como o conselho padrão de engate para os homens, e que busca assustar os homens que procuram conhecer mulheres com leis anti-piropo e gritando a plenos pulmões uma inexistente cultura de violação, apenas quem teve a sorte de ser um natural alfa e acumular um bom numero de lays na juventude é que tem a mínima noção do que fazer para seduzir.

Para os outros, é maioritariamente ao azar, normalmente em encontros fortuitos durante um período em que os círculos sociais do ensino são propícios a muitas interacções com raparigas, o que algumas vezes leva a sucessos com mulheres.

“O que vou dizer?” “É estranho ir falar com elas” –   pensamentos beta de um amigo do Chinasky quando foi deparado com a possibilidade de conhecer mulheres do sexo oposto

Para não chegarem a esta situação, estejam preparados para qualquer contexto e interacção, leiam, por exemplo, o mystery method, ou outro modelo qualquer de game. Aprendam os conceitos e a terminologia do game, sem porém terem de seguir tudo à risca. Regra geral: ter um modelo mental/racional do que estão a fazer é indispensável.  

3. Vivem nos filmes de contos de fada disney em vez da redpill

O clássico filme de adolescentes onde o rapaz beta, nerd e estranho ( mas com bom coração) acaba, sem saber bem como, com a rapariga bonita do prom que sempre desejou, é incontestavelmente ficção.

No mundo real, 99% das vezes, a rapariga vai escolher o alfa, convencido, outcome independent (possui uma mentalidade de abundância tal que não se deixa afectar por desfechos negativos), que com uma frame forte e dominante, ultrapassa todos os shit tests.

A redpill cultiva a excelência nos homens e maximizar o SMV vai claramente nesse sentido. Embora não ter um valor sexual de mercado muito elevado quase nunca seja uma razão justificava para o insucesso sexual de um homem, quanto mais alto for o nosso SMV melhores mulheres obtemos, além de que o investimento que fazemos em todo o processo é cada vez menor. De modo que, tanto o ponto 1 – conhecer mulheres/abordagem – vai ser mais fácil, como no 2,  erros no game ou comportamentos beta  vão ser mais facilmente perdoados.

Atenção: Para quem gostaria de aprender o que é a redpill, façam um favor a vocês mesmos e fiquem um par de dias a absorver os resumos anuais do Rationalmale, ouro puro.

Tenho-me deparado com vários tipos de gajas:

1 – Aquelas que trabalham em empresas de merda e ganham muito menos do que eu. Algumas ainda nem acabaram os estudos mas estão sempre a fazer viagens para o estrangeiro (em lazer) e a postar fotos no facebook. Como é possível? Chapa ganha, chapa gasta? Não pensam no futuro? Não sou pai delas para as sustentar, puta que as pariu… O máximo a que podem almejar é uma vida razoável porém parasitária. Não servem para mim.

2 – As putas assumidas ou mulheres modernas e emancipadas das relações abertas ou namoros de curta duração, ainda não lhes chegou uma década ou mais de javardice… Mas o plano delas vai sair mais furado do que aquelas conas, daqui a 5 aninhos já estarão acabadas e ninguém as vai levar a sério.

Elas podem ter trabalhos mal pagos, não ter estudos, gastar todo o dinheiro, etc… mas não deixam de estar bem na vida e em capacidade de encontrar o melhor dos parceiros, o SMV feminino ( ao contrário do masculino) é quase exclusivamente baseado na beleza física.

Analisando o gráfico do SMV, verificam que as mulheres entre os 16-29 estão nos anos dourados do mercado sexual. Têm muito mais valor do que os homens da mesma faixa etária. Muitas aproveitam para satisfazer a hipergamia ao máximo, viajam pelo mundo, postam todas as fotos possíveis no facebook/insta para ostentar os seus status de SMV. E claro, fodem com o maior número de alfas possível. Quando chegam aos 30,  nota-se a tendência a mudar, a busca pelo beta provider ganha primazia ( a chamada vida parasitária que o Binbaum bem sublinhou).

3 – As mães solteiras, algumas desesperadas, outras sem noção. Em princípio não conseguirão parasitar ninguém em particular, apenas o estado que somos todos nós. São as mães guerreiras, coragem etc.

Por outras palavras, engravidaram de um alfa que não quis saber delas. Agora estão em busca de um provider que sustente o filho bastardo.

4 – Aquelas gajas que em 3 anos tiveram 6 cornos mas passam a vida a publicar artigos do jafoste no facebook e a pregar aos sete ventos que os homens são todos uma merda e não as valorizam. Passado um mês já estão com outro igual aos últimos 6, um merdas feio, desempregado e azeiteiro a viver do RSI.

Clássico Beta bait. Elas adoram tudo nos alfas que lhes meteram os cornos, o único problema foi que não os conseguiram manter. Respondam a esses pedidos de atenção beta com consideração por elas e ficarão para sempre catalogados como os gajos que não lhes despertam desejo sexual. Como é óbvio, um tempo depois estão de volta a um novo alfa (ou ao que lhes meteu os cornos n vezes)  não reactivo que não se deixa influenciar pelos caprichos da menina.

Estarei condenado a ter um filho por inseminação artificial como o cronaldo? Será que me vão obrigar a tratá-las como objetos descartáveis, como o pedaço de lixo que até agora têm demonstrado ser? Uma pastilha elástica que depois de mastigada se deita fora? Uma folha de papel higiénico a que se limpa o cu e se manda pela sanita abaixo? Será que este tipo de mulheres serve algum propósito para além de serem receptáculos de esperma? Será que hoje em dia há outro tipo de mulheres?- Bimbaum

Todas as mulheres devem ser tratadas como objectos descartáveis, essa é a mentalidade alfa. Quanto mais cedo perceberem que não existem gajas especiais/unicórnios mais rapidamente vão ser bem sucedido na vida amorosa.

Isto não significa que nunca possam ter relações de longo prazo bem sucedidas, mas que o idealismo blue pill da “nice girl” é um mito. No ambiente certo, com o alfa certo, a mais pura das raparigas vira uma slut completa.

alfa come qualquer gaja

“Good girls are just bad girls who never got caught.”