Questões frequentes sobre PUA

Este post é a publicação de um comentário feito por um leitor anónimo e respectiva resposta d’O Patriarca.

Anónimodiz:

Boa tarde, bem vindo.

Se o Pick Up funciona?
Se não acreditássemos nisso não teríamos um blog sobre o assunto.

Como funciona?
O PU não é magia, artes arcanas ou algo do género. É simplesmente uma tentativa de optimização de comportamentos a ter durante uma tentativa de sedução, à qual colectivamente milhares de homens durante milhões de horas de interacção com mulheres e através da partilha da experiência das mesmas foram chegando.
É rigoroso e científico? Não. É empírico e certamente ainda tem muitas arestas para limar, mas é eficaz na melhoria da taxa de sucesso sexual de um homem.

É suposto ter uma mentalidade que muitos diria de machista ou misogeno?
Depende. Se considerares esses termos como as mortáguas desta vida os consideram, conforme ainda ontem escrevi aqui, então sim.

spank 2.jpg
Agora, se começares a perceber que no mínimo metade das merdas que te venderam a vida toda sobre o machismo e a misoginia são simplesmente uma tentativa de repressão da sexualidade humana normal… Não. Aliás, como digo na minha apresentação, gosto mesmo muito de mulheres. Acho que são criaturas fascinantes, mas se não souberes lidar com elas comem-te vivo. Isso não é misoginia, é realismo.

O pessoal PUA ganha algum tipo de infamia?
Sim. Por isso é que o PUA é como o fight club – a 1ª regra é não se fala do fight club, e a segunda também. (talvez desenvolva este tema no futuro)

O quão essa comunidade é receptiva a novatos? Principalmente a novatos constrangedores?
Muito receptiva, há bastante gente que sente que ganhou com a comunidade e tem vontade de retribuir. Não há problema nenhum em ser constrangedor, a malta só tem pouca paciência é para gente que vem pedir conselhos, e quando eles são dados respondem “isso não funciona” sem sequer experimentar. Gente com vontade é muito bem vinda e pode contar com ajuda valiosa.

Um dos meus maiores medos é “morrer por dentro”, ou seja, deixar de ser quem eu sou só para ter cona. Podem comentar este medo meu?

dying
É um medo comum. Pensa assim, morreste por dentro quando aprendeste a ler? Ou a tocar um instrumento, ou a fazer um desporto, ou outra skill qualquer? Não, pois não? Sim, mudaste. Deixaste de ser um gajo que não sabia ler, para seres um gajo que sabe.
Aqui passa-se o mesmo. Não tens de fingir nada, o que aprendes simplesmente muda espontaneamente a tua maneira de actuar perante as situações. Há certamente algumas coisas em ti que mudam conforme crenças que tinhas caem por terra perante as tuas novas experiências. Isso não é morrer por dentro acho eu, é evolução, e acontece com qualquer área a que te dediques para a compreenderes mais a fundo.

4 comentários em “Questões frequentes sobre PUA”

  1. Bom artigo. Na minha experiência, game (e self-improvement) funciona e quase faz milagres. A confiança com que levo a vida em geral (não falando sequer nas interações homem-mulher) é bem diferente e acho que não o teria alcançado de outra forma.

    Por isso, dou imenso valor ao que vocês fazem aqui neste blog. Vocês já fizeram a vossa jornada (e continuam a fazê-la), mas mesmo assim estão dispostos a “estender a mão” a quem esteja disposto a fazer a deles mesmos.

    Não sei se poderão falar disto num post futuro, mas o maior problema que eu tenho tido tem sido em fazer os approaches em primeiro lugar, porque sinto que serei facilmente julgado caso o faça sozinho (numa discoteca ou nas ruas do Porto à noite, p.ex.), mas ao mesmo tempo no meu grupo de amigos não vejo ninguém possivelmente interessado em fazê-lo (the right way).
    Tal como vocês o disseram, “a 1ª regra é não se fala do fight club”, mas isso faz com que seja díficil encontrar like-minded people.
    Obrigado.

    1. Grosso modo, numa cidade de uma dimensão já considerável como o Porto, ninguém quer saber o que andas a fazer. Desde que não sejas totalmente descalibrado tás tranquilo.

      Quanto a arranjar gente, por um lado podes conhecer malta online e depois encontrares-te com eles. Por outro podes simplesmente observar na noite os gajos que parecem saber o que estão a fazer… e abordá-los.

Deixar uma resposta