Sobre objectificação, escrito por um homem

Siga-nos no Facebook!


Acabei de ler um artigo que me deixou revoltado. Fala sobre a evolução das normas da sociedade e das medidas que se tiveram de tomar em conformidade com essas mesmas na F1, retirando de cena as mulheres que entregavam a taça ao vencedor.

O que os homens às vezes parecem esquecer é que não é fácil ser mulher. Não é fácil estar num bar e no caminho entre a casa de banho e os amigos ser abordada dez vezes por uma diversidade de homens que vai desde a besta até ao principe encantado dos contos de fadas. Não é fácil ser chamada de puta por terminar cada fim de semana com um homem diferente. E definitivamente não é fácil não serem vistas com respeito e capazes de liderar uma equipa.

O que as mulheres ignoram é que também não é fácil para os homens terem de andar meses atrás de mulheres até conseguirem provar-lhes que merecem um relacionamento com elas porque antes dela acabavam todos os fins de semana com uma mulher diferente. E quantas mulheres já se roçaram em mim e nos meus amigos, já trocaram olhares comigo, escreveram o numero de telemóvel em baton num papelinho?

E em relação aos cargos de chefia, também nem todos os homens lá chegam. São poucos os que assumem esse cargo, porque só os que têm capacidade de liderança podem ocupar um cargo de liderança. Algumas mulheres chegam lá, mas têm de ter uma luta muito maior, porque é dificil compatibilizar uma imagem social e também biológica do que é a mulher com uma imagem forte e de liderança característica de um líder. Em regra, os homens mostram mais estas características que as mulheres. Mas nem todos as mostram e por isso não é qualquer um que assume tais cargos.

Esta é uma das razões pelas quais me enervo com estas ideias morais que vão surgindo no dia-a-dia que representam lutas pequenas, insignificantes e pura e simplesmente estúpidas. Lutar contra a objectificação das mulheres. As lutas sob esta desculpa têm uma tendência a serem mesquinhas e egoístas, claramente vindo de um ponto de raiva interno da pessoa que faz o protesto. Se analisarmos os anos de história, uma das grandes motivações para sequer termos um sonho é a validação, ainda mais a validação do sexo oposto. É normal que um corredor de fórmula 1 sonhe desde miúdo atingir o primeiro lugar do pódio e ver chegar duas belas mulheres para lhe entregarem a taça, uma coroa de flores e uma garrafa de champagne para despejar sobre todos aqueles que comemoram consigo a vitória, por todos os estímulos que são oferecidos naquele momento. Porque é que haveremos de lhe tirar um dos estímulos? Não é uma tradição que magoe ninguém, porque ao contrário do que muitas vezes acontece na prostituição, estes trabalhos que se baseiam em dar a cara – não dar o corpo, que essa é uma expressão utilizada mais na outra área laboral referida nesta frase – não obrigam as mulheres a participarem: é contratada uma empresa que lança a proposta às suas funcionárias que trabalham a prestações de serviços – ou assim deveria ser, aposto que muitas pagam por baixo da mesa – e as eleitas são escolhidas daquelas que mostraram interesse. Portanto estas sabem sempre ao que vão antes de sequer concorrerem. Inclusive as empresas mostram uniformes que normalmente são selecionados para esse determinado tipo de evento. Portanto, se elas estão a objectificar-se a si mesmas, é inteiramente um problema delas. Se as feministas se quiserem revoltar contra a objectificação das mulheres, então aí levanta-se uma questão muito maior: onde é que elas estão quando passa na televisão o anúncio do perfume Invictus e o do gajo a barrar manteiga flora no pão? Em ambos os dois estão em tronco nú e não vejo ninguém revoltar-se contra isso.

