Comentário da semana – Resiliência

O último (e diga-se, brilhante) artigo de Myrddin Emrys suscitou uma discussão acesa nos comentários.

O Patriarca tem seguido com muito interesse a série de Jordan Peterson sobre o significado psicológico das histórias da Bíblia (disponíveis em audio, na íntegra, no seu podcast). Por isso, este comentário de Ilo Stabet chamou-lhe a atenção:

eu concordo que o apontar o ridículo da nossa cultura é salutar mas não acho que vamos convencer um grande número, pela simples razão de que a maioria das pessoas não é uma participante activa na cultura – simplesmente se está a cagar, e vai seguir o que quer que seja o dogma corrente.

agora, quando disse que não via solução democrática não estava a sinalizar que acho que uma revolução armada ou golpe palaciano seja a solução. acredito que isso é igualmente impossível (e já escrevi sobre o assunto no meu blog).

a única estratégia que vejo a longo prazo é uma de formação de comunidades de pessoas com crenças semelhantes e que sejam relativamente resilientes ao colapso (financeiro e político) que penso ser inevitável. essas comunidades estarão depois na linha da frente para ser a liderança. ou seja, não acredito em reformas do sistema, mas sim em reconstrução.

Esta é essencialmente a história da Arca de Noé. Talvez seja este o caminho. É o que O Patriarca tem procurado fazer na sua vida. É talvez um dos principais objectivos (não antes expressamente nem conscientemente formulado) deste canto da Internet.

O blog de Ilo Stabet, Portugal Integral, merece também uma vista de olhos.

12 comentários em “Comentário da semana – Resiliência”

  1. Muito Obrigado pela publicidade.

    De facto, há já algum tempo que tenho apontado a ‘reconstrução’ (em vez da revolução, ou da eleição) como o caminho a seguir para a Direita ‘dissidente’ e fico contente que alguém, além de mim, veja o mérito nesse caminho.

    Devo dizer de passagem, já que foi mencionado no post, que não sou adepto da interpretação psicológica/mítica que o JP faz da Bíblia. Acho que retira todo o poder às escrituras e coloca-as no mesmo plano que todas as outras tradições religiosas. No fundo o JP diz-nos que podemos aprender coisas com a Bíblia, mas as coisas que ele lá quer ver, podem ser vistas noutros sítios. E aquilo que só lá pode ser encontrado, não são mitos, nem predisposições psicológicas. A Bíblia é tanto um livro histórico como é filosófico, poético e legal e é impossível compreendê-lo retirando-lhe uma, ou várias, das suas dimensões.

    Achei que devia mencionar isto, porque me exaspera a reverência com que o Jordan Peterson é tido, quando eu o considero, na melhor das hipóteses um intelectual banal e, na pior, uma voz que está a afastar vários jovens perdidos da Verdade, seja a da Bíblia, seja a da masculinidade.

    Provavelmente discorda da minha afirmação, em particular desta última. É algo que podemos discutir.

    Mais uma vez obrigado pela recomendação.

    Abraço

  2. Só para ver se entendo o seu ponto de vista.

    Se bem percebi, o Ilo Stabet é cristão, praticante, segue e acredita na mensagem da Bíblia, e acha que o Jordan Peterson com a sua interpretação está a diluir ou a poluir a mensagem. É isso?

    Quanto a afastar da masculinidade, será por ele ter tendência a pôr toda a responsabilidade do lado dos homens, o famoso “man up”?

  3. Olá Patriarca,

    Em forma curta, sim. A abordagem meramente psicológica que faz retira a veracidade e validade dos ensinamentos. Algo que é claramente visível na questão das mulheres – que vou abordar mais à frente. Primeiro quero falar das outras objecções, menores, ao JP.

