Aquilo que toda a gente pensa sobre a violência doméstica mas ninguém tem coragem para assumir

“Nem todas as mulheres gostam de apanhar, apenas as normais” – Nelson Rodrigues

A fotografia acima exibida pertence ao casal noticiado pelo Observador, exibido no vídeo da TVI24 (parcialmente censurado) e também no Correio da Manhã (sem censura). Na caixa de comentários, considerada a localização onde a gravação amadora foi realizada, um leitor assume tratar-se  do “típico subsidiodependente”. Na verdade, o rapaz que tentou asfixiar a mãe de dois dos seus três filhos grávida de 9 meses do 4º por estar embriagado à hora de almoço, é ex-aluno do Colégio Valsassina, corredor de karts, proprietário de um Ferrari desde os 18 anos e filho de um multimilionário com segurança particular quem se diz ter enriquecido a vender cocaína. Mas não é esse o ponto.

Acabada de parir pela 3ª vez em virtude da agressão, a psicóloga clínica do Hospital de Santa Maria já apresentara várias queixas no passado por violência doméstica e maus tratos contra o companheiro com quem vive e que, desde novo, era afamado por afiambrar na cara das múltiplas parceiras que nunca lhe faltaram. Sou o primeiro a declarar que me horroriza a violência e o tratamento a que esta senhora (sim, eu vejo rugas) tem sido sujeita. Acho desumano que alguém seja tratado deste modo, sobretudo ao longo de um período delicado como o da gravidez nas suas fases finais*. É obviamente necessário combater a violência doméstica e apurar e estigmatizar os culpados pela mesma. E de quem é a culpa das várias agressões de que a Drª foi alvo e a podem mesmo vitimar, caso não recupere dos danos que lhe foram infligidos? Obviamente, é dela.

O Sócrates é um conas

Na sua primeira encarnação governativa quando quis ser o Justin Trudeau Europeu, o presidiário nº 44 do estabelecimento prisional de Évora criminalizou a violência doméstica na revisão do código penal que realizou sob a forma da lei 59 de 2007. Inédito, no artigo 152º, o governante determina ” Quem, de modo reiterado ou não, infligir maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais a) Ao cônjuge ou ex-cônjuge; b) A pessoa de outro ou do mesmo sexo com quem o agente mantenha ou tenha mantido uma relação análoga à dos cônjuges, ainda que sem coabitação;” está metido num molho de brócolos. Desde então, dos dias em que eu podia ter sexo e não genero, a lei foi atualizada para contemplar a “relação de namoro”, uma “pena acessória de proibição de contacto com a vítima (que) deve incluir o afastamento da residência ou do local de trabalho desta e o seu cumprimento deve ser fiscalizado por meios técnicos de controlo à distância” e a difusão “através da Internet ou de outros meios de difusão pública generalizada, dados pessoais, designadamente imagem ou som, relativos à intimidade da vida privada de uma das vítimas sem o seu consentimento”; Transformaram-se ainda os procedimentos para garantir especial “celeridade processual”, outorgar “medidas de protecção à vítima”, aplicar “medidas de coacção urgentes” que incluem não permitir o suspeito de “permanecer na residência onde o crime tenha sido cometido ou onde habite a vítima” e registo em “Base de dados da violência doméstica”.

O Código de Processo Penal recomenda inclusive ao Ministério Público que promova  a nível de Distrito Judicial, DIAP, círculo judicial ou comarca, o desenvolvimento de parcerias, formas de articulação e canais de comunicação (…) com a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, (…) e as instituições de solidariedade social cuja atividade incida sobre agressores ou vítimas ou sobre qualquer vertente relevante para a compreensão e intervenção nas situações de violência doméstica, tendo em vista o apoio à definição e à execução das injunções e regras de conduta. Nas fichas entregues às forças de segurança, encontramos questões mui imparciais como “Acredita que o ofensor a seja capaz de matar ou mandar matar (está convictA – homens não podem ser vítimas – de que ele seja mesmo capaz?) ou “A Vítima está grávida ou teve um bebé nos últimos 18 meses“.