Porque a objectificação não é das mulheres: é da espécie humana. Nós estamos cada vez mais confortáveis com o sexo e a prova disso é que já o usamos para vender, já o usamos e abusamos dele na arte, já o usamos para fechar negócios. São factos: a música tanto cantada por homens como por mulheres está cada vez mais carregada de teor sexual, existem dezenas de fotógrafos a fotografar mulheres despidas e existem instagrams cheios de fotos de homens de cabelo comprido, ou de barba, ou dilfs (daddy i would like to fuck), a versão masculina das milfs. E centenas de negócios são fechados em casas de strip e outra centena são fechados quando a mulher decide lançar charme para o homem para que ele sonhe que tem hipóteses com ela caso o negócio se feche.

Como é que estamos a julgar a objectificação das mulheres se muitas delas tomam medidas conscientes nesse sentido e se a separamos da objectificação dos homens? Não. De onde é que vêm estes double standards? Não podemos ser preto ou branco, a maior parte da vida é vivida no cinzento.

Estes são os padrões da sociedade com que vivemos hoje: o que vende são os bebés, os gatinhos e o sexo. Quer gostes ou não, se vives em sociedade tens de te adaptar a ela, não podes alterar só as pedras que tu achas que te estão a atrapalhar a ti.

A igualdade é quando dá jeito, vol. 2

Siga-nos no Facebook!


Vai decorrer na próxima segunda-feira, 12 de Fevereiro, um evento sexista que não devia ter lugar em [Ano Actual]™. Não, não é uma reunião de violadores. É só mais um evento com Desconto Patareca: Resonate Lisbon.

Resonate
O famoso pussy pass

73% de desconto vagina, porque igualdade. Naturalmente, O Patriarca contactou os CIGanos.

Exmos. Senhores

Apesar da infrutividade da minha denúncia a esta comissão sobre o passado WebSummit, venho por este meio novamente contactar-vos para denunciar um abuso semelhante.

Conforme vem relatado nesta notícia:

https://www.dezeen.com/2018/02/06/women-offered-70-per-cent-discount-tickets-resonate-architecture-conference-event-lisbon-maat-museum-portugal/

e se pode constatar no site do evento:

https://www.resite.org/events/resonate-lisbon

Na próxima semana, mais concretamente no dia 12-02-2018, terá lugar em lisboa, no MAAT, um evento internacional destinado a arquitectos e designers, que ostensiva e intencionalmente leva a cabo uma discriminação de género a coberto de intenções de “igualdade”, oferecendo um desconto na entrada de 160€ (73% do valor) a mulheres.

Gostaria de saber qual a vossa posição relativamente a este assunto, e se as medidas a tomar serão semelhantes ao último contacto, nomeadamente o envio de um email inócuo e sem qualquer seguimento, permitindo a manutenção impune destas práticas.

Acompanhamos como sempre a situação em

atavolaredonda.com

Cumprimentos

Tal como da última vez, O Patriarca não tem qualquer expectativa de que estas queixas dêem frutos. Nem o pretende queixar-se, ou recrutar leitores para activismos masculinos. Isso são coisas de mulheres.

O objectivo destes posts é e será sempre o objectivo geral deste blog – melhorar a vida do leitor. Neste caso, abrindo-lhe os olhos, para que quando em algum momento da sua vidas se sintam tentados a dar uma abébia a uma mulher, em prejuízo próprio… Pensem duas vezes. É uma reacção com raízes no nosso natural instinto protector, amplificada pelo complexo de culpa que permantentemente se tenta inculcar nos homens. E no contexto actual, completamente desajustada. As mulheres que se façam à vida. Não é que lhes falte ajuda.

A moda não está na moda

Uma mulher que critica padrões de beleza alheios é inevitavelmente invejosa, aldrabona e hipócrita. Se quiser que eu a leve a sério terá de me garantir que nunca usufruiu da sua beleza para fins pessoais, nunca se aproveitou do interesse alheio em benefício próprio, nunca aceitou uma bebida de um estranho, nunca ascendeu socialmente à conta da sensualidade e que não julga o candidato alheio através da estética; Em suma, terá de me garantir que é um gajo

