Dormir no sofá

Um cliché das relações Blue Pill é o homem que se “porta mal” ir dormir para o sofá de castigo. Escusado será dizer que isto é das coisas mais Beta que um homem pode fazer.

E no entanto O Patriarca já dormiu no sofá e recomenda-o em determinadas situações. Contradição?

Alfa e Beta são contextuais

Acções aparentemente semelhantes podem ter significados muito diferentes consoante a situação e a atitude com que são feitas.

Um homem nunca deve aceitar ser “castigado” pela mulher. É uma atitude de submissão extrema que demonstra a falta de carácter e a incapacidade de manter a frame, e que só pode conduzir a uma perda de atracção e ao fracasso da relação. Voltemos, como sempre é importante nestes assuntos, ao período de formação dos nossos circuitos mentais – a idade da pedra.

cavemen
Estás a ver este gajo a deixar a mulher dizer-lhe onde vai dormir?

No despontar da humanidade, quando pouco mais interessava que a força física, as mulheres não tinham qualquer poder para obrigar um homem a fazer algo contra a sua vontade. Um homem que se deixe castigar pela sua mulher, no fundo está a comunicar-lhe que não é homem.

Portanto, se a querida está tão chateada que não aguenta a tua presença na cama, tem bom remédio – vai ela para o sofá ou para a puta que a pariu, um homem dorme na sua cama e a mulher lida com isso.

O sofá como soft next

Há, no entanto uma nuance. Por definição, um soft next não pode ser feito numa mulher com quem coabitas. Dado que é uma das maneiras mais eficazes de ensinar uma mulher a não moer demasiado o juízo a um homem (e quem já viveu com uma sabe que é inevitável que isso aconteça), há que tentar encontrar alternativas.

soft next funciona porque é uma remoção daquilo que a mulher mais deseja de um homem – atenção.

O sofá pode, assim, funcionar como uma remoção de atenção. Se uma briga se arrasta até à hora de dormir, e a gaja não se cala…

  • Podes fazer como a maioria dos homens (betas) e dar-lhe razão / pedir desculpa – altura em que é provável que ela ainda inche mais e te mande para o sofá!
  • Seguir com a discussão pela noite dentro até ela se cansar – e ter um dia de merda a seguir
  • Entrar no registo da violência doméstica – que O Patriarca, como homem civilizado, não recomenda
  • Dizer muito calmamente, “bom, eu quero dormir, se não te calas vou para o sofá” e remover-te da presença dela.

O Patriarca já fez isto um par de vezes com a querida actual. Ao fim de umas horas ela sentiu-se sozinha e foi pedir-lhe para voltar para a cama, prometendo não chatear mais. Presentemente já não é necessário passar à acção. Um mero “tenho que ir para o sofá?” é o suficiente para ela interromper o drama até ao dia seguinte – altura em que, como na maioria das situações em que as mulheres te estão a chatear por coisas estúpidas, o problema já não existe.

Deixar uma resposta