3º movimento feminista: telenovelas

O terceiro movimento do feminismo é só a nova telenovela que as mulheres inventaram. Cansaram-se dos mesmos temas repetidos até à escassez, o homem que trai a mulher perfeita, a melhor amiga que o quer para ela e que tem a mente tão maldosa como a do próprio Lúcifer, e o mundo inteiro contra o casal maravilha. No fundo, precisam de um novo hobbie; hoje têm máquinas de lavar loiça, lavar roupa, secar, aspiradores que correm a casa sozinhos, bimbis. E os maridos ajudam hoje mais em casa do que nunca no passado (eu defendo a divisão de tarefas em casa, não me interpretem mal), fazem menos filhos que antes e as batatas e as cenouras compram-se no supermercado em vez de serem apanhadas no quintal. Juntamos a isto o facto de que mais que nunca, os maridos tentam agradá-las com jantares, prendas e orgasmos. Tudo isto seriam avanços na qualidade de vida, não fosse o facto de roubarem à mulher aquilo em que mais são viciadas: as mulheres gostam de viver no drama. O carrossel de emoções tem sempre picos negativos e positivos e se os positivos as fazem sentir bem, são os negativos que as fazem desejar encarecidamente as sensações boas e reconfortantes que definem os primeiros. Além de que os momentos negativos ajudam-nas a perceber que homem consegue lidar com situações reais da vida e à posteriori, saber qual será ideal para viver a vida a seu lado. E já não têm muito onde pegar, então decidiram inventar novos dramas e injustiças do mundo perante elas para se entreterem.

As lutas importantes que as mulheres tinham de ter, já tiveram lugar e foram ganhas. Todas as outras, as que são tidas hoje, são exageros e muitas delas nada têm haver com feminismo. Não conheço mulher nenhuma que a cumprir a mesma função que eu, recebesse menos. Mas conheci muitos casos de homens que não fizeram os melhores negócios e acabaram a ser enrabados por não negociarem bem os contratos. Porque quem tem o poder financeiro num contrato, vai sempre tentar poupar nos gastos, por isso vai aproveitar-se de qualquer fraqueza que tenhas, seja ela seres um conas/medricas, seja seres inexperiente – como fazem com os estagiários, acabados de sair da faculdade, capazes de cumprir quase todas as funções e cumprem-nas sem um pagamento. E vejo muito poucas lutas por eles -, seja seres deficiente e dependeres de qualquer proposta de trabalho que te façam ou seja seres mulher – sim, ser mulher é, em princípio, uma fraqueza. A mulher não tem corpo para se defender e dificilmente terá a postura corporal para intimidar com a mesma, algumas poderão ter e poderão muitas lutar por a ter, mas não é o que mais atrai um homem, portanto vão ter uma luta maior para arranjar um companheiro ou para manter a personalidade natural em casa e a persona no trabalho. – A todos os que se encaixam nestes casos, vocês sofrerão as tentativas de serem explorados e isso acontecerá sempre que deixarem, porque as pessoas são egoístas, não é uma ataque apenas às mulheres.

Na verdade não acredito que seja só um hobbie, mas também não acredito que seja uma luta a sério. São só uma data de princípios psicológicos activados ao mesmo tempo: aprovação social perante as outras mulheres, a necessidade de se valorizarem, a necessidade de emoções fortes e a condição humana de pisar os que são mais fracos, talvez para gerir a raiva, por exemplo. Não é bonito, mas é a nossa natureza e só a poderás controlar se a conheceres. No fundo, as feministas comportam-se como o qualquer pessoa que arranjou o primeiro trabalho e se queixa da falta de condições, até desesperadamente saltar para um outro onde prometem mundos e fundos e acabam no desemprego, a chorar por poderem voltar ao emprego antigo.

Não é culpa das mulheres. É a maneira como o cérebro humano funciona. No fim, casam-se com o homem que se dobra aos pés delas, se torna seu servente e lhes fazem as vontades todas como elas exigiram e continuam a trai-lo com o porco machista que as põe na linha quando se esticam, que lhes puxa os cabelos enquanto as comem e lhes dá palmadas nas nádegas, mesmo quando dizem que não gostam. Por causa do drama e do poder que ele tem.

O feminismo só chegou ao nível que chegou hoje porque as mulheres estão, por norma, em maior contacto com as suas emoções e por isso sabem manipulá-las bem melhor que os homens.

8 opiniões sobre “3º movimento feminista: telenovelas”

  1. Vocês são brilhantes pensava que não me ia surpreender, talvez até as mulheres as grandes defensoras dos refugiados, querem.nos cá para eles fazerem merda, para dar emoções a um nível de vida muito bom, mas aonde nada acontece de emocionante … com refugiados vai haver violaçoes, roubos, atentados ação & emoção, portanto drama

    1. Charles, o teu nome faz lembrar-me o nick de alguém noutros campos. Por acaso assinas na cena pua?
      Mas respondendo-te: já vais entendendo como as mulheres funcionam as mulheres funcionam, aliás, os seres humanos em geral. E sim, a decisão de lutar pelos refugiados é muitas vezes emocional, mas nao é pelas emocoes que referiste, é porque as fotos, os textos d as reportagens puxam-nos emoções de validação, de sermos heróis e sermos coroados por isso sensacao de fazer uma boa acção. Sao essas emocoes que se despertam 😉 nao estás longe, Charles.

      1. “os textos e as reportagens puxam-nos emoções de validação, de sermos heróis e sermos coroados por isso sensacao de fazer uma boa acção. ”
        A validacão que os social justice warriors buscam constantemente

      2. Eu sou apenas um curioso da sociedade, nunca entrei na cena PUA apenas lia, mas não comentava em nenhum fórum, eu exagerei um pouco no comentário, óbvio que as mulheres não querem atentados nem violações, eu estava a pensar na Suécia, como aquele país entrou em auto.destruição? se forem correctas as informações que surgem na net! As mulheres gostam de homens geneticamente muito diferentes delas ou seja estrangeiros, porque isso gera crianças com sistema imunitário mais forte.porque junta o sistema da mãe mais o do pai, aí percebo a mania dos refugiados porque são estrangeiros, como também percebo a vaidade de ser boazinhas e ajudar os necessitados, agora não entendo colocar dentro da Suécia .uma cultura tão diferente e tão redutora da condição feminina como a cultura muçulmana?é que se os muçulmanos forem a maioria na Suécia as mulheres suecas perdem 100 de conquistas, quem diz Suécia diz Europa…

        1. “as mulheres não querem atentados nem violações”… RACIONALMENTE! Se os homens à volta delas forem suficientemente frouxos, elas vão esticar a corda o mais que puderem e fazer tudo para trazer gajos que as ponham na linha – que coincidentemente são os gajos que fazem atentados e violações.

          1. Charles, enquanto puseres questões e não te contentares com respostas que deixam buracos por tapar vais sempre evoluir. Mas não acredito que tenha tanto a ver com as questões de querer aqueles homens na cama, apesar da admiração que tenho ao Patriarca, acho que desta vez não é bem por aí, mas mais pelas emoções que falei no ultimo comentário.

Deixar uma resposta