Namorei na minha juventude com algumas modelos (fotográficas, as mulheres altas não me atraem) que reportaram horrores sobre as parcas condições desse “trabalho”: pagamentos em atraso, carências documentais, sessões que começavam às cinco da manhã e acabavam depois do sol se pôr. Falta global de profissionalismo. Duma outra namorada, ouvi as crónicas dum ex seu, também modelo, e de um mundo tenebroso que envolve crianças com 10 anos – rapazes e raparigas – e “produtores de moda”, “managers”, operacionais da ciência fotográfica e escumalha afins, mais pedófilos do que uma comissão parlamentar do PS; droga, chantagem muito sexo. O mundo da moda parece-se com a Casa Pia? Talvez. Mas a mais representativa é a história de John Casablancas, pai do vocalista dos The Strokes e sujeito que competia em creepyness com Eduardo Ferro Rodrigues.

Paris, 1972. Um descendente de latinos deslocado – casado com uma ex-modelo post-wall – e o seu sócio Alain Kitter, ambos presumivelmente falidos, cruzam-se nos campos Elísios com uma rapariga especialmente bonita em quem reparam simultaneamente. Ela tem apenas catorze anos. À altura, as colecções das grandes marcas eram apresentadas por mulheres do Leste além-muro e a sua remuneração era protelada ao esquecimento, utilizando a ilegalidade da sua presença na cidade das Luzes como trela silenciadora. Mais, o foco incidia sobre a indumentária, ignorando liminarmente as manequins. Realidades que a epopeia dos dois finórios viria a alterar

A beleza intocada da infanta catorzinha inspirou à questão: Porquê, despiciendo a fisionomia dos seus melhores anos, esperar pela entrada duma jovem na vida profissional? Por nada. Por isso, já nos trintas e quais predadores, Kitter e Casablanca começaram a cruzar as ruas Lutecianas em busca de crianças, convidando-as a ingressar na novíssima “Elite Model” fundada pelo par. Ademais representar os direitos legais das miúdas, cujo labor intermediavam junto dos designers, a Elite acompanhava o seu crescimento, movendo o foco da indústria entre as vestes e as figurinas, pois enquanto os catálogos cambiavam de ano para ano e as marcas se sucediam entre contractos e tropelias, as raparigas ficavam.

Criaram assim o conceito de supermodelo e o resto é história: a Elite expandiu pelo mundo, os seus mentores enriqueceram e Julian Casablanca – perturbado por um Pai que aos 41 anos namorava uma rapariga de 15 – espantou os seus fantasmas de crescimento exibindo repetidamente o pénis em público, nos concertos que deu pelo mundo à cabeça de um quinteto prodigioso.

Related image
Sou Fã

Sara Sampaio foi minha contemporânea na faculdade de ciências enquanto pretendente ao diploma mais fácil que a escola facultava. Não o obteve. Outras milhares de raparigas mais dotadas, mais esforçadas, perante formações mais complexas, cumpriram-nas com distinção e mérito, distinção e mérito que não são remunerados. Falo de raparigas quem, com um microfone à frente, conseguiriam elaborar uma declaração mais erudita do que “Já perdi a conta das vezes que me mandaram ir comer um hambúrguer, me chamaram anorética, esqueleto, etc”. Além do manuseamento do microfone, a remuneração da jovem inclui um segmento em numerário e as valias adjacentes à sua situação videira – aqui está um ser humano que nunca foi experimentou uma rejeição nem nunca teve de pagar um jantar. Fama, dinheiro, aceitação. A troco do quê?

Como estes fenómenos geram celeuma, ou – em retardadês – buzz, uma Feminista badocha – fotografada com asinhas nas costas para o instagram e com um hashtag – autointitulou-se integrante do concurso. Algo que equipara a sua sanidade mental à de um sem-abrigo que vive no meu bairro e que está convencido que é o D. Afonso Henriques – se se fizer fotografar em Guimarães assinando um papel amachucado com as palavras “TRATADO DE ZAMORA” nele inscritas, o amalucado há-de ter buzz. É claro que podemos dizer à feminista badocha para ter cuidado com a alimentação e fazer exercício físico recordando-a que, tal como os homossexuais, só continuará a ser gorda enquanto o quiser ser; é claro que nestes dias de indignação, é mais fácil mimetizar o espectáculo em versão obesa do que questioná-lo. Substituam “obesa” por “preta”, “fufa” ou “traveca” e fujam a sete pés de espectáculos de merda moda.