    Na questão da masculinidade, não é simplesmente a questão do ‘man up’ (no fundo dizer que casar com uma carreirista, ou com uma slut depois do carrossel, é ser ‘um homem’), também tem a ver com o facto de promover às mulheres que se tornem carreiristas – ele diz que não por um lado da boca, mas parte da sua actividade é dar conselhos a alpha females para serem mais masculinas para vingarem no mundo empresarial. Na questão da objectividade, o homem não consegue dizer que os travestis convencidos que são do sexo da roupa que usam são doentes mentais. Além disso, é extremamente duvidoso que 1) tenha participado na redacção de um documento da ONU sobre imigração e sustentabilidade (um psicólogo? Porquê? Soa suspeito), 2) ele esteja a ser promovido pelos média tradicionais como o papão extremista (juntamente com outros moderados) – a meu ver para afastar os olhos de outras vozes, essas sim, que ameaçam o status quo. E também não acho nada bom sinal que o homem ande a tomar anti-depressivos há décadas e que se lhe dê ouvidos sobre como organizar a própria vida – algo que muitos jovens estão a fazer, quando claramente algo de errado se passa na cabeça dele (pela sua própria admissão).

    E por fim, ele está apenas a repetir coisas que outros homens já disseram, numa época em que era mais arriscado fazê-lo – atacar hoje o feminismo de 3a via não requer tantos tomates e segurança de carreira como requeria há uns anos atrás. Talvez se a cultura avançar para um sítio onde se torne mais aceitável dizer que os travecas são doentes mentais, ele passe a dizê-lo. Mas não vejo mérito, ou uso, para alguém que apenas se move no terreno do aceitável, do seguro.

    Mas onde toda esta tempestade se junta e revela mais problemática para mim, é na questão feminina onde se cruza com a sua análise da Bíblia (e que demonstra que a sua análise psicológica/mitológica não serve). A manosfera redescobriu inúmeras verdades sobre a natureza da mulher, e digo redescobriu porque essas verdades foram ocultadas, mas já haviam sido reveladas (e uso essa palavra conscientemente): na Bíblia. Defender a igualdade entre os sexos, mesmo no plano societal, é simplesmente ir contra toda a tradição Bíblica e Cristã que manteve o Ocidente de pé e o fez prosperar. E honestamente já temos gente que chegue a falar em nome de Deus e da sua revelação, indo contra os seus princípios mais básicos – incluindo, muitas vezes, vindo das Igrejas (sobretudo Protestantes, mas também da Católica Romana).

    Passo a dar exemplos, que penso serem interessantes (mesmo para um ateu agnóstico) e que mostram como o entendimento da manosfera, na realidade, vem já escarrapachado na Bíblia. A quantidade de passagens relevantes é tão grande, que incluo aqui apenas aquelas que considero mais marcantes:

    Logo no capítulo inicial da Bíblia, que lida com a Criação, a Mulher foi criada A PARTIR do Homem, como complemento AO Homem.

    Genesis 2:23
    “This at last is bone of my bones
        and flesh of my flesh;
    she shall be called Woman,
        because she was taken out of Man.”

    E além disso, foi a Mulher que foi aliciada pelo Demónio e que, por sua vez, aliciou o Homem. O primeiro pecado foi feminino, o segundo foi a efeminação do Homem de ir atrás da mulher. E assim, a Morte entra no mundo pela mão de Eva e Deus castiga os seres humanos, em especial dizendo à mulher:

    Genesis 3: 16
    To the woman he said,
    “I will surely multiply your pain in childbearing;
        in pain you shall bring forth children.
    Your desire shall be contrary to[f] your husband,
        but he shall rule over you.”

    A Verdade de que a beleza da mulher é intoxicante, e que é a principal característica que atrai o Homem:

    Proverbs 5:
    18 Let your fountain be blessed,
        and rejoice in the wife of your youth,
    19     a lovely deer, a graceful doe.
    Let her breasts fill you at all times with delight;
        be intoxicated always in her love.