Dois anos depois,fez-se aprovar a lei 112/2009 que cria a «Rede nacional de apoio às vítimas de violência doméstica» e aplica “medidas de coacção urgentes”, no prazo de 48 horas, expulsando nomeadamente os “agressores” das suas próprias residências e impedindo-os de “contactar com a vítima, com determinadas pessoas ou frequentar certos lugares ou certos meios”, “mesmo nos casos em que a vítima tenha abandonado a residência”. À vítima, a lei presta “Apoio Financeiro”, força a “Cooperação das entidades empregadoras”, para efeitos de transferência, “suspensão do contracto de trabalho” ou justificação de faltas; Ao “apoio ao arrendamento”, “atribuição de fogo social”, “Rendimento Social de Inserção”, “Abono de família”, “Tratamento clínico”, “Isenção de taxas moderadoras”, “assegurada prioridade no acesso às ofertas de emprego, à integração em programas de formação profissional ou em qualquer outra medida ativa de emprego”, ” prioridade no atendimento nos centros de emprego e centros de emprego e formação profissional do Instituto do Emprego e Formação Profissional, I. P. (IEFP, I. P.,)” e gratuitidade de tudo isto. Ah, e (além de uma infinidade de estruturas apoio todas pagas pelo Zé povinho) cria os CIGanos**

ciganos
O Patriarca é um génio

Paralela aos trabalhos legislativos, a magistratura – liderada por uma especialista nestas merdas – coordenou-se para auto-atribuir, a alguns magistrados, a especialização na temática. Movida pela convenção de Istambul, congregação de juristas dedicada às temáticas da “Violência Doméstica, maus-tratos e contra a autodeterminação sexual” num país onde há algumas semanas as autoridades desmembraram um jornalista, a PGR “impõe que na investigação de tais ilícitos, o ministério público adopte na sua estrutura organizativa por forma a responder adequada e cabalmente às aludidas exigências”. Assim, contrariando o estipulado pelas normas judiciais em qualquer país civilizado no mundo, ao invés de sorteados, “os inquéritos referentes aos fenómenos criminais de violência doméstica, maus-tratos e/ou contra a autodeterminação sexual devem ser atribuídos a secções especializadas ou a magistrados específicos”.

Entretanto o crime evoluiu para Violência de Género, um termo onde a única palavra que existe no mundo real é a conjunção. Tem um observatório e um centro de Estudos na FCSH. Mas ignora duas informações tremendamente importantes sobre esta tipologia crimosa: mais de um terço se resume a maus tratos psíquicos*** (seja isso o que quer que seja) e  que a violência relacional é estatisticamente muito mais prevalente (alcançando os 26 %) na comunidade homossexual. Ou seja, quando a sua modalidade relacional foi liberada, na verdade, permitimos que um quarto da comunidade fosse violentada pela própria comunidade, nomeadamente através do Outing que pode ter como objectivo garantir o despedimento ou retirar a custódia parental. Se tudo isto não bastasse, face a mais de 30 abrigos em todo o país para acolher mulheres, existe apenas um para acolher homens.

Image result for algarve casa-abrigo homens
As condições podiam ser melhores

Um crime que não existe

Agrada-me viver num país seguro onde as estatísticas criminais são francamente reduzidas (porque ainda não começamos a importar criminosos). O Estudo Avaliativo sobre o Grau de Satisfação de Utentes da Rede Nacional de Apoio a Vítimas de Violência Doméstica é uma irrelevância estatística, com 1.4 queixas a cada mil pessoas em seis meses no distrito mais problemático (Lisboa). Piora se pensarmos que as queixas podem ter a mesma protagonista tal como a jovem do texto (que se queixa várias vezes) , ou que algumas destas queixas podem ter na sua origem (segundo relatam os sociólogos do ISCTE) “o sentir medo pela sua vida e segurança pessoal” – a percepção,  feeling, aquilo que alimenta as capas de revistas cor-de-rosa e tem muito pouca substância.

Image result for barbara guimaraes bebada
Continuamos consigo Excelentíssimo Senhor Professor

Mas desde que estas leis foram aprovadas, o país tornou-se mais perigoso. Para mim. Ou para um ciclista nos quarentas com quem travei amizade recente e que me contara como num dos seus treinos, na margem sul, se cruzara com uma ex-namorada a quem dera um soft next cordial por estar farto dela. A miúda estava acompanhada pela procuradora distrital de Setúbal de quem é amiga. Nenhuma das mulheres lhe falou e um par de quilómetros adiante foi detido pela GNR, sob o pretexto da violência doméstica. Resultado: multa, cadastro, e a proibição de continuar a realizar os seus treinos naquele circuito.