Já sabemos que as passerelles são reservadas a mulheres cuja dieta alimentar compete quantitativamente com a da Somália – talvez assim se explique porque existem tantas modelos Venezuelanas. Mas um espectáculo análogo com mulheres cuja alimentação compete quantitativamente com a de um mastodonte Brasileiro – explicando porque não existe nenhuma destas em África – só implica cessar a relação das modelos com nutricionistas ou personal trainers e integrá-las ao invés na Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular, junto da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, da Associação Protectora de Diabéticos de Portugal, da Sociedade Protectora dos Animais e, claro, achar um bom fornecedor de rações.

Ai és tão linda/pareces uma sereia/metade mulher/metade baleia

Em suma, como não se resolve o problema da falta de liberdade cambiando uma ditadura fascista por outra de sentido inverso, não se resolve o ónus sociocultural da veneração da beleza física, venerando a morbidez grotesca. Equiparar a mulher a uma boneca erótica é tão imbecil (mesmo que mais saudável) comos equipará-la a um boneco da Michellin. Por essa razão a resolução adequada é ignorar o buzz: não acompanhar estilistas, não seguir modelos, não ler pasquins online que os mencionem. A única forma de bater a economia de atenção é saltar fora.

Sempre que desdenho a importância da beleza feminina sou criticado pelos meus pares, nomeadamente PUA’s, que evidenciam que só as feministas badochas nos querem obrigar a olhá-las como se já tivessem perdido calorias suficientes para abastecer a EDP por um ano. Mas deixem-me regressar ao exemplo da tentativa de bióloga falhada para explicar a minha tese: Porque razão remuneramos Sara Sampaio com mais do que os benefícios que colhe da sua beleza natural? Depois da segunda vaga de feministas ter exigido equidade e justiça laboral, as mulheres que exigiram ser remuneradas pela sua produtividade em vez de pela sua fertilidade, vêem-se remuneradas pela segunda pelos moldes da primeira, equiparando a detenção de beleza a uma profissão assalariada. Claro que houve mulheres quem abdicaram em absoluto da fertilidade para serem apenas produtivas, mas enquanto a larga maioria preferia não ter de fazer nenhum para poder viver, as mulheres que já detém o monopólio da reprodução, competem com vantagem o homem no mercado laboral. E a vantagem é precisamente a beleza – ao ponto de fazerem, como Sara Sampaio, desta a sua única forma de sustento.

Image result for males sewers feminism

Alguns amigos também acusam a depreciação da beleza como uma forma de Socialismo que coage todos a fingirem que as mulheres são igualmente atraentes, apesar do executivo Socialista na CML utilizar anualmente uma parte choruda do erário camarário para co-financiar a Moda Lisboa, uma ocorrência que não só discrimina activamente as mulheres mediante a sua beleza, como – à semelhança do festival os rotos – Exclui uma parte significativa da população de o poderem frequentar. Mas ao mesmo tempo essa ideia – a de igualizar as mulheres sem dar crédito social ou financeiro às mais elegantes ou bonitas – nasceu pelo contrário numa parte do globo nada amiga das mulheres.

Porque era precisamente essa a ideia do profeta quando escreveu na Surah  “Dizei às tuas filhas e às mulheres dos crentes que fechai as suas indumentárias tapando-as pois é melhor ser reconhecido mas não incomodado. E [por isso] Deus será sempre perdoador, gentil”. Maomé conhecia a natureza da mulher que discrimina activamente a próxima conforme for ou não bela, percebendo que a única forma de a resguardar é ocultando-a. Porque a beleza deve ser resguardada aos seus maridos, as mulheres muçulmanas estão também interditadas de ocupar uma função laboral e os frutos que colhem da sua fertilidade (um bom marido, abonado e cortesão) compensam a ausência de produtividade . De facto o sistema é injusto – porque, ao contrário dos homens, estão inibidas de se sustentarem –  mas a diferenciação faz-se por completo: as mulheres têm o monopólio da fertilidade mas em contrapartida os homens têm o monopólio da produtividade.

