Comentário (imbecil) da semana: os terríveis red pill

No último artigo do Myrddin Emrys, a leitora Ork Ragnaroc, aparentemente acusando o golpe, comenta:

Isto é que são os terríveis red pill ?

Parecem a minha tia-avó que nunca saiu da aldeia de trás-os-montes e nunca viu um comboio.

Vocês não sabem que há séries que não são para a vossa idade ?

E que mais é que os choca ?

Digam lá.

Como boa comuna, confunde a rejeição de imbecilidades ditas “progressistas” com ignorância.

Com o cargo de “fudida na empresa Trabalho para um sacana que me rouba.“, depois de ter estudado em “Uma universidade que me deu um diploma que não vale a ponta de um chavelho” onde “Chumbei uma data de vezes e prefiro não falar nisso“, é normal que pertença ao grupo de gente que prefere ver o mundo a arder do que enfrentar as razões dos seus próprios fracassos.

Mas tentando ser pedagógico e explicar aos putos chavalos desta vida o que é que é a Red Pill, O Patriarca começa por explicar o que não é.

A Red Pill não é um grito de revolta. A Red Pill não é uma tentativa de ser terrível, de ser do contra, de chatear os paizinhos, de achincalhar o sistema, de ser “moderno”, “progressista”, ou lá o raio das palavrotas de ordem de merda que os marxistas adoram.

A Red Pill é uma tentativa de explicar a realidade da forma mais aproximada e útil possível para que o indivíduo que a usa como frame possa navegar o mundo de forma eficiente e atingir o seu potencial.

Os nossos bisavós, que estavam mais preocupados com a realidade do que em inventar mais géneros para acrescentar ao comboio LGBTQPUTAQUEOSPARIU, provavelmente responderiam aos princípios Red Pill com “Sim, e a água é molhada. E então?”.

Heróis do Nosso Tempo

A produção cultural é reagente e produto da conjuntura, em equilíbrio simbiótico com o meio circundante. Uma disrupção neste equilíbrio é sempre artificial, induzida, manietada por agentes terceiros; tem um objectivo, tem um propósito e uma agenda, tão tenebrosa que é nosso dever patriótico gerar-lhe uma resistência.

Foi na fila de espera de um bar alternativo que primeiramente o vi. Cabeleira loira, farta, saltos altos, decote. Mas a forma angular do queixo e a voz de falsete denunciava instantaneamente de quem se tratava, o tipo que nos passou à frente e entrou no espaço sem pagar. Um homem sem piça. Quando o voltei a ver ao balcão do bar, à pergunta “Boa noite. Têm algo que se coma?” respondeu-me com celeridade e no cumprimento das suas funções laborais: “Queres comer? Podes comer aqui o Dioguinho” e deu espaço a um rapaz que me atendeu – “Não, não temos tostas” – com um sorriso demasiado simpático para que eu próprio me sentisse confortável.

5650747107_d25a5cfcc5
Não

Este não era um espaço LGBT. Tampouco a tasca onde jantara e conhecera a prima da funcionária, vítima de uma cirurgia para escambar o sexo. A jovem – demasiado jovem – disse depois da 8ª cerveja tragada em velocidade recorde: “Os meus Pais sabem que eu sou alcoólica”. Depois de servir três águas aos meus amigos, Diogo retirara-se do balcão para consumir cocaína.

As redes sociais – ópio do povo – trouxeram-me a nova produção nacional, integralmente remunerada com o erário público. O governo da geringonça – quem mais – patrocina a promoção pública de degredo, toxicodependência, improficuidade, promiscuidade, homossexualidade, feminismo. Entre os cinco protagonistas há dois travecas, duas fufas e uma puta. Talvez me tenha confundido e estas designações sejam simultâneas, a fufa seja também traveca, o traveca seja também fufa e o elenco do show seja todo puta. O que não há em cinco personagens aleatórios, estatisticamente representativos da camada populacional a retratar? Um único heterossexual.

