Web Summit, ou “A igualdade é quando dá jeito”

Numa altura em que as sapatonas que nos governam andam histéricas com discriminações que só existem nas suas dementes cabeças marxistas, está a passar debaixo dos nossos narizes uma objectiva e descarada discriminação de género.

O badalado Web Summit, procurando resolver o “problema” de não haver vaginas suficientes numa conferência sobre tecnologia, decidiu em 2016 assumir um “compromisso com a mudança” e oferecer 10.000 entradas a mulheres.

Borla Vagina

Ironicamente, encontraram um problema com o qual os homens estão extremamente familiarizados: as mulheres mudam de ideias a toda a hora, por qualquer razão ou sem razão aparente, e baldam-se à última sem um pingo de vergonha. Menos de metade das receptoras de bilhetes se dignaram a aparecer.

A solução encontrada não foi menos irónica. Num gesto que poderia ter sido retirado de qualquer manual ou fórum PUA, obrigaram as contempladas a investir, pedindo um preço simbólico de 85€ (90% de desconto). De notar que essa era declaradamente a intenção, conforme se encontrava escarrapachado no site na altura. Resta saber qual será a eficácia da medida, mas isso é irrelevante neste momento. O que é relevante é que no meio de todas as discussões que tem havido sobre questões de igualdade, não se vê uma palavra sobre isto em lado nenhum!

Quando se deu conta deste Passe Vagina, em Maio, antes de rebentar a bronca dos livros infantis, O Patriarca contactou os CIGanos, não esperando qualquer resposta.

Boa noite.
Tomei conhecimento de que o Web Summit Lisboa tem disponíveis entradas exclusivas para mulheres pelo valor de 85€, quando o preço normal é de 850€.

Esta situação é uma clara violação dos princípios de igualdade de género, com a agravante de se tratar de um evento internacional de grande visibilidade. Gostaria de saber quais as medidas que a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género pretende tomar relativamente a este assunto.

Cumprimentos

Foi assim com grande espanto que recebeu o seguinte e-mail em resposta:

Exmo. Senhor,

Vimos por este meio responder à exposição que nos apresentou, a coberto de email datado 09/05/2017, informando o seguinte:

A Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), nos termos do Decreto Regulamentar n.º 1/2012, de 6 de janeiro, tem como missão garantir a execução das políticas  públicas no âmbito da cidadania e da promoção e defesa da igualdade de género, designadamente nos domínios transversais da educação para a cidadania, tráfico de seres humanos, mutilação genital feminina, violência doméstica e de género, discriminação em função do sexo, género ou da orientação sexual e do apoio às vítimas.

Nessa medida,  cabe-lhe receber queixas relativas a situações de discriminação ou de violência com base no género e apresentá-las, sendo caso disso, através da emissão de pareceres e recomendações, junto das autoridades competentes ou das entidades envolvidas [alínea p) do n.º 2 do art. 2º  do Decreto Regulamentar n.º 1/2012, de 6 de janeiro].

Neste contexto e no seguimento da sua queixa relativa à diferença de preços para mulheres e homens para ingresso no Web Summit 2017, a CIG solicitou à organização do citado evento que se pronunciasse sobre o teor da queixa, conforme email que se junta em anexo, após o que a CIG apresentará o seu parecer.

Com os melhores cumprimentos,

Junta: Email enviado a tickets@websummit.com

Melhor do que o esperado, mas escusado será dizer que enquanto os livros da Porto Editora foram celeremente retirados do mercado, o WebSummit vai começar dentro de 1 mês, mantendo proeminentemente no seu website o descarado Desconto Patareca. O Patriarca enviou há alguns dias um último mail aos CIGanos:

Exmos Senhores

Constato com consternação que, 4 meses volvidos sobre este contacto, estamos a 1 mês do Web Summit e não há qualquer resposta sobre este tema.