Se as mulheres querem ser medidas como homens, todos os traços não-produtivos distintivos devem ser ignorados e uma mulher deve ser interditada de fintar o mercado laboral para ser remunerada sem produtividade. Se as mulheres querem ser medidas como mulheres, devemos expulsá-las do mercado de trabalho.

Heróis do Nosso Tempo

A produção cultural é reagente e produto da conjuntura, em equilíbrio simbiótico com o meio circundante. Uma disrupção neste equilíbrio é sempre artificial, induzida, manietada por agentes terceiros; tem um objectivo, tem um propósito e uma agenda, tão tenebrosa que é nosso dever patriótico gerar-lhe uma resistência.

Foi na fila de espera de um bar alternativo que primeiramente o vi. Cabeleira loira, farta, saltos altos, decote. Mas a forma angular do queixo e a voz de falsete denunciava instantaneamente de quem se tratava, o tipo que nos passou à frente e entrou no espaço sem pagar. Um homem sem piça. Quando o voltei a ver ao balcão do bar, à pergunta “Boa noite. Têm algo que se coma?” respondeu-me com celeridade e no cumprimento das suas funções laborais: “Queres comer? Podes comer aqui o Dioguinho” e deu espaço a um rapaz que me atendeu – “Não, não temos tostas” – com um sorriso demasiado simpático para que eu próprio me sentisse confortável.

5650747107_d25a5cfcc5
Não

Este não era um espaço LGBT. Tampouco a tasca onde jantara e conhecera a prima da funcionária, vítima de uma cirurgia para escambar o sexo. A jovem – demasiado jovem – disse depois da 8ª cerveja tragada em velocidade recorde: “Os meus Pais sabem que eu sou alcoólica”. Depois de servir três águas aos meus amigos, Diogo retirara-se do balcão para consumir cocaína.

As redes sociais – ópio do povo – trouxeram-me a nova produção nacional, integralmente remunerada com o erário público. O governo da geringonça – quem mais – patrocina a promoção pública de degredo, toxicodependência, improficuidade, promiscuidade, homossexualidade, feminismo. Entre os cinco protagonistas há dois travecas, duas fufas e uma puta. Talvez me tenha confundido e estas designações sejam simultâneas, a fufa seja também traveca, o traveca seja também fufa e o elenco do show seja todo puta. O que não há em cinco personagens aleatórios, estatisticamente representativos da camada populacional a retratar? Um único heterossexual.

Image result for "#casadocais"

Talvez o descritivo da série explique melhor. Diz “Ema vem para Lisboa e partilha casa com 4 amigos excêntricos. O seu dia-a-dia, e as noites, são marcadas por histórias divertidas, sem tabus, sobre ser jovem no novo milénio (o sexo, as drogas, a procura de emprego, a autodescoberta e o amadurecimento); Esta série é para quem acorda às 3 da tarde numa quarta-feira e designa o pacote de batatas fritas aberto, na mesa de cabeceira, como pequeno almoço. Para quem já comeu metade de Lisboa e quer expandir a sua “mercadoria” internacionalmente. Para quem está às 7h15 na cave do Lux, a gastar os sapatos, ao lado do João Botelho, enquanto se pergunta a que horas o supermercado abre, porque entra às 8h30 e precisa de comprar 2 latas de red bull. Para quem diz que hoje se vai deitar cedo para ir ao ginásio de manhã e está a ver a quarta temporada de Game of Thrones às 4 da manhã. Enfim, é uma série para quem é jovem, parvo e feliz na sua incoerência.