Uma lei que menoriza as mulheres

Os crimes de agressão, ameaça ou injúria são crimes privados. Significa que se eu bater nalguém, intimido alguém ou insulto, posso ser posto em tribunal se a vítima apresentar uma queixa, nomear um advogado e me colocar um processo. Enquadrados sob a bitola da Violência Doméstica, estes crimes cometidos contra uma entidade tipidificada (é mulher) passam a ser julgados pelo ministério público, sem que as agredidas (ameaçadas, injuriadas) se constituam noutro papel que não o de assistente. São observadoras passivas num processo que é montado não no sentido de fazer prevalecer a justiça, mas para agredir o agressor.

Não lhes é dada qualquer escolha sobre um processo que gira em seu torno. Não lhe dão inicio nem lhes é permitido terminar. A sua vontade, numa matéria desenhada por feministas radicais, é radicalmente ignorada. Aos olhos da justiça, mesmo num contexto factual, as mulheres, vítimas, o seu depoimento e intenção, são um pequeno pormenor face à prioridade de inculpar os homens com tanta agressividade quanto possível. Não têm voto na matéria.

E não me venham com a conversa de que estas agressões, apreciadas à luz do crime privado, jamais seriam julgadas. A justiça jamais interviria no caso de um furto sem denuncia, ou de um dano patrimonial sem reporte. É do entender público que a mão do estado existe para fazer cumprir a vontade dos cidadãos. E a das cidadãs?

* Se a gravidez estivesse no ínicio e a mulhera bortasse espontaneamente por causa da agressão, podemos considerá-lo de facto um criminoso e não um clínico homeopata ao serviço do SNS?

** Existem ainda os artigos 77º a 80 º que são, no mínimo, assustadores

*** Há mais queixas por “Violação da obrigação de alimentos” do que por “Assédio”

 

As mulheres desejam Patriarcas

Fonte: Feminists Think Sexist Men Are Sexier than “Woke” Men

Women like bad boys. At least, that’s the story. And there’s lots of writing and anecdotal experience to back that up. Men frequently complain about being “friendzoned,” the idea being that men who are respectful toward their female interests get placed into the role of friend, rather than potential boyfriend. The “pickup artist” community has embraced this concept, teaching men how to behave in assertive, dominant ways that, allegedly, are more successful with women. Many of these concepts and dynamics themselves have been called sexist and misogynistic, reflecting underlying beliefs that women “owe” men sex. The “incel” community, a group of online males who complain bitterly, violently, and angrily about being “involuntary celibates” attack women for choosing “Alpha males” rather than softer, kinder men. . . like themselves.

Women who admit to liking bad boys—being attracted to men who are assertive or dominant—are sometimes criticized as having “internalized” misogynistic attitudes, or simply as naïve and foolish, failing to recognize or admit that sexism is damaging. During the 2016 presidential campaign, female fans of then-candidate Trump proudly invited their candidate to grab them, following release of tapes of Trump discussing grabbing women without consent. These women were proclaimed traitors to other women, or decried as simply deluded. Others have suggested that women may choose bad boy types in order to acquire protection from other, more aggressive and hostile men, a theory referred to as the “protection racket.” Some simply suggest that sexism is insidious, and that these dynamics infiltrate our choices without us noticing.

These are complex, highly politicized dynamics that foster conflicts and finger pointing between the genders. Unfortunately, research suggests that women do in fact find sexist men attractive. Gul and Kupfer recently published research where they conducted multiple experiments, testing women’s attraction to different types of men, and teasing out women’s motivations.

Past research has suggested that evolutionary biology explains these dynamics, pointing to findings that women reportedly prefer men with more masculine features and more indicators of “fitness.” However, many of those sensational findings are in question, with failed replications leading to doubt that these effects can be reliably predicted or measured.

Gul and Kupfer take a related tack, but head in a slightly different direction. They suggest that female interest in sexist men, specifically men who display “benevolent sexism” may be seen by women as being more interested in investing resources in a woman.