    Mas também que, em última instância, é preciso lealdade e o tipo certo de mentalidade:

    Proverbs 31:
    27 She looks well to the ways of her household
        and does not eat the bread of idleness.
    28 Her children rise up and call her blessed;
        her husband also, and he praises her:
    29 “Many women have done excellently,
        but you surpass them all.”
    30 Charm is deceitful, and beauty is vain,
        but a woman who fears the Lord is to be praised.

    Este descobri apenas há uns dias. Neste livro temos o primeiro reconhecimento escrito do fenómeno do Thousand Cock Stare, bem como da Hipergamia e AWALT (se as deixarmos livres):

    Wisdom of Syrach 26:
    9 The whoredom of a woman may be known in her haughty looks and eyelids.
    10 If thy daughter be shameless, keep her in straitly, lest she abuse herself through overmuch liberty.
    11 Watch over an impudent eye: and marvel not if she trespass against thee.
    12 She will open her mouth, as a thirsty traveller when he hath found a fountain, and drink of every water near her: by every hedge will she sit down, and open her quiver against every arrow.

    Sobre o papel da mulher na sociedade, o Novo Testamento não tem papas na língua:

    1 Timothy 2:
    11 Let a woman learn quietly with all submissiveness. 12 I do not permit a woman to teach or to exercise authority over a man; rather, she is to remain quiet. 13 For Adam was formed first, then Eve; 14 and Adam was not deceived, but the woman was deceived and became a transgressor. 15 Yet she will be saved through childbearing—if they continue in faith and love and holiness, with self-control.

    Titus 2:
    3 Older women likewise are to be reverent in behavior, not slanderers or slaves to much wine. They are to teach what is good, 4 and so train the young women to love their husbands and children, 5 to be self-controlled, pure, working at home, kind, and submissive to their own husbands, that the word of God may not be reviled.

    1 Corinthians 4:
    As in all the churches of the saints, 34 the women should keep silent in the churches. For they are not permitted to speak, but should be in submission, as the Law also says. 35 If there is anything they desire to learn, let them ask their husbands at home. For it is shameful for a woman to speak in church.

    1 Corinthians 11:
    5 but every wife who prays or prophesies with her head uncovered dishonors her head, since it is the same as if her head were shaven. 6 For if a wife will not cover her head, then she should cut her hair short. But since it is disgraceful for a wife to cut off her hair or shave her head, let her cover her head. 7 For a man ought not to cover his head, since he is the image and glory of God, but woman is the glory of man. 8 For man was not made from woman, but woman from man. 9 Neither was man created for woman, but woman for man. 10 That is why a wife ought to have a symbol of authority on her head, because of the angels.

    Em suma, é extremamente deprimente e ilustrativo do estado da nossa sociedade que a própria Igreja invente interpretações torpes para aquilo que deve ser claro nestes versos: uma sociedade patriarcal tradicional, em que a liberdade da mulher é limitada (e em especial a liberdade sexual) é única que está de acordo com a natureza humana, masculina e feminina, tal como foi criada por Deus e é a única que, estando de acordo com a nossa natureza, pode gerar frutos civliizacionais (como já vimos gerar).

    Só uma sociedade baseada nestes princípios, de submissão da mulher ao homem, pode ter qualquer possibilidade de futuro (e acho que vemos a decadência criada pela igualdade – e vemos igualmente a energia social de culturas como o Islão que, bem ou mal, ainda aderem de uma forma ou de outra, a esse paradigma). E é por isso que é tão necessário que os leigos digam a verdade sobre este assunto – a meu ver, o mais importante de todos, e com o qual se poderia resolver todos os outros problemas sociais do Ocidente.

    O Jordan Peterson, ao dizer a versão aguada e ao defender a igualdade, não faz favor nenhum, nem à Bíblia (sobre a qual está a mentir ou que está a distorcer – facto que advém da sua visão meramente ‘mítica’ e ‘metafórica’ da Bíblia), nem à sociedade que precisa urgentemente de voltar a ser Patriarcal se queremos que os Europeus continuem a sobreviver enquanto Europeus em Nações Europeias.