Image result for "#casadocais"

Talvez o descritivo da série explique melhor. Diz “Ema vem para Lisboa e partilha casa com 4 amigos excêntricos. O seu dia-a-dia, e as noites, são marcadas por histórias divertidas, sem tabus, sobre ser jovem no novo milénio (o sexo, as drogas, a procura de emprego, a autodescoberta e o amadurecimento); Esta série é para quem acorda às 3 da tarde numa quarta-feira e designa o pacote de batatas fritas aberto, na mesa de cabeceira, como pequeno almoço. Para quem já comeu metade de Lisboa e quer expandir a sua “mercadoria” internacionalmente. Para quem está às 7h15 na cave do Lux, a gastar os sapatos, ao lado do João Botelho, enquanto se pergunta a que horas o supermercado abre, porque entra às 8h30 e precisa de comprar 2 latas de red bull. Para quem diz que hoje se vai deitar cedo para ir ao ginásio de manhã e está a ver a quarta temporada de Game of Thrones às 4 da manhã. Enfim, é uma série para quem é jovem, parvo e feliz na sua incoerência.

Os criadores de #CasaDoCais – assim mesmo, com hashtag – não são só um bando de paneleirões. São mentirosos. As múltiplas descrições da série repetem à exaustão o chavão “sem tabus” mas não exibe um único homem, não protagoniza um único Heterossexual, não exibe um único sénior ou, pior, alguém cuja idade extravase os vinte e cinco. Demonstra repúdio por vidas organizadas, famílias estruturadas e, nas palavras de um dos actores “pequeno-almoços gigantescos (…) a Matilde e o Tomé como personagens principais”. Despreza o pudor, desconsidera o resguardo e discrimina a isenção de estupefacientes. A televisão pública transformou-se no colega de liceu que nos chama “caretas” quando nos recusamos a fumar uma chinesa de heroína.

RTP.png

Mentira ainda é a desta Fressureira quando declara “Não é a sexualidade que te define”. Se não quisesses ser definida pela tua sexualidade, não te “assumas” como sapatona. Não aparecias no jornal dos rotos. Não tinhas seguidores. Não tinhas público. Não tinhas série remunerada com os meus impostos.

Gay

Esta semana, o Arquitecto José António Saraiva foi novamente atacado pelos CIGanos e terá, uma vez mais, de ir a tribunal por essa razão. O assunto foi o mesmo e o mesmo que tratamos aqui. Mas tal como há uns meses, a perspectiva do jornalista não é de ataque mas de defesa: ele vê os homens a quem cortaram a piça como mártires duma cruzada diabólica e dispôs-se, pessoalmente, a defender os seus direitos – a história pessoal de David Reimer inspira a tal defesa. Tal como nos momentos das suas atuações anteriores, o colectivo CIGano não integra homens sem piça, ofendidos pelas palavras de Saraiva; É sim composto por mulheres heterossexuais que ambicionam ver os homens indesejáveis na secção de corte dum fumeiro em Lamego. Atacam Saraiva, como antes atacaram César das Neves, porque ele se dirige aos transgénicos com a verdade, não por ódio ou preconceito, mas por Amor. Por essa razão, estou solidário com o Arquitecto em cujas palavras me revejo na totalidade.

Vale a pena denotar que estes “jovens” já não o são: têm, no enredo, vintes e, com idades para terem licenciaturas e mestrados terminados, prestes a enveredar no mercado de trabalho ou numa carreira académica. As tropelias em que se envolvem são próprias dos adolescentes, uma versão toxicorrabolha de Morangos com Açúcar. Mas fora da adolescência, sem liceu ou uma ocupação fixa, deambulam pelo degradado Cais do Sodré – ancestralmente um local de prostituição e má rês – devotados à auto-degradação, ao vicio. Os personagens não se distinguirão dos farsantes, todos os cinco degradados, viciados. Com perfis aberrantes e nomes artísticos, apresentam-se perante a web como “youtubers”, “instagramers”, “artistas”, “freelancers”. Cortam a piça porque já não lhes chega serem homossexuais para se vitimizarem ou glamorizarem o seu capital sexual como o faziam os panilas nos anos 80 antes de a SIDA dizimar uma geração de homens “sexualmente liberados”. Enquanto que José Saraiva e eu próprio vemos neles as vítimas duma guerra perdida, perante a sociedade decadente e sobressexualizada, os protagonistas de #CasaDoCais são os heróis do nosso tempo.

