Humoristas Feministas

Há uma coisa que O Patriarca aprecia na harpia-mor, que é o seu elevado débito de bojardas imbecis que dão artigos fáceis e rápidos.

Aparentemente a megera quer mais humoristas feministas. Não sabemos se está na calha alguma proposta para impôr quotas de género no humor, mas dado que é bastante difícil fazer rir por decreto, não se imagina que tal possa suceder enquanto não tivermos uma ditadura estalinista abertamente instalada, com uma arma apontada à cabeça de cada cidadão que não solte uma gargalhada.

O Patriarca podia fazer uma explicação mais detalhada de eventuais razões biológicas para haver poucas mulheres humoristas – assim rapidinho, para ser humorista é necessário estar disposto a chocar e aguentar críticas ferozes. As mulheres têm tendencialmente mais Agradabilidade (um dos grandes 5 traços psicológicos – vontade de agradar) do que os homens, e mais Neuroticismo (outro dos 5, sensibilidade a emoções negativas – como críticas).

Mas porquê gastar latim quando há uma explicação muito mais simples?

A ausência de sentido de humor é um dos pré-requisitos para ser feminista.


P.S. O Patriarca encontrou também neste artigo uma possível explicação para a extrema megeridade da megera: irmão gémeo. Exposição excessiva a testosterona intra-uterina? Ou mera inveja de pila?

Nunca é demais lembrar que teve de sofrer a humilhação de pedir o namorado em casamento.

 

 

 

3 comentários em “Humoristas Feministas”

  1. “As universidades americanas estão geralmente na vanguarda, por vezes numa espécie de exercício de auto-caricatura. De facto, para os seus promotores tudo é extremamente sério. É essa a primeira característica da tendência: a falta de humor. Não admitem uma brincadeira, não reconhecem uma estupidez: tudo é tremendo — a cor de uma fralda, um pormenor num manual escolar.”

Deixar uma resposta