O Manspreading chega a Portugal

O Patriarca foi acusado de “manspreading” num transporte público em Portugal.

É verdade, já importaram mais um dos chavões com que se vai tentando castrar a masculinidade.

O Patriarca estava tranquilo no seu assento, lendo algo no seu telefone esperto. Recorda-se vagamente de alguém ter ocupado o lugar ao seu lado, embora isso só tenha sido consciencializado pelo que se passou a seguir – dado que nem sequer houve contacto físico.

Até que uma velha gaiteira no assento da frente decide tocar o joelho do vosso chauvinista favorito para lhe chamar a atenção. Olhando para trás, isto devia ter justificado a activação do sistema de alarme do metro, e posterior denúncia às autoridades por assédio sexual de uma sexagenária a um jovem atraente. “Olhe lá, encolha-se um bocado, não vê que a menina nem se consegue sentar?”

O Patriarca levantou a cabeça e analisou a situação. Estava na sua posição normal, pernas moderadamente abertas, deixando o espaço necessário para alojar confortavelmente as pendentes gónadas que ainda não deixaram de produzir testosterona por decreto ou leite de soja. Admitidamente estava a cruzar milimetricamente a linha que divide os assentos. A harpia grisalha fitava-o com o ar desafiador apenas permitido às mulheres ocidentais do século XXI, esperando uma reacção. A jovem ao lado estava na sua, na posição tipicamente feminina* de quem não está a convidar todas as piças da carruagem a vir dar uma voltinha.

Com a civilidade que infelizmente ainda lhe resta, o nosso alastrado herói declinou mandar a caduca megera à merda e em vez disso recolheu a perna os milímetros suficientes para caber na caixa imaginária que lhe estava destinada.

Como sabemos, esta não é a atitude mais eficaz perante marxistas.

“Olha, nem se mexeu! Dê lá espaço à menina!”

Nisto a jovem intervém, “Não há problema nenhum, deixe estar”

A decrépita abelhuda volta à carga “Então mas acha isto bem, está ali com as pernas todas abertas!”

O Patriarca, sem se mover nem mais um milímetro, fita a criatura e diz, “Meta-se na sua vida. Eu não estou a ocupar mais que o normal, e a rapariga não se está a queixar”. Volta ao que estava a fazer.

A jovem reforça que não há problema. A velha ainda ladra mais qualquer coisa, mas perante a indiferença geral acaba por se calar.


*Antes dos acordes na internet, havia o saudoso Eurico A. Cebolo com os seus livros “Guitarra Mágica”, que entre outras coisas ensinava a maneira apropriada de sentar para tocar, consoante o aspirante fosse homem ou mulher. O Patriarca tentará encontrar a cópia que possui e postar as imagens respectivas.

 

Um comentário em “O Manspreading chega a Portugal”

  1. Há que ver o positivo na situação não foi a jovem que se queixou mas sim a velha.

    Provavelmente mais uma daquelas encalhadas cujo o único contacto que tem é com o bando de miadores que tem lá em casa….

Deixar uma resposta