Os criadores de #CasaDoCais – assim mesmo, com hashtag – não são só um bando de paneleirões. São mentirosos. As múltiplas descrições da série repetem à exaustão o chavão “sem tabus” mas não exibe um único homem, não protagoniza um único Heterossexual, não exibe um único sénior ou, pior, alguém cuja idade extravase os vinte e cinco. Demonstra repúdio por vidas organizadas, famílias estruturadas e, nas palavras de um dos actores “pequeno-almoços gigantescos (…) a Matilde e o Tomé como personagens principais”. Despreza o pudor, desconsidera o resguardo e discrimina a isenção de estupefacientes. A televisão pública transformou-se no colega de liceu que nos chama “caretas” quando nos recusamos a fumar uma chinesa de heroína.

RTP.png

Mentira ainda é a desta Fressureira quando declara “Não é a sexualidade que te define”. Se não quisesses ser definida pela tua sexualidade, não te “assumas” como sapatona. Não aparecias no jornal dos rotos. Não tinhas seguidores. Não tinhas público. Não tinhas série remunerada com os meus impostos.

Gay

Esta semana, o Arquitecto José António Saraiva foi novamente atacado pelos CIGanos e terá, uma vez mais, de ir a tribunal por essa razão. O assunto foi o mesmo e o mesmo que tratamos aqui. Mas tal como há uns meses, a perspectiva do jornalista não é de ataque mas de defesa: ele vê os homens a quem cortaram a piça como mártires duma cruzada diabólica e dispôs-se, pessoalmente, a defender os seus direitos – a história pessoal de David Reimer inspira a tal defesa. Tal como nos momentos das suas atuações anteriores, o colectivo CIGano não integra homens sem piça, ofendidos pelas palavras de Saraiva; É sim composto por mulheres heterossexuais que ambicionam ver os homens indesejáveis na secção de corte dum fumeiro em Lamego. Atacam Saraiva, como antes atacaram César das Neves, porque ele se dirige aos transgénicos com a verdade, não por ódio ou preconceito, mas por Amor. Por essa razão, estou solidário com o Arquitecto em cujas palavras me revejo na totalidade.

Vale a pena denotar que estes “jovens” já não o são: têm, no enredo, vintes e, com idades para terem licenciaturas e mestrados terminados, prestes a enveredar no mercado de trabalho ou numa carreira académica. As tropelias em que se envolvem são próprias dos adolescentes, uma versão toxicorrabolha de Morangos com Açúcar. Mas fora da adolescência, sem liceu ou uma ocupação fixa, deambulam pelo degradado Cais do Sodré – ancestralmente um local de prostituição e má rês – devotados à auto-degradação, ao vicio. Os personagens não se distinguirão dos farsantes, todos os cinco degradados, viciados. Com perfis aberrantes e nomes artísticos, apresentam-se perante a web como “youtubers”, “instagramers”, “artistas”, “freelancers”. Cortam a piça porque já não lhes chega serem homossexuais para se vitimizarem ou glamorizarem o seu capital sexual como o faziam os panilas nos anos 80 antes de a SIDA dizimar uma geração de homens “sexualmente liberados”. Enquanto que José Saraiva e eu próprio vemos neles as vítimas duma guerra perdida, perante a sociedade decadente e sobressexualizada, os protagonistas de #CasaDoCais são os heróis do nosso tempo.

image
Heróis do Nosso Tempo

Abri a página de Facebook esperando ver centenas de milhar de likes, publicidade e fanáticos pela expressão cultural que a Rádio Televisão Portuguesa nos oferece. Pelo contrário, a totalidade dos seguidores não chega a um milhar e a maioria dos comentários são francamente depreciativos. Perante a geração Z prevista como a mais conservadora de sempre, tenho expectativas de que o nosso querido blog alcance um público mais abrangente do que o da série televisiva.


Nota post-scriptum: Dos cinco protagonistas há pelo menos uma puta rapariga que não é gay. Valerá a pena acompanhar a série para caracterizar os múltiplos parceiros com quem se envolverá ao longo das temporadas, os actores escolhidos e os sues perfis. Aí saberemos qual o tipo de homens o colectivo feminista aprova e qual o tipo de homens que os filhas da puta suprimem.

Globos de Ouro – O macho português ainda está vivo

Em mais uma noite de caça ao homem, a choraminguice deu resultado e as quengas levaram os prémios.