Tendo em conta a celeridade com que V. Exas. trataram de conseguir que os livros infantis da Porto Editora, tendo por base uma suposta discriminação extremamente subjectiva, só é possível concluir que a falta de actividade perante uma discriminação clara e objectiva se deve ao facto de ela ser exercida sobre o sexo oposto.

atavolaredonda.com tratará de relatar o sucedido.

Cumprimentos

Pouco importa o seguimento, provavelmente nenhum, que este assunto terá. O Patriarca ressalva que não tem qualquer esperança de mudar o que quer que seja na sociedade. Entre o WebSummit, o festival para gajas na Suécia, e a fessureira francesa que quer proibir os homens de pedir o número de telefone a mulheres, a bola de neve é demasiado grande para ser parada. O feminismo seguirá o seu curso inexorável até ao resultado final, que será o colapso perante a realidade e a reinstituição do famoso “Patriarcado” – se será um modelo tipo Ocidental ou um inferno de mouros e Sharia, é a grande dúvida.

O objectivo deste tipo de artigos é aumentar a resiliência dos homens que tenham a sorte de os ler e acordar para a vida. Há mais de 40 anos que somos criados com uma forte carga de “culpa masculina” que, quando assimilada, permeia todas as interacções com as mulheres. Os homens não devem sentir culpa nenhuma de ser homens e fazer o que faz um homem: agarrar o mundo pelos tomates e as mulheres pela xoxota. E muito menos pedir desculpa.

pussygrab

O homem heterossexual é hoje um alvo a abater, mas isto não deve ser usado como desculpa para a inacção ou para o fracasso. Deve servir para saber o que enfrenta e como melhor se defender, para poder perseguir os seus objectivos sem qualquer remorso ou consideração por conceitos comunas como “igualdade” e “misoginia”, que não são mais que desculpas para lhe atirar obstáculos para o caminho e degraus para os adversários lhe passarem por cima. Se for acusado de machismo ou qualquer fobia imaginária, a resposta mais eficaz é ignorar ou Concordar & Amplificar.

Incidentalmente, esta atitude traz também sucesso com as mulheres – principalmente as que têm a mania que são feministas, e que vão ficar escandalizadas com o atrevimento desse homem, desde o momento em que o conhecem até lhe abrirem as pernas.


Anexo:  O e-mail enviado pelos CIGanos ao WebSummit

De: cig

Enviado: sexta-feira, 26 de Maio de 2017 15:25

Para: tickets@websummit.com

Assunto: FW: [Contacto] Igualdade de Género, Cidadania e Não-discriminação

Dear Sir/Madam,

The Commission for Citizenship and Gender Equality (CIG) is a Portuguese public entity,  integrated in the Presidency of the Council of Ministers and reports directly to the Secretary of State of Citizenship and Equality, which aims to ensure the implementation of public policies in the field of citizenship and the promotion of equality between women and men, in particular by promoting actions aimed at the civic awareness regarding the identification of situations of discrimination and of forms to eliminate them, and on the prevention and fight against domestic and gender-based violence, including the fight against Female Genital Mutilation, and trafficking in human beings.

CIG also receives complaints about situations of discrimination or gender-based violence and submits them, accompanied by its formal opinions or recommendation, to the competent authorities or concerned entities.

On the 09/05/2017, a complaint was received in the Commission, concerning the price of tickets to the Web Summit 2017 (on November 6-9) for women, since those are worth € 85, when the regular price is € 850.

In this sense, the Commission asks for the Web Summit Organization to verify the facts of this complain and present the raisons why there is such a difference of price.

Thank you

Commission for Citizenship and Gender Equality

3 comentários em “Web Summit, ou “A igualdade é quando dá jeito””

  1. Sem dúvida, o homem heterossexual é hoje um alvo a abater.
    O amigo não deixe de insistir até obter uma resposta e leve o assunto ao limite até a comissão se pronunciar. Faça download dos estatutos e aperte com eles. Vivemos numa democracia!

Deixar uma resposta