Sobre a independência

Até os mais distraídos já terão notado que nuestros hermanos estão em ebulição.

O que O Patriarca ainda não conseguiu compreender totalmente foi o apoio generalizado da esquerda portuguesa (e internacional? a capacidade de atenção esgota-se) à intenção independentista da Catalunha, encabeçada por uma força política nacionalista e teoricamente virada à direita (Nazis, portanto). Tem 4 teorias sobre o assunto:

  1. Estão a correr o guião marxista que pretende rebentar com tudo o que seja ordem e harmonia
  2. Pode haver aqui uma ameaça à monarquia, e os vermelhinhos odeiam mais monarcas que nazis.
  3. Estão ressabiados porque o Rajoy não quis fazer uma geringonça com o paneleirote do Pablo Iglesias, e portanto tudo o que o prejudique é bom
  4. Todas as anteriores

Seja qual for o móbil, há uma coisa que os seus pequenos cérebros neobolcheviques não conseguem compreender: a independência não se faz com referendos. Com um referendo e boa vontade consegue-se autonomia, que é uma benesse concedida pelo estado central e de que a Catalunha já gozava.

As suas mentes criadas sob a alçada de pais-helicóptero, parques infantis à prova de acidente, prémios de participação, professores brandos, mitos de igualdade e desportos efeminados, nunca saíram de um estado pré-adolescente que não é capaz de entender que os actuais estados independentes se formaram à custa de muito sangue, suor e lágrimas. Sangue, principalmente.

A independência consegue-se possuindo, para além da vontade do povo, um exército com capacidade e motivação para defender o território, superior à capacidade e motivação do exército de que dispõem aqueles que pretendem manter o jugo. Já para não falar de recursos naturais e/ou alianças mercantis que permitam sustentá-lo pós separação.

Puigdemont aparentemente compreende-o, por isso está a pedir um exército. Mas ninguém vê o ridículo desta situação? “Podem arranjar-me um exército para me revoltar contra vocês?” A sério??? O que é que é suposto o governo espanhol fazer? Perguntar-lhes “Querem ficar com o nosso todo, ou só metade”???

 

3 comentários em “Sobre a independência”

  1. Na Catalunha foi feita , há uns tempos, uma mega “manif”/marcha/passeio wtv Pro-Muçulmanos. Estão apresentados. Que lhes peça a eles……

Deixar uma resposta