Benevolent sexism is a concept describing a form of sexism which is overtly less hostile and misogynistic, and are beliefs that I was taught, as a man from the US South. Benevolent sexism includes beliefs that:

  • Women should be “put on a pedestal”
  • Women should be cherished and protected by men
  • Men should be willing to sacrifice to provide for women
  • Women are more virtuous than men
  • Women are more refined and pure, compared to men.

Os leitores mais assíduos terão notado que isto são características algo Beta. Calma. O ouro vem a seguir.

Despite aspects of benevolent sexism appearing chivalrous and romantic, previous research has found that women who endorse these beliefs often demonstrate approval of restrictions on women’s freedoms, independence and autonomy, and may impact women’s support for gender egalitarianism.

O Patriarca suspeita que as mulheres que lutam contra a burka são as que não conseguiram arranjar um homem que as faça desejar a burka.

Gul and Kupfer used several different related experiments in order to test why women find men with these types of beliefs to be more sexy and appealing. They found that women who saw these types of men as more attractive also saw the men as being more willing to protect and care for them, and to commit to a relationship. Interestingly though, these women weren’t love-struck fools, but had their eyes open about these men. Despite being attracted to them, and seeing them as good mates and partners, the women saw these males as being undermining and patronizing men who were more likely to place restrictions on the women.

Tradução: as mulheres só querem ser fortes e independentes até arranjarem um Patriarca.

Gul and Kupfer conducted several separate experiments, showing that their results did replicate in different samples and using different methods (an important strategy in today’s replication crisis), and that the effect was apparent both potential mates, AND in work colleagues. Even in men who were not being scoped out as potential intimate partners, women were more likely to see sexist men as more attractive. Women who were both more and less feminist displayed similar levels of attraction to sexist men, so this effect isn’t the result of women not being “woke” enough.

One of the experiments tested whether women’s ratings of sexist men varied depending on cues about there being more hostile men around from whom the woman might need protection. But here again, women’s attraction towards sexist men wasn’t influenced by her potential need for safety from more hostile men.

O sexismo está para as mulheres como umas mamas boas estão para os homens. São apetitosas em qualquer contexto.

Gul and Kupfer’s research offers a new way to approach these complex dynamics of attraction, integrating the role of evolutionary influences, with culturally-influenced social role expectations. It also challenges some of the misleading beliefs that blame both women and men for the persistence of sexism in our society. It’s important to note that sexism and misogyny are not identical concepts. Kate Manne suggests that misogyny is more about control of women than about hatred, and argues that sexism is more of an ideology that supports the reasons why we treat women differently.

“Dating male feminists turned out to be one of the least empowering decisions I’ve ever made.” —Kate Iselin

Women who find sexist men attractive are not being traitors to other women, nor are they naïve women who don’t understand their choices. Instead, they are women who are making rational decisions, accepting tradeoffs. They are women who recognize that it may be more beneficial to have a partner who is committed to them and willing to sacrifice for them and their family, than it is to have a “woke” feminist man who wants them to be independent.

show_bolsonaro-600x387

I look forward to future research which might explore men’s own perceptions of their attitudes towards women. Do men who hold benevolent sexist beliefs recognize that they may increase their attractiveness, while also potentially being seen as patronizing? But for now, perhaps this research can help us to stop attacking sexist men as being misogynistic tools of the patriarchy, and recognize that these social dynamics exist due to the choices of both men and women, for reasons other than power, hatred, or control.

O mundo é dos Patriarcas, os outros só vivem nele.

Correio do Leitor: Falsos Moralistas e Falsas Puritanas

Pese embora* o que afirmam betas cavaleiros brancos como o nosso provador de buttplugs de serviço, o betacoresoul, a Red Pill é um tema de interesse também para as senhoras.

Prova disso, um recente e-mail recebido pel’O Patriarca. A leitora não será identificada porque não fez nenhum pedido nesse sentido. O Patriarca terá todo o gosto em fazê-lo se ela assim o desejar.

Olá Patriarca

Este blog chamou-me atenção o texto sobre a Paula Cosme, vai par o caralho.
Parabéns! Pois, como mulher, não poderia concordar mais.

Esta sociedade está repleta por demais de falsos moralistas e meninas de bem, falsas puritanas…que na vida pessoal deles por terem tido vivências que as marcam psicologicamente, “cospem” barbaridades na via pública. Que se resolvam primeiro, a a ganhar amor próprio e segundo a se curarem e depois, sim, falem se quiserem…

Vou seguir o seu blog e ler o que há para trás.