No entanto O Patriarca constatou com satisfação a testosterona presente nos comentários.

USA no bom caminho.
O próximo passo será a eleição de uma ‘presidenta’ negra.
Do lado de cá do atlântico consuma-se o Brexit e passo seguinte será um edição contemporânea do ‘bloqueio continental’.
Porque, quanta à Europa, qualquer prognóstico só pode ser negro ou sombrio!
E segue-se o quê? 
Aceitam-se apostas …
E a China a esfregar as mãos de contente!
Alexandre Novais
De facto, um título parcialmente adequado. Foi uma noite verdadeiramente negra e que deveria envergonhar qualquer ser humano decente, seja quem for.
A discriminação abusiva, preconceito e racismo puro, contra os homens (brancos, heterossexuais, cristãos, não de esquerda) já se tornou perfeitamente assumida, descarada mesmo, precisamente por quem sempre clamou – e justamente – contra mau trato similar.
Para completar, o mundo que deveria ser civilizado faz eco e amplifica, como é exemplo a Rita Cipriano e o (em nome do) Observador.
Nojento e vergonhoso.
Elas e eles que metam os prémios onde estes melhor caibam e onde aqueles e aquelas mais gostem.
André Silva
Pegas em novas, senhoras em velhas. Toda a vida fizeram carreira na horizontal, num dos meios mais promíscuos e permissivos de que há memória e agora apressam-se a apresentar-se como virgens virtuosas. Que vergonha. 
Jay Pi
Abriu, então, a caça ao macho branco. Nas antigas colónias africanas, quando os europeus foram corridos, não eram tão selectivos, chacinavam tudo o que fosse branco: de galinhas, a porcos, passando por cães, gatos, vacas ou seres humanos, tudo o que fosse branco era para levar catanada, independentemente do sexo. Os talibans do politicamente correcto são mais selectivos: o problema deles é mesmo só com machos brancos.
Diogo Mendes
Pegas de preto
Victor Guerra
Rameiras das mais reles…
Jay Pi
sao premios politicos e comerciais, valem zero 
e agora discriminam abertamente os homens brancos por associacao 
John Silk
Que surpresa… politizar estas coisas depois só tira valor às vitórias das mulheres. Fico na seria dúvida se isto foi mesmo merecido ou simplesmente uma resposta aos “boicotes” e protestos.
João Sousa
Fica na dúvida… já não é mau, ainda fica um pouco para desfrutar um pouco da coisa.
A realidade nua e crua é que os últimos óscares foram o que foram em resultado da campanha pro-racista que se fez antes e os globos ontem foi o que se viu.
Imagino que estes prémios sempre tiveram uma grande componente comercial e como tal alguma fragilidade no seu valor e significado mas actualmente valem mesmo zero.
Nem sequer bons e divertidos monólogos de abertura. Agora é só ressentimento e ódio.
Helder Antunes
Estes são literalmente a totalidade dos comentários à hora da publicação deste post. A masculinidade portuguesa está bem e recomenda-se.

 


Siga-nos no Facebook!

Guida Maria: celebrar a beleza e juventude

Siga-nos no Facebook!


Faleceu a actriz Guida Maria (1950-2018). O Patriarca lembra-se desde jovem de ouvir falar da sua renomeada beleza, mas as imagens que tem na cabeça são de uma passa ressequida pelo sol.

Galerias por ocasião deste obituário também não ajudam muito. Esta ainda apresenta um par de fotos peri-parede aos 39 anos. Esta acrescenta fotos de criança e um bónus de mini-tetas descaídas aos 36.

Personalidades
Não propriamente material de lenda. Apenas puta.

Como apreciador de beleza feminina, O Patriarca achou adequado providenciar algumas imagens que, não se entende bem porquê, não fazem parte dos portfólios habituais, preteridas por visões de uma anciã enrugada a debitar textos marxistas sobre pachachas.

viva guida maria
Quem não partia este docinho?
guida maria serrana
É só barrar para escorregar melhor
guida maria beata
Atirem-me água benta
guida maria 1970
1970, já montada no carrocel das piças