image
Heróis do Nosso Tempo

Abri a página de Facebook esperando ver centenas de milhar de likes, publicidade e fanáticos pela expressão cultural que a Rádio Televisão Portuguesa nos oferece. Pelo contrário, a totalidade dos seguidores não chega a um milhar e a maioria dos comentários são francamente depreciativos. Perante a geração Z prevista como a mais conservadora de sempre, tenho expectativas de que o nosso querido blog alcance um público mais abrangente do que o da série televisiva.


Nota post-scriptum: Dos cinco protagonistas há pelo menos uma puta rapariga que não é gay. Valerá a pena acompanhar a série para caracterizar os múltiplos parceiros com quem se envolverá ao longo das temporadas, os actores escolhidos e os sues perfis. Aí saberemos qual o tipo de homens o colectivo feminista aprova e qual o tipo de homens que os filhas da puta suprimem.

Rei Ricardinho

O Patriarca não é particularmente fã de Futsal, não lhe vê a mesma emoção que no futebol.

No entanto, assim como o fez para Cristiano Ronaldo, não gostaria de deixar passar um feito épico de outro português de topo.

Não obstante ser um desporto menos divulgado, com o decréscimo de incentivos económicos e competitividade que isso acarreta, é de facto extraordinário um indivíduo conseguir ser o melhor do mundo durante 5 anos.

É também espantoso que um país com pouco mais de 10.000.000 de habitantes produza com assinalável frequência atletas de topo mundial.

Porque é que não somos mais como eles?

O Patriarca arrisca uma teoria. Num inconsciente colectivo dominado pelo comunismo/socialismo, só em áreas como o desporto, em que estes conceitos não têm qualquer hipótese de vingar, é que conseguimos dar o melhor de nós.

Instagram

Saudosos dias nos quais a internet partilhava ideias, transmitia informação, disseminava conhecimento, providenciava conteúdos, viabilizava a comunicação, valorava a frase, respeitava a palavra.

Sentei-me no café e abri o computador. Esperava um amigo que viria em meia hora. Ao meu lado, uma rapariga nos seus vintes, aguardava de igual forma, a sua companhia. Ocupava-se no telemóvel. Não consegui deixar de reparar como e com o quê gastava o seu tempo, embora, por uma questão de cordialidade, não devesse.

Eu sei onde gastava o meu tempo. Tinha problemas de alunos a resolver, sebentas a emendar, relatórios a corrigir, textos a escrever. Os meus olhos desviavam-se no fim de cada equação resolvida, cada parágrafo completado, para o telemóvel da jovem e de novo para os meus desafios pessoais. Ela mantinha-se impávida, quieta, concentrada.

Image result for instagramUma rapariga enviou-me mensagem solicitando a minha sapiência para a auxiliar numa tarefa académica. Fê-lo sem foto. Seguindo as indicações do ROK, disse-lhe que a queria ver antes de perder o meu tempo com ela. “Porque não tens foto?”. “Já ninguém usa o Facebook”. “O que usam agora?”. “Instagram”. Quando a internet se tornou acessível fora dos laboratórios de estado e das Universidades, o primeiro mecanismo de exposição internauta eram os fóruns: de acesso privado e complexo, através de discorrências longas e extensas, massudas, cada utilizador e sobre um tópico específico, expor-se-ia expondo detalhadamente a sua visão acerca do tema que o tópico versasse. Depois vieram os blogs que foram secundados pelo Facebook: textos mais curtos, resumidos e panfletários, aglutinados entre milhões num feed tendencioso e promotor do laconismo, gerido por algoritmos autocratas, politicamente correctos, que condenam qualquer disrupção à irrelevância. Depois veio o Twitter que providenciava o mesmo que o anterior mais limitado a 140 caracteres e com direito a expulsão. Depois veio o instagram já sem texto, apenas imagem, figuras, instantâneas e por fim o snapchat em que de tão momentâneas que são as fotos, desaparecem de circulação após o consumo. Mas alguém se surpreende ao constatar que este progresso regressivo coincide com a abertura da internet ao público feminino, ausente dos fóruns iniciais e aficionado pela bonecada?

O lema “Uma imagem vale mais do que mil palavras” foi indubitavelmente escrito por uma mulher a quem, como esposa de César, tem de parecer e não ser. Facilita um processo cognitivo que tem por base anatómica, não a interacção interlobal característica do cérebro macho, mas um que se resume ao funcionamento isolado de cada lóbulo – intuitivo, autómato, célere, seguidista e preconceituoso. Por isso as mulheres privilegiam as humanidades às ciências, o sentimentalismo à exactidão, a emoção à razão, a macro-gestão ao tribalismo, a aglomeração ao individuo. A forma como nos últimos meses, as sucessivas campanhas foram perseguindo erraticamente os cinematógrafos. mostram a falta de racionalidade do género, até porque Harvestein et al, eram apoiantes das causas femininas. A essência da cerimónia dos óscares de pedowood, é demonstrativa pois coloca à frente o sexo dos participantes à densidade dos guiões, as fotografias de preto à profundidade dos discursos, porque não produziu comunicados mas sim hashtags. Porra, os Hashtags são uma invenção do instagram.

Image result for invasão hashtags

Dir-me-ão que são uma adaptação a um mundo em mudança constante, num mundo cada vez mais rápido, que funciona à velocidade do click, instantâneo. Mas pergunto-me se esse mundo que se distancia da literatura, que ignora o jornalismo de investigação, que desprimora a ciência e que despreza o apuramento de factos, não será precisamente o mesmo que se entretém a perseguir homens (racionais) e a promover mulheres (irracionais). Ou se ambos não evoluíram em paralelo, regredindo-nos a todos.

No instagram, a rapariga cercana, avaliava outras raparigas. O instagram de uma ex-namorada minha – com 16 seguidores – seguia 358 instagrams, quase exclusivamente gajas. Polvilhavam comentários: “és linda”, “maravilhosa”, “que caracóis incríveis” outorgados a modelos e actrizes, amigas e adversárias. Nesse exercício de vaidade, confessou-me inveja de uma prima 15 anos mais nova (com onze, portanto) porque a criança “era mais bonita do que ela”. Outras mulheres, agarram as peles nas ancas e comparam-se às fotografias online, choram e praticam anorexia. O mundo da beleza é um mundo feminino.

Os homens também têm as suas admirações e os seus ídolos e muitos almejam pela sapiência de Garcia da Horta, a destreza de Egas Moniz, ou a verticalidade de Adelino Amaro da Costa. Até Ronaldo, o menino pobre que se tornou o melhor do mundo, é admirado entre homens pela força, empenho e perseverança; Entre mulheres também é reconhecido, mas esse reconhecimento é na verdade desejo que incide sobre a fama ou a largura dos ombros ou a firmeza dos abdominais. Aliás é interessante que Leonel Messi – um futebolista igualmente capaz mas menos telegénico – receba admiração apenas de uma das bancadas. Sendo de esperar que fossem os homens solitários e desejosos, putativos predadores, a folhear o site de imagens, pelo contrário era a jovem no café quem ao longo de meia hora não o largava, ignorando tudo a seu redor.

Image result for violador de telheiras
O meu ídolo

O telefone foi apenas desligado quando as duas raparigas – suas amigas – chegaram. Os primeiros comentários “Que batom tão giro, onde compraste essa maquilhagem?” provou ao que vinham e gastariam as horas seguintes devotadas a vacuidades. O meu amigo chegou também. Continuo a não possuir uma conta de instagram