Concordo em absoluto com isto: “O Patriarca considera o feminismo o maior flagelo que assola a sociedade actual, é importante realçar que não há nada de pejorativo neste prémio.”

Já agora, leu o último artigo da criatura, dessa Paula? Sobre os beijos dos avós? Vem no expresso.
https://expresso.sapo.pt/blogues/bloguet_lifestyle/Avidadesaltosaltos/2018-10-17-O-beijo-na-avozinha-e-o-esgoto-da-hipocrisia-da-nossa-sociedade

Com os melhores cumprimentos,

[A Leitora]

Cara leitora, é um prazer receber estas suas palavras.

O Patriarca já terá passado os olhos por esse artigo, não vai agora confirmar porque acabou de almoçar e seria bastante inconveniente sujar o chão da sala.

Resta-lhe pedir que se reproduza abundantemente, se ainda não o fez. O mundo precisa de crianças educadas por pessoas que rejeitem veementemente as demências que megeras como esta querem impor.

E já agora, passe a palavra sobre o nosso blog.

Com os melhores cumprimentos,

O Patriarca


*Mentira, o que estes merdas dizem não pesa nada

 


LINKS GUARDADOS

https://web.archive.org/web/20181123155316/https://expresso.sapo.pt/blogues/bloguet_lifestyle/Avidadesaltosaltos/2018-10-17-O-beijo-na-avozinha-e-o-esgoto-da-hipocrisia-da-nossa-sociedade

A Parede em imagens #4: Diana Chaves

Diana Chaves nao casa.png
29 anos

 

diana chaves casa
37 anos

Pelo menos o gajo é o mesmo. Mas andou à espera de melhor…


P.S. A série “A parede em imagens” não serve para denegrir as visadas. A idade é o que é e passa para todos. Pretende apenas ilustrar a diferença de valor sexual e atitudes que a parede condiciona nas mulheres. O Patriarca encara estes posts como um antídoto à mentirosa narrativa de que as mulheres melhoram com os anos, para avisar os betas de que o plano é mantê-los à espera.



LINKS GUARDADOS

https://web.archive.org/web/20181107135429/http://caras.sapo.pt/famosos/2010-12-29-diana-chaves-casar-me-nao-faz-parte-dos-meus-planos

https://web.archive.org/web/20181107135226/http://caras.sapo.pt/famosos/2018-10-31-Na-CARAS-desta-semana-Diana-Chaves-confessa-Ja-sinto-vontade-de-me-casar

Caricatura do multiculturalismo

“Dir-me-ão que as minorias étnicas também ofendem o politicamente correcto (basta pensar na misoginia e homofobia do hip hop). Só que esses grupos desempenham um papel importante como ‘vítimas’ no teatro progressista da ‘culpa pós-colonial’ ” Rui Ramos, Porque é que os pobres votam em Trump

O choque, o pânico, o horror com a vitória eleitoral democrática de um tipo com túbaros e sem preconceitos contra o uso de armamento.

As armas são um instrumento de opressão branca sobre o mui pacífico e tolerante multiculturalismo.

Tal inédita apologia do presidente eleito Brasileiro à cultura da violência e das armas é um nojo, não é? não é? não é? não é?

armas um.png
Este nigga apoia o Bolsonaro
armas 2.png
Mandatária da cultura do Bolsonaro

Numa peça que li sobre a canção, os críticos declaram que “a cantora não te deixará indiferente neste verão”. Que produz uma mistura única que junta “O rap, o soul e o r’n’b” e repara que “no meio do rap, existem poucas ou nenhumas mulheres”.

