7 comentários em “O feminismo é a constrição da sexualidade masculina simultânea à expansão da sexualidade feminina”

  1. Mostrar moças em trajes normais a assistir normalmente a um jogo de futebol é proibido, mas emitir reportagens e entrevistas a travecos nos telejornais em pleno horário nobre para a criançada ver já é na boa. Depois dizem que não ha agenda…

  2. Há uns tempos ouvi o Jordan Peterson dizer que existia uma correspondência estatística entre acreditar em teorias da conspiração e ter baixo QI. Até é capaz de ser verdade, pensei. Os maiores teóricos da conspiração que já conheci eram umas abéculas autênticas

    https://www.independent.co.uk/news/science/scientists-find-a-link-between-low-intelligence-and-acceptance-of-pseudo-profound-bulls-a6757731.html

    Depois vi isto. Agora acredito. Man, devo ter um QI baixo

  3. E mesmo que a agenda não exista, surte efeitos.
    Ontem uns amigos (ligeiramente mais novos) contaram-me que um traveco queria integrar a associação cultural que eles dirigem. O tipo até já tem operação marcada para ir cortar a piça.
    Em toda a minha vida e até há um par de anos atrás conheci um transgénico. Mesmo frequentando meios alternativos – de bares gay a comícios do Bloco, eles não existiam. Eram estatísticamente irrelevantes. Agora vejo-os a potes e pergunto-me, se eles não tivessem em todo o lado, se existiam tantas pessoas (presentemente) desejando ingressar nesse caminho. Ou seja, mesmo que não exista uma agenda, a sua omnipresença na comunicação social, nas redes e até na política, conduziu a um aumento avassalador do número de pessoas que pretendem (nas palavras dos meus amigos de ontem) “ser capados”.
    E isso assusta.

Deixar uma resposta