#SomosTodosVioladores

Já me disseram que não? Sim. Já me disseram que sim? Não. A sério. Sessenta e sete parceiras mais tarde, nem uma me disse que sim sem que eu pressionasse, empurrasse, insistisse, seduzisse, excitasse ou abusasse primeiro. Isso faz de mim um violador? Para este gajo sim. E não é só síndrome de Estocolmo; Este gajo prefere evitar o castigo a castigar o estigma.

Mas não foi a libido, nem a virilidade nem o orgulho que me levaram a persuadir coercivamente seis dezenas e tal de mulheres a permitirem-me penetrá-las. Foi conhecer as regras do jogo. Posso contar aqui porque razão persisto ad eternum até a levar para a cama. Porque depois do não

  • Uma mulher beijou-me inesperadamente
  • Uma mulher tirou-me a roupa
  • Uma mulher levou-me para sua casa para que tivéssemos sexo
  • Uma mulher pegou na minha mão e colocou-a entre as suas pernas
  • Uma mulher acrescentou “aqui não”
  • Uma mulher pediu desculpa e depois consentiu
  • Uma mulher consentiu e depois pediu desculpa
  • Uma mulher pediu-me desculpa por dizer que não e confessou ser um “teste”
  • Uma mulher disse que era virgem e em minutos deixaria de ser
  • Uma mulher justificou-se com “ter namorado” e horas depois, após o sexo, explicar “não estamos bem”
  • Uma mulher ajoelhou-se para me chupar
  • Uma mulher completou “não… pares”

Termino com uma frase que ouvi a um amigo há mais de quinze anos

“No vocábulo das mulheres, Não é sim
E sim é anal”

Image result for girl saying no saynig yes

Disclaimer: A Távola Redonda repudia veementemente o abuso sexual consubstanciado sob a forma de violação. O autor conheceu a supracitada realidade durante a juventude e solidariza-se com todos os homens e mulheres vitimados pelo estupro. 

Um comentário em “#SomosTodosVioladores”

Deixar uma resposta