Mas depois deixa a deixa feminista para a artista que rappa ao lado do traficante de droga assediador com aspirações terroristas e autor de Polygame (“Ela só quer sexo e a soma/se o Amor está morto, não tenho culpa/ela gosta de coleccionar homens”), GB (“Ela é a maior/Grandes tetas/grande peida”), Touchez le ciel (“Peço desculpa, há demasiadas putas” (…), “Há os que veneram vacas/E outros que veneram putas), Le Poids de mes Erreurs (“As línguas da puta só se juntam para dizer o mal (…) conheci alguns homens mas muitos chupavam piças), Pay Me (“Os judas crescem como flores quando há putas (…) em torno de mim só há homens”), Pas Pousser (“deixa todas as tuas putas abaixarem-se/vou acabar com o seu blabla/beijá-las todas sem viagra/fazer as contas a sério/obrigá-las a fazer a hagra*), Abdos Fessiers (Ela só se preocupa com o seu grande rabo/o que ela quer é esfumar os seus adversários/dobrar a atmosfera/apagar todas as luzes/diga-se que todas as equipas a apoiaram (…) nádegas, nádegas, a madame só opera com o rabo grande/diz a este cavalheiro/que a madame roça grandes pacotes), K-Méha (“Câmara em mim, eu gosto** de crianças e de adolescentes” (…) Não haverão (…) mulheres oprimidas/Elas querem-me ver nas sombras, eu resolvo-o/Elas gostam de me chupar a piça e é tudo um trabalho), Hermano (“Entro na cona do jogo como um tampax*** (…) É história antiga como a das cabras e das putas/Que acreditam nas Valsas de Viena/Mas já não têm hímen”), Zwin et Zen (Cambada de putas, o que foi? (…) Lamentos, putas, todos temos ambições/Todos queremos cuspir munições/Ela tem um compromisso com punições/Mexemos-nos no escuro, não sei onde ir/Em qualquer lugar, a qualquer hora, ela pode engolir/Não quer cuspir mais, quer engolir”), Gonzales (Sentimos mais a falta do que as gajas do Leste/Queremos algumas… grandes peidas), e Échec et M.A.T (“É o PMP**** na tua cona”). Caroliina que se define como rebelde, diz “desejar valorizar as mulheres”, dar “um toque feminino” ao rap, tomar as lides brasileiras e “casá-las com os (ritmos) Franceses”. Quão emancipadora.

Não comento as mentiras da cantora. Sobre a hipocrisia do seu feminismo. Sobre a hipocrisia das suas crenças. Sobre a hipocrisia de haverem 36 raponas que cantam em Francês e pintarem esta pegazuka como uma novidade. Tão nova como a música de Lartiste – um monheca na Europa que gosta de carros caros, com o refrão “Está tudo bem” – ao lado da música de L’Algérino – um monheca na Europa que gosta de carros caros, “Vá Bene“.  Sobre a hipocrisia de Hypocrite “Recolho o que herdei, sou parte da elite”, os carros de luxo no vídeo de Mafiosa e a sua conjugação com o patológico discurso pós-colonialista que nos imputa compulsivamente empatia pelos invasores como se se tratassem de um novo operariado Europeu. A hipocrisia de afirmar não existir tema tabu, excepto o de devolver esta escumalha ao buraco de onde vieram.

 

carros.png
Carros de luxo pagos pelo estado social Francês

Mas Mafiosa, onde Caroliina dispara “em ritmos endiabrados” soa a toda uma apologia à agressão. Contra quem dispara a autora? Julgo ser contra mim e foi isso que me chamou à atenção na música, ao tom furioso com que se dirige a uma plateia, provavelmente composta por homens beta, tal como o faz em Caipirinha. Contra o tipo “no canto” que “está olhando e está babando”, a Brasileira não exibe simpatias nem parece disposta a abraçar a emotividade dos ocidentais nem a repudiar a masculinidade tóxica; pelo contrário, procura-a junto do Marroquino. Num momento de inédita doçura, após o refrão, permuta o tom com que atacava os brancos, para se dirigir ao Artista “Então faz eu me apaixonar/vem comigo nesse samba/Vamos ver se vai rolar*****” 

Image result for white couple

Depois do google nos ensinar que apenas os brancos são ladrões e a wikipedia nos endoutrinar sobre o que é um traveca, a cultura popular esforça-se em definir o que são relações salutares, o que são homens atraentes, e o que são aborrecidas perdas de tempo. Segundo a minha cor de pele, encaixo na segunda categoria sem o encaixar em lado nenhum. O problema é a ostensividade com que vemos esta tendência impingida às jovens ocidentais. Num outro vídeo (God is a woman) Ariana Grande (grande puta) ignora obstinada um conjunto de homens brancos, mas canta sobre Amor dedicando-o a alguém. Com 149 milhões de views, considerada a forma como fui tratado no último bar, diria que esta é uma campanha bem sucedida.