    Abraço
    Ilo

    1. Em primeiro lugar, muito interessante. Eu afastei-me bastante cedo da religião, pelo que o meu conhecimento da Bíblia é muito limitado, e só ultimamente tenho tido interesse em saber um pouco mais. Não conhecia essas passagens, deve haver muito boa gente interessada em que elas se mantenham na obscuridade.

      “Passo a dar exemplos, que penso serem interessantes (mesmo para um ateu agnóstico) e que mostram como o entendimento da manosfera, na realidade, vem já escarrapachado na Bíblia.”

      Pois, isto é uma coisa de que me tenho vindo a aperceber ultimamente, principalmente através do JP mas não só, e foi provavelmente o que me despertou este interesse nas escrituras.

      Onde estamos em desacordo é na opinião relativamente ao JP. Isso provavelmente dá um post só por si, mas acho que podemos continuar a falar por esta via, e depois juntar a discussão num post.

  4. “a questão do ‘man up’ (no fundo dizer que casar com uma carreirista, ou com uma slut depois do carrossel, é ser ‘um homem’)”

    Posso não estar ao corrente de todas as palestras que JP deu, mas não me lembro de o ouvir dizer isso.

    O ‘man up’ que o vi defender faz todo o sentido: deixar de estar sentado a lamentar o que não se tem, e fazer-se à vida.

  5. Certamente. isso é o que ele diz. mas visto que, juntamente com isso, é um defensor da igualdade e encoraja várias mulheres a serem carreiristas e alpha females (não tanto nas palestras em si, em que ressalva sempre que se calhar seriam mais ‘felizes’ em casa), mas pelo facto de os seus clientes como psicólogo serem mulheres com carreiras de alto prestígio. Mesmo que o não fizesse, a sua insistência na igualdade (e isso é inegável) é completamente antagónica à Bíblia (e à verdade, que é dizer o mesmo). No fundo ele é apenas a Esquerda moderada de há 15 anos atrás. não serve. aprecio que desperte curiosidade na Bíblia, como o Patriarca confessou, mas convém que o faça da forma certa também. abordá-la simplesmente como mais um texto religioso entre muitos, ou mesmo como um importante, mas só porque foi a fundação ocidental (mas podia ser outra), vai dar no mesmo relativismo de cujas consequências aberrantes dos nossos dias ele se queixa. mas ele mesmo é apenas uma iteração anterior desse mesmo relativismo. ele próprio diz que se lhe pedirem usa os pronomes que as pessoas quiserem… se eu achar que sou um ornitorrinco, ele diz que me faz a vontade e me trata como tal.

    As palestras, por serem faladas, por vezes embalam mais do que instruem, e perde-se muito daquilo que realmente ele está a dizer. e ele é um bom orador, não no sentido clássico, mas com um carisma próprio. isso é inegável. mas para realmente se penetrar naquilo em que ele acredita, acho que é necessário ler aquilo que ele escreveu. e eu confesso que li apenas partes, mas esta destacou-se por ser tão ‘in your face’ como prova daquilo que já andava a desconfiar (isto é, que ele é apenas uma relativista, e que como tal, não oferece nada de novo, ou benéfico, quando se penetra até ao caroço da sua filosofia):

    «Your truth is something only you can tell, based as it is on the unique circumstances of your life.»

    Este é o tipo de máxima que um amigo meu, umas horas depois de meter um ácido, dizia com a maior convicção. Eu acredito que a Verdade é universal, e só pode haver uma. Seguirmos ‘a nossa’ é mais ou menos o mesmo que o credo satânico ‘do what thou wilt’.

    eu não acho que ele seja conscientemente ‘oposição controlada’ mas acho que isso não é importante. importante é saber o que ele diz, e se está certo. acho que no máximo ele é banal, o problema é que a nossa sociedade se tornou tão removida da Verdade, que até as coisas banais parecem ser incrivelmente profundas e revolucionárias. muitos putos nunca tiveram quem lhes dissesse para andar com as costas direitas e fazer a cama. daí toda esta comoção à volta dele. é a análise que faço do fenómeno. para alguém que tenha tido uma base mínima, acho salutar ir além do JP. na questão Bíblica, é esquecer o JP por completo e ir directo ao JC (não pude evitar a graçola, mil desculpas ehe).

    Um abraço

    1. Ele não encoraja as mulheres a serem carreiristas e alpha females. Aliás, ele tem muitas palestras a avisar as mulheres de que o carreirismo que lhes metem na cabeça provavelmente não é a melhor opção para elas.

      Ele ajuda mulheres que já seguiram esse caminho a desenvolver capacidades para se darem melhor nas suas carreiras. Honestamente não vejo nada de mal nisso. Parece-me melhor ensinar uma mulher a negociar o salário do que a queixar-se do “pay gap”.

      Eu sou bastante fã do homem e podemos até ter uma discussão sobre isto por email, acho que daria um artigo interessante para o blog se estiveres de acordo.

  6. Demografia: tem vindo a acentuar-se nas últimas décadas: em Portugal, milhões de pessoas têm falecido sem ter filhos.
    —» AUMENTAR O NÚMERO DE CANDIDATOS A SEREM PAIS
    [ é… evolução natural das sociedades tradicionalmente monogâmicas -» manifesto em divulgação ajuda a divulgar]
    .
    .
    Muitas mulheres heterossexuais não querem ter o trabalho de criar filhos… querem ‘gozar’ a vida; etc…
    Muitos homens heterossexuais não querem ter o trabalho de criar filhos… querem ‘gozar’ a vida; etc…
    -» Concluindo: é uma riqueza que as sociedades/regiões não podem deixar de aproveitar – a existência de pessoas (homossexuais ou heterossexuais) COM DISPONIBILIDADE para criar/educar crianças.
    .
    —» Já há mais de dez anos (comecei nos fóruns clix e sapo) que venho divulgando algo que, embora seja politicamente incorrecto, é, no entanto, óbvio:
    – Promover a Monoparentalidade – sem ‘beliscar’ a Parentalidade Tradicional (e vice-versa) – é EVOLUÇÃO NATURAL DAS SOCIEDADES TRADICIONALMENTE MONOGÂMICAS…
    {ver blogs http://tabusexo.blogspot.com/ e http://existeestedireito.blogspot.pt/}
    .
    .
    .
    P.S.
    Tal como eu explico no blog «http://tabusexo.blogspot.com/», – o Tabu-Sexo não se tratou de um mero preconceito… foi, isso sim, uma estratégia que algumas sociedades adoptaram no sentido de conseguirem Sobreviver… leia-se: o Tabu-Sexo tinha como objectivo proporcionar uma melhor Rentabilização dos Recursos Humanos da Sociedade… leia-se, o verdadeiro objectivo do Tabu-Sexo era proceder à integração social dos machos mais fracos!
    .
    P.S.2.
    Uma sociedade/região, para sobreviver, precisa de (como é óbvio ) possuir a capacidade de renovação demográfica.
    .
    P.S.3.
    Existem autoridades de sociedades/regiões (que estão sem capacidade de renovação demográfica) em desleixo:
    – não monitorizam/motivam/apoiam uma riqueza que não podem deixar de aproveitar -» a existência de pessoas (homossexuais ou heterossexuais) com disponibilidade para criar/educar crianças.

  7. Olá Patriarca,

    tenho andado um pouco afastado destas lides, por isso só estou a responder agora.

    concordo que daria uma discussão interessante.

    já propus ao Afonso de Portugal (do Totalitarismo Universalista) termos um livestream para debater a questão (ele partilha da vossa visão positiva do JP), mas o Afonso não gosta do formato live, por isso estendo aqui o convite ao Patriarca.

    um abraço,
    Ilo

Deixar uma resposta