Mafiosa.png
O sucesso comercial de Mafiosa

Continuaremos a realizar interpretações dúbias, ambivalentes e cínicas sobre os fenómenos culturais que nos rodeiam. Continuaremos a abraçar estrangeirismos e a desprezar a cultura Ocidental. Continuaremos a endoutrinar as massas para detestarem o que é seu. Continuará a ser hilariante: As referências pacifistas à Jamaica, cuja capital é a cidade com maior número de homicídios per capita do mundo; As referências sensuais ao Brasil, que teve 65.000 assassinatos no último ano e o Rio de Janeiro em Estado de Emergência tomado por militares. A cantora assinala “Aqui no RDV” onde a música foi gravada. Que melhor local para estar no mundo do que o Senegal?

senegal.jpg
O paraíso de Caroliina

Queria acabar a minha crónica sobre a automutilação Ocidental mas não me posso esquecer de Sinead O’Connor. A mundialmente famosa interprete de “Nothing Compares to U” rasgou em 1992 uma fotografia do Papa São João Paulo II acusando “Lutem contra o verdadeiro inimigo”. Agora converteu-se ao Islão. E é só.

CAF

image.aspx

* – A hagra é uma forma de humilhação/mortificação moral pública islâmica onde um índividuo espezinha a reputação de outrem. É um termo coloquial proveniente do Magreb

 ** – No original j’fais kiffer les gosses et les ados onde “fais kiffer” é traduzido no google como “eu fodo” [crianças e adolescentes]. Na verdade, kiffer vem de kif, uma palavra árabe para hashish e derivados do canábis. Existe na França continental há 12/15 anos; Não existe noutros países francófonos como o Canadá (porque será) e significa “aprecio, disfruto”. A metáfora pode implicar que o rapper droga crianças e adolescentes, com a sua música cativante ou quiçá no sentido literal.

*** – Como já tínhamos falado, PIV is always rape, ok?

**** – PMP, Purple Money, é a editora de Lartiste

***** – Rolar é eufemismo para foder. Caroliina apenas fode com pretos.

PS – Tenham complacência por este humilde redactor, agregador de segmentos informativos atomizados, colador de recortes, que leu todas as letras dos seis álbuns deste jagunço. Mereço o céu

Chauvinista do Mês #7 – Carlos Ramos

Nota prévia: relembrando que O Patriarca considera o feminismo o maior flagelo que assola a sociedade actual, é importante realçar que não há nada de pejorativo neste prémio. O Chauvinista do Mês é um galardão de honra que O Patriarca (e outros membros da Távola que assim o entendam) atribui a quem vê a realidade em geral, os choques culturais e as dinâmicas intersexuais tal como elas são, e tem os tomates de ferro necessários para, por palavras ou acções, apregoá-lo em público.

Estava a faltar, não era?

Tinha que ser um tuga com túberos de aço para fazer frente a uma das maiores estrelas do ténis, ainda por cima pertencente a dois grupos “oprimidos” (ou seja, protegidos) – gaja e preta.

Como é óbvio, foi atacado por todo o tipo de degenerados por algo tão obsceno como cumprir o seu dever. O que é que ele tem a dizer sobre isso?

“Estou apenas focado nesta eliminatória e em trabalhar de novo. É apenas isso que posso dizer”

Não há desculpas, não há sequer a mínima valorização do assunto. O homem faz o seu trabalho e segue em frente. “Como se atreve a tratar assim uma mulher?” Fala para a mão. O mundo precisa é de homens destes.

 


Vencedores anteriores:

Chauvinista do mês #6 – Paulo Almeida

(Alegado) Chauvinista do Mês #5 – Jorge de Sá Gouveia

Chauvinista do Mês #4 – O segurança anónimo do Algarve

Chauvinista do Mês #3: António Gentil Martins [Extra!]

Chauvinista do Mês #2: Luís Aguiar-Conraria

Chauvinista do Mês #1: Prof. Dr. José Luís Pio Abreu


Links guardados:

https://web.archive.org/web/20181014124756/https://www.record.pt/modalidades/tenis/us-open/detalhe/carlos-ramos-quebra-silencio-apos-polemica-